18 de dezembro de 2016

Especial: Temporada de Inverno 2017










Está no ar a edição de mais um guia de temporada do Animecote, o único da blogosfera otaku que não se atreve a dizer que é completo, mesmo praticamente o sendo, porque isso seria falta de humildade e mentira - mas olhem só a tentativa em deixar implícito que é o mais completo, o que já vai contra o que eu disse...

E aviso logo aqui que este pode ser, infelizmente, o último guia do blog devido ao feedback baixo das postagens anteriores - mais adiante, na parte de avisos, eu falo melhor a respeito disso. 

*****

Deixando tais decisões de lado - pelo menos até o início de janeiro -, esta temporada de inverno vem, em suma, com muitas aventuras fantasiosas ou sobrenaturais, garotas das mais variadas espécies e romances que darão muita dor de cabeça - seja para aqueles que as protagonizam, seja para quem só acompanhará de camarote o sofrimento alheio. Enquanto será dado continuidade à estranha relação entre dois irmãos que não são irmãos de verdade, em outro anime um ex gordinho, agora bonitão atlético, tentará se vingar da garota que o rejeitou e praticou bullying nele quando criança, e qual a melhor forma de alcançar isso do que fazê-la se apaixonar por sua nova e atraente pessoa para, em seguida, dar o fora nela? Em situação ainda mais incomum, dois adolescentes cujas paixões por seus professores não são correspondidas ficam juntos para confortar fisicamente a solidão um do outro (sim, muita pegação), e nessa fórmula adicione ainda uma amiga de infância que gosta do rapaz, uma garota que gosta da amiga (!) e várias reviravoltas que tornarão estes personagens os mais libertinos da temporada! E para encerrar este trecho tão romântico, uma garota dragão se mostra perigosa e pervertidamente devotada à sua mestra humana que lhe salvou e deu um teto para viver, mas não se preocupem que aqui não vai acontecer nenhuma relação entre espécies - eu acho.

Aliás, só ter garotinhas como protagonistas não tem mais graça, né? É preciso algo "diferente", como o caso da garota dragão, ou então de um zoológico gigantesco composto por garotas animais da África. Há também um professor extremamente dedicado que dará conselhos e cuidará dos problemas de suas alunas especiais, que são nesse caso uma alegre vampirinha, uma tímida dullahan e uma distante e fria (ei!) yuki onna. Idols? Temos sim no catálogo, não podem faltar numa temporada que se preze, só que dessa vez elas atuarão no governo japonês para combater a corrupção (é tipo o Sérgio Moro de saia e voz estridente). A preguiçosa história de uma garotinha anjo que veio pra Terra e conheceu os prazeres de uma vida nerd, deixando totalmente de lado suas atribuições divinas; uma escola feminina que serve como base para um quinteto de garotas enfrentar uma ameaça alienígena qualquer; o fofíssimo dia a dia de uma adolescente ao lado de suas três gatinhas personificadas em garotas; a descoberta e o fascínio de uma jovem pelo ciclismo (de novo?); o primeiro emprego de uma estudante meio estabanada em um restaurante de tema italiano; a versão televisiva das aventuras de um trio de bruxinhas; e, que coisa, as façanhas militares de uma garota loira de apenas 9 anos... Que no fundo é um homem de meia idade que foi "punido" por um Deus após discutir com ele - quem será que foi o imaturo aqui, quem?

Ingredientes de sukiyaki personificados combatendo o mal; a segunda temporada tanto de uns aventureiros bobalhões e pobres, quanto de praticantes de rakugo; a terceira série sobre rapazes ciclistas; a quarta animação de uma franquia de terror que já deixou há tempos de causar sustos; e a quinta adaptação do mangá focado em um bando de loucos no Período Edo. Há por fim exorcistas, heróis genéricos partindo numa jornada genérica para enfrentar vilões genéricos, série de assassinatos bizarros ocorrendo em Tóquio e, isso também um assassinato, mas à memória do pobre homem, outra adaptação duvidosa dos livros de Edogawa Ranpo - estou começando a acreditar que a indústria de animação japonesa possui alguma rusga contra ele, só pode...

*****

Há listadas por ora 33 estreias, porém esse número aumentará, no mínimo, para 46. A razão disso é que há mais 13 animações já confirmadas que preferi ir adicionando aos poucos nos próximos dias, para que o post não atrasasse. Segue abaixo a relação dos títulos faltantes:

ēlDLIVE (adicionado)
Fuuka (adicionado)
Gabriel DropOut (adicionado)
Gan Gan Ganko-chan (adicionado)
Onihei (adicionado)
Seiren (adicionado)
Spirit Pact (adicionado)
Urara Meirochou (adicionado)
Youjo Senki (adicionado)

Como de praxe, disponibilizarei logo adiante outra fonte para divulgação das estreias de OVAs, Movies, Specials e OADs que virão nos próximos meses. Já para séries de TV e ONAs, continuarei com comentários pessoais meus em boa parte dos animes, principalmente naqueles cuja obra original eu pude conhecer um pouco - nessa temporada chegarei a meros 10 títulos lidos contando os que ainda serão adicionados, número bem abaixo da média em relação a guias passados. Certamente um anime que estou aguardando muito agora poderá ser uma droga, ou um que só menosprezei poderá se mostrar muito bom (e às vezes eu também acerto, vai!); mas enfim, são apenas especulações, de acordo com a visão que tive do material original ou da equipe envolvida na produção.

*****

Como esse post está sendo feito com certa antecedência, muitos dados novos surgirão ou terão de ser corrigidos; desse modo, manterei logo a frente uma relação das atualizações realizadas aqui. A propósito, todos os animes possuem em seu título um link que o leva às suas respectivas páginas no MyAnimeList.

Concluindo, as datas de estreia se referem ao dia exato da primeira exibição do anime (excluindo pré-estreias), não importando o horário. Ex: em alguns sites colocam que anime X estreará dia 6 de janeiro, sendo que sua estreia será à 1:00 da manhã já do dia 7; mas aqui a data estará como dia 7 de janeiro mesmo.



PS: Comentários são bem-vindos; ou, para ser exato, eu quero que comentem! Claro, só estou sendo um pouco exagerado, mas feedbacks para algo que levou semanas para ser montado (e que nem chegou ao fim ainda) é, assim, um ótimo "pagamento", que me motiva a continuar com essa postagem em temporadas futuras, ainda mais para esse guia que pode ser o último a ser criado dependendo do retorno que ele tiver, conforme eu declarei no fechamento do guia anterior, sobre a temporada de outono. Não se preocupe com o tamanho ou conteúdo do comentário: somente deixar seu suporte, crítica ou sugestão já me será o suficiente.



*****


Aos que quiserem ver de forma mais sucinta as estreias não somente de séries de TV, como também OVAs, Movies, Specials e OADs, recomendo usarem o Anichart, um famoso site que disponibiliza de forma personalizável e constantemente atualizada as informações das estreias de cada temporada.

Para quem quiser ver os animes listados de acordo com suas respectivas datas de estreia, clique aqui para acessar uma planilha que montei no Google Drive.



**********

Atualizações:

 10/01: Adicionado o anime "Sengoku Choujuu Giga: Otsu" (página 2).
 07/01: Adicionada uma nota de atualização no final do texto de "Chou Yuu Sekai:  Being the Reality".
 07/01: Após 20 dias e 57 notificações, declaro que AS ATUALIZAÇÕES ESTÃO  ENCERRADAS; possíveis correções de informações ou links quebrados, se houver,  serão feitas sem aviso - a exceção fica para animes que ainda vierem a ser  adicionados ou modificações que eu julgar importante destacar aqui. 
 07/01: Veja no final dessa página um ranking com o número de votos para cada  anime na enquete, bem como minha decisão a respeito do futuro desse tipo de  postagem.
 06/01: Adicionado o anime "Forest Fairy Five".
 06/01: Adicionada a informação "Trailer" do anime "Chaos;Child".
 06/01: Adicionado novo trailer de "Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu: Sukeroku  Futatabi-hen" (na verdade é um vídeo da sequência de abertura).
 06/01: Adicionado novo trailer de "Chain Chronicle: Haecceitas no Hikari".
 06/01: Adicionado novo trailer de "Youjo Senki" (página 2).
 06/01: Aliás, verão no final do post que novamente precisei criar uma segunda  página para o guia, pois esta não estava mais sendo atualizada.
 06/01: Mesmo não havendo mais nenhum anime para adicionar (por enquanto),  deixarei para encerrar o guia e divulgar o resultado da enquete na sexta feira à  noite.
 06/01: Adicionado o anime "elDLIVE".
 05/01: Adicionada a informação "Trailer" do anime "Onihei".
 05/01: Adicionado novo trailer de "Spiritpact".

 03/01: Adicionado o anime "Akiba's Trip The Animation".




**********


Formato: TV
Data de estreia: 10/01
Estúdio: Madhouse
Diretor: Shingo Natsume ("One Punch Man", "Space Dandy")
Gênero: Drama / Policial
De onde saiu: Mangá, 6 volumes, finalizado.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Homens bonitões de uniforme.

Adaptação de um mangá seinen composto por seis volumes publicados entre 2013 e 2016 na revista Monthly Big Gangan ("Doubt", "Soul Eater"), a história de "ACCA: 13-ku Kansatsu-ka" ocorre em Dowa, reino cujas terras possuem a forma de um pássaro (achei deveras relevante destacar isso, porque é estupidamente perfeito demais!) e do qual seu rei está completando 99 anos de idade. Aqui, tal território é dividido em 13 distritos, e todos eles são controlados pela enorme organização ACCA, onde o protagonista Jean Otus é o segundo em comando de uma agência de inspeção localizada na capital - seu trabalho é avaliar e reunir dados de todas as filiais da ACCA espalhadas pelo reino, sendo necessário viajar regularmente até outros distritos para isso. É neste cenário que será mostrado o dia a dia dele e de seus subordinados, que no meio do serviço burocrático precisarão às vezes lidar com questões como corrupção e intrigas políticas.

Este se tornará o terceiro mangá da autora Natsume Ono a ser animado, isso após "Ristorante Paradiso" em 2009 e "Saraiya Goyou" em 2010.
 Caso deem uma olhada em suas respectivas sinopses verão que há mulheres com papéis importantes no elenco, porém a predominância mesmo é de homens bem apessoados - não que isso filtre tanto o seu público alvo, pois eu assisti os dois animes e ambos possuem personagens bem caracterizados e boas tramas, apesar de "Ristorante Paradiso" ser consideravelmente inferior ao ótimo "Saraiya Goyou". Já quanto a "ACCA: 13-ku Kansatsu-ka" pude ler somente dois capítulos de seu mangá: A tradução dele começou mês passado, e até fui adiando sua inclusão no guia para poder ver mais, contudo fazem semanas que não prosseguem com o projeto.

Nesses dois capítulos só o protagonista Jean se destacou, ao passo que os outros personagens tiveram no máximo algumas cenas breves das quais não dá pra relevar quase nada. 
Morando junto com sua irmã em um apartamento de luxo e sendo capaz de bancar cigarros mesmo recebendo um baixo salário (pois é dito que neste país as taxas em cima de tal produto são tão altas que somente pessoas ricas conseguiriam compra-lo: curiosamente, Natsume já até participou de uma antologia focada nesse maldito vício!), Jean atua na agência de inspeção de uma organização que comanda a segurança, a saúde, o corpo de bombeiros e vários outros serviços em Dowa - seria tipo um gigante estatal para tudo? -, e no primeiro capítulo o vemos viajar a um dos 13 distritos para verificar seus dados como de rotina, isso enquanto recebe a não tão inesperada notícia de que sua área será extinta no próximo mês - entre os motivos estariam redução de custos e o fato de que tal agência parece não ter muita utilidade, algo que percebemos ao ver o quão seus integrantes discutem a respeito de sobremesas e conversam relaxadamente no local de trabalho. Desculpem-me pelo pequeno spoil, mas esse argumento é derrubado provisoriamente ainda no capítulo inicial, graças à intervenção de Jean num caso de corrupção.

Como posiciona-las isoladamente causaria uma confusão de links chatos, eis aqui algumas páginas desse capítulo, já destacando seus principais trechos. Ele se encerra com a premissa de que o protagonista é alvo de certo conluio entre os chefes da organização, e no seguinte, além de descobrirmos mais um pouco sobre este personagem, é revelado que a agência terá muito trabalho pela frente visto que precisará inspecionar todos os distritos em poucos seis meses - um cronograma estranho e pesado tendo em conta que, normalmente, cada região é visitada apenas uma vez a cada dois anos.

Pronto. Falando dos acontecimentos em si não soa mesmo muito interessante, mas admito que gostei do início do mangá, me simpatizando com seu cenário e achando bem feita a apresentação de Jean, que mostrou ser um líder calmo e inteligente que é cheio de mistérios à sua volta. Ademais, complementando a futura série de TV, é publicado desde novembro no perfil do anime no Twitter animações curtas protagonizadas por um mascote original chamado Acca-kun, onde ele destaca informações adicionais sobre o reino de Dowa e do elenco (que aparece aqui em versão chibi). Há também histórias ilustradas que retratam a rotina preguiçosa de Jean e companhia, e com frequência esse mesmo perfil publica fotos e curiosidades a respeito dos vários doces que eles experimentam na trama - acho bacana toda essa interação com o público ao invés de se fixar na divulgação de produtos à venda ou notícias relacionadas a exibição do anime. Ainda que tenha lido quase nada do mangá, o que conheço das obras de Natsume e os comentários vagos que achei pela internet indicam que de "ACCA" não se deve esperar uma história agitada de ação policial, e sim algo mais focado no drama e na interação de seus personagens.

A propósito, como as descrições são mínimas e há muitos nomes, não detalharei cada um em separado, disponibilizando apenas este link do site oficial no qual é possível ver as ligações entre eles.

A ser produzido pelo estúdio Madhouse ("One Punch Man", "Nejimaki Seirei Senki"), "ACCA: 13-ku Kansatsu-ka" virá com o bom Shingo Natsume na direçãoTomohiro Suzuki ("One Punch Man") na supervisão de roteiros, Ryo Takahashi ("Oshiete! Galko-chan") na trilha sonora e Kenji Fujisaki ("Blood Lad") no "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 04/01
Estúdio: Gonzo
Diretor: Hiroshi Ikehata ("Robot Girls Z", "Sore ga Seiyuu!")
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Ecchi / Sobrenatural
De onde saiu: Jogo para várias plataformas.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

É aquela ideia que lhe faz indagar "Por que ninguém nunca pensou nisso antes"?

Baseada numa franquia de jogos que teve início em 2011 para PSP e depois atingiu outras plataformas como Playstation 3, Playstation 4, PS Vita, PC e dispositivos móveis, "Akiba's Trip The Animation" se passará na agitada Akihabara, distrito onde têm ocorrido constantes ataques de seres denominados "Synthisters", que sugam a energia vital de suas vítimas. Muito resistentes, eles só podem ser derrotados quando são totalmente expostos à luz do sol, e caberá a um grupo de jovens patrulhadores da região enfrenta-los de uma maneira um tanto peculiar, que será despir o inimigo da cabeça aos pés enquanto lutam.

E é com esse questionável  projeto que o hoje fraco estúdio Gonzo (que desde 2014 só tem feito um anime por ano) dará início à comemoração de seu aniversário de 25 anos - ele foi fundado em 1992 por ex membros do Gainax. Mesclando ação e elementos típicos de uma visual novel - caixas de texto, múltiplas escolhas que interferem na história, vários finais etc -, a série "Akiba's Trip" reproduz fielmente os quatro cantos de Akihabara e no momento possui 4 jogos lançados, que são "Akiba's Trip" (2011), "Akiba's Trip 2" (2014), "Akiba's Trip Festa!" (2016) e "Akiba's Beat" (2016), este último já fugindo do estilo visto nos títulos anteriores ao abandonar a ideia de tirar as roupas de pseudo vampiros (por quê?!) e inserir mecânicas de RPG com batalhas rítmicas. Nisso, talvez alguém questione qual jogo está servindo como base para o anime, e a resposta seria... Nenhum. Ou quase.

Os personagens da série de TV serão originais, porém suas personalidades batem com o do elenco de "Akiba's Trip 2", além do termo "Synthisters" ser o mesmo
 
- no primeiro jogo tais seres são chamados de "Kageyashi", enquanto que no terceiro reusam o nome "Synthisters". Durante o evento de fim de ano esse título estava com 50% de desconto no Steam (aqui no ocidente o batizaram de "Akiba's Trip: Undead & Undressed"), e eu acabei o comprando e jogando um pouco nos últimos dias. Mesmo com esse argumento duvidoso que no início poderá fazer alguns sentirem culpa ou vergonha de, por exemplo, precisar arrancar as roupas de uma garota no meio das movimentadas ruas de Akihabara, admito que terminei gostando mais do que esperava de sua jogabilidade: Você pode andar livremente pelo distrito e suas inúmeras lojas (todas inspiradas em estabelecimentos reais) enquanto realiza quests da história principal ou secundárias, e no geral o jogo possui diálogos bem humorados e irônicos unidos a personagens de estereótipos decentemente aproveitados. No quesito ação e modo de luta não posso dizer que há muitas novidades, a não ser o mero "detalhe" de que tudo realmente envolve despir os outros, indo desde criar combos que lhe permite tirar várias peças simultaneamente, aprendizado de novas e hilárias técnicas para arrancar roupas dos mais variados tipos ou, então, o uso de itens que incrementam temporariamente essa sua honrável habilidade, e por aí vai...

Aliás, dentre os personagens principais do anime teremos Tamotsu Denkigai, jovem otaku obcecado em fazer coleções de tudo; Niwaka Denkigai, irmã mais nova cuja otakice é mais moderada e que vê Tamotsu como "um ser humano inútil", porém mesmo assim ainda gosta dele; Matome Manseika, garota de comportamento um tanto frio que envolverá o protagonista no embate contra os "Synthisters"; e Arisa Ahokainen, uma meia finlandesa, meia japonesa otaku (mais um!) praticante de artes marciais chinesas que, normalmente, é vista pelos outros como uma pessoa idiota devido ao seu modo excêntrico de agir.

Sendo direto, não boto fé alguma nesse anime, mas recomendo ao menos o jogo que tem disponível no Steam.
Finalizando, clique aqui para ver um gameplay do primeiro jogo, aqui para ver um do segundo, aqui para ver outro dele focado em algumas lutas, aqui para assistir uma demonstração do terceiro e aqui para acompanhar uma apresentação do título mais recente.

E se quiserem podem também dar um clique na abertura da página oficial do anime, que ostenta a melhor interação com o público entre todos os sites das estreias dessa temporada! (mentira)

Dirigido por Hiroshi Ikehata, "Akiba's Trip The Animation" trará ainda Kazuho Hyodo ("Himegoto", "ReLIFE") na supervisão de roteiros, Endou na trilha sonora e Hajime Mitsuda no "character design".


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 07/01
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Koichi Hatsumi ("Deadman Wonderland", "Gangsta.")
Gênero: Ação / Comédia / Fantasia
De onde saiu: Continuação do anime de 2011, vindo de um mangá com atuais 17 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui, aquiaqui, aquiaquiaqui, aqui e aqui

Segunda temporada de "Ao no Exorcist", anime baseado em um mangá shounen publicado desde 2009 na Jump Square ("Owari no Seraph", "To Love-Ru Darkness") - tal obra começou a ser lançada aqui no Brasil em 2013 pela editora JBC, e atualmente está a par com a versão japonesa, que se encontra no 17º volume. Protagonizado por um rapaz que é metade humano, metade demônio e ironicamente faz parte de um grupo de exorcistas, a série de TV de 2011 só foi fiel aos 4 primeiros volumes do mangá, pois a partir do episódio 16 (de 25 que teve) ela começou a exibir material próprio. "Ao no Exorcist: Kyoto Fujouou-hen", por outro lado, vai ignorar o desfecho original do anime anterior e adaptará um arco que é coberto entre os volumes 5 e início do 9 no mangá.

O estúdio A-1 Pictures continuará produzindo o anime, porém Koichi Hatsumi substituirá Tensai Okamura ("Darker than Black, "Kuromukuro", "Wolf's Rain") na direçãoe Toshiya Ono ("Gatchaman Crowds", "Subete ga F ni Naru") pegará o lugar de Ryota Yamaguchi ("Sailor Moon Sailor Stars") na supervisão de roteiros. Já a trilha sonora sonora permanecerá sendo composta pelo popular Hiroyuki Sawano ("Aldnoah.Zero", "Shingeki no Kyojin", "Koutetsujou no Kabaneri"), dessa vez ao lado de Kohta Yamamoto, ao passo que o "character design" estará novamente a cargo de Keigo Sasaki ("Boku dake ga Inai Machi", "Nanatsu no Taizai"). Por fim, quase todos os dubladores de personagens principais e secundários reprisarão seus papéis, tendo como única baixa a presença de Keiji Fujiwara, que por questão de um tratamento médico (não especificado qual) deixará o personagem Shirou Fujimoto - guardião do protagonista - nas mãos de Hiroaki Hirata.

"Ao no Exorcist" também recebeu um filme em 2012, cuja trama não é baseada no mangá - li comentários dizendo que os eventos dele se passam após o desfecho da primeira série de TV, mas como não o vi até hoje fico impossibilitado de confirmar isso.

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 21/01
Estúdio: Issen / Xebec
Diretor: Atsushi Ootsuki ("Kanokon", "Ladies versus Butlers!", "To Love Ru: Darkness", "Working'!!")
Gênero: Comédia
Tema: Música
De onde saiu: Animação original vinda de um projeto multimídia.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui

Criado em janeiro de 2015 pela empresa Bushiroad, o projeto "BanG Dream!" consiste no lançamento de vários produtos ligados a um grupo pop de idols chamado "Poppin' Party", onde cada integrante toca um instrumento - clique aqui, aqui e aqui para ver os clipes animados promocionais de três singles delas, e aqui para assistir trechos de um show feito em novembro. Há ainda 3 versões em mangás em andamento (uma teve início na estreia do projeto, e duas esse ano), além de um jogo para smartphones previsto para ser lançado na primavera de 2017, no qual aparecerão outras quatro bandas femininas ao lado da principal.

Vou ser bem franco em dizer que quando comecei a juntar informações desse anime eu olhei com cara feia para o projeto, entretanto até que as músicas e os vocais delas não são ruins, viu... (não chega a ser algo que ouviria direto, mas também não foi aquele som pop demasiado estridente e genérico que eu esperava)

Ah, por falar no anime...

Desde muito jovem Kasumi Toyama tem procurado pela "Star Beat", um empolgante e cintilante som que ela ouviu certa vez enquanto admirava o céu. Nisso, logo após entrar no ensino médio a garota esbarra numa guitarra em forma de estrela no depósito de uma casa de penhores. Sentindo um ímpeto e estímulo que nunca sentiu antes, Kasumi se junta com outras quatro garotas e embarca numa jornada para encontrar o lugar reluzente. Nós prometemos realizar um show ao vivo nele!

Olha, eu traduzi a sinopse oficial na íntegra, me eximo da culpa caso ela tenha soado tão sem sentido e estúpida como foi pra mim...

Não é o primeiro anime a sair de um projeto semelhante, e na graaande maioria dos casos o resultado final acaba mesmo sendo mais compensador na parte sonora do que na desculpa de enredo que foi usada. De qualquer forma, só descrevendo de praxe o elenco principal e suas dubladoras (quase todas novatas no ramo, possuindo de fato maior experiência com música), temos a já mencionada Kasumi Toyama (Aimi Terakawa), uma garota do primeiro ano otimista e confiante que toca guitarra e faz os vocais; Tae Hanazono (Sae Otsuka), outra guitarrista que às vezes é meio devagar para entender e fazer certas coisas; Arisa Ichigaya (Ayasa Itou), ex pianista e atualmente tocadora de teclado que é inteligente, porém de vez em quando age com muita preguiça e é neta do dono de uma casa de penhores; Rimi Ushigome (Rimi Nishimoto), uma baixista deveras tímida; e Saaya Yamabuki (Ayaka Ohashi), uma bondosa baterista que divide as atividades escolares com o trabalho na padaria de sua família.

A ser produzido pelos estúdios Xebec e Issei (esse último é a marca a ser usada pelo estúdio OLM em parceria com a empresa Bushiroad), "BanG Dream!" virá com Atsushi Ootsuki na direção, Kou Nakamura como autor da trama original, Yukino Ayana ("Kiniro Mosaic", "Locodol", "Orenchi no Furo Jijou") na supervisão de roteiros, Junpei Fujita e Noriyasu Agematsu do grupo Elements Garden ("Grisaia no Kajitsu", "Senki Zesshou Symphogear") na trilha sonora e Matsuko Nitta no "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 08/01 
Estúdio: Graphinica / Telecom Animation Film
Diretor: Masashi Kudou ("Hayate no Gotoku! Cuties", "Kyou no Asuka Show", "Re-Kan!")
Gênero: Ação / Aventura / Fantasia
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaquiaqui e aqui

Verão nesse guia muitas adaptações desse tipo: "Chain Chronicle: Haecceitas no Hikari" será baseado num jogo gratuito da Sega lançado para aparelhos iOS e Android em 2013 (e posteriormente Playstation Vita em 2014) que mescla RPG, "tower defense" e cartas - clique aqui caso queira assistir um gameplay inicial de longos 46 minutos. O anime não tem ainda uma sinopse própria, logo me aproveitarei da premissa do jogo a fim de terem uma ideia de seu conteúdo:

A história se passa em Yggdra, um vasto continente onde vivem humanos, ogros, gigantes, fadas da floresta e muitas outras criaturas míticas. Governada pelo respeitado "Holy King", essas terras se encontravam em paz até que, certo dia, um misterioso grupo chamado "Black Army" apareceu de repente e começou a tomar posse dos lugares por onde passava; em resposta, o rei juntou tropas de vários países para se defender, contudo a "Holy Capital" acabou sendo tomada e o próprio rei foi morto pelo enigmático "Black King". Enquanto Yggdra está à beira da destruição total, você (eu?), o Herói, decide formar o Exército Voluntário para se opor ao Black King e assim trazer de volta a paz ao continente.

É o de sempre. O protagonista não possui um nome, isso o jogador escolhe, mas parece que no anime ele será chamado simplesmente de "Herói" mesmo. De restante, posso citar ainda Pirika, uma fadinha agitada que acompanha o rapaz; Phoena, uma garota salva pelo protagonista cujas memórias perdidas e um livro misterioso que ela carrega podem ser a chave para derrotar o inimigo; Cain, o principal aliado masculino que se junta logo após o Herói ajuda-lo a proteger sua vila de um ataque da tal Black Army; e vários outros personagens que ou aumentarão a "party", ou fazem parte do grupo dos malvados, como podem ver nesta página do site oficial do anime. Admito não estar com ânimo de ser mais detalhado do que isso, então prossigamos.

(pra vocês é o primeiro, mas o texto desse aqui foi feito depois de eu escrever os de outros quatro animes vindos de jogos para celular - com destaque a "Gran Blue Fantasy" -, então fiquei sem paciência em me repetir para falar de uma adaptação que, sendo sincero, dificilmente será boa)

Além da série de TV "Chain Chronicle" já teve um OVA de 8 episódios curtos lançados em 2014, receberá uma versão chibi também de episódios pequenos intitulada "Petit Chara Animation" (ela deverá ser exibida no mesmo espaço que o anime principal) e, no dia 3 de dezembro, estreou em alguns cinemas "Chain Chronicle: Haecceitas no Hikari Part 1, primeiro filme de uma trilogia da qual não consegui confirmar se possui exatamente o mesmo material a ser visto na televisão - os outros dois longas estrearão, respectivamente, nos dias 14 de janeiro e 11 de fevereiro. A ser produzido pelos estúdios Telecom Animation Film ("Orange") e Graphinica, "Chain Chronicle: Haecceitas no Hikari" trará o regular Masashii Kudou na direção e "character design", Touko Machida ("Endride", "Hitsugi no Chaika", "Wake Up, Girls!") na supervisão de roteiros e Masato Kouda ("Kono Subarashii Sekai ni Shukufuku wo!", "Junketsu no Maria") na trilha sonora.


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 11/01
Estúdio: Silver Link
Diretor: Masato Jinbo ("Fate/kaleid liner Prisma Illya 2wei!", "Shomin Sample")
Gênero: Sci-fi / Suspense
Tema: Harém / Sobrenatural
De onde saiu: Jogo para Xbox One, PS3, PS4 e PS Vita.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Mais mortes, plot twists e eventos à primeira vista inexplicáveis.

"Chaos;Child" é de autoria de Chiyomaru Shikura, diretor executivo da empresa 5pb. e sua subsidiária MAGES., ambas desenvolvedoras de jogos e gravadoras que são bastante conhecidas pela série "Science Adventure" (ou como muitos gostam de chamar, série "ponto e vírgula") que reúne as visual novels "Chaos;Head" (2008), "Steins;Gate" (2009, e que foi recentemente lançada no Steam); "Robotics;Notes" (2012), esta aqui que terá anime agora (2014) e "Steins;Gate 0" (2015), fora 4 spin-offs de alguns deles. Os três primeiros títulos já receberam versões animadas, respectivamente, por Madhouse em 2008 - o achei horrível! -, White Fox em 2011 (de longe o melhor e mais queridinho dos fãs, tanto o jogo quanto o anime) e Production I.G em 2012, a qual até hoje não vi - "Steins;Gate 0", por sua vez, será produzido pelo estúdio White Fox, porém não há por ora informações a respeito de quando estreará, nem se teremos outra série de TV ou um filme ou OVA, por exemplo. Lançados para diversas plataformas como Xbox 360, Xbox One, Playstation 3, Playstation 4 e PS Vita, seria complicado e exaustivo esmiuçar o teor de todos esses jogos, mas em resumo eles não são sequência direta um do outro, contudo se passam no mesmo universo e narram tramas sci-fi que exploram temas como viagens no tempo e personagens dotados com o poder de alterar a realidade ou outras habilidades semelhantes, tendo de base seja conceitos e teorias científicas reais, ou elementos fictícios. Além disso, na temporada atual está sendo exibido "Occultic;Nine", anime que não vem de um jogo dessa série apesar de possuir estilo e vários argumentos em comum, e sim de uma light novel publicada desde 2014 - que entretanto também receberá uma visual novel, ainda sem data definida para lançamento. Por fim, só para completar o parágrafo e fechar a franquia, em março de 2017 chegará para Playstation 4 e PS Vita "Chaos;Child Love Chu Chu!!", spin-off de "Chaos;Child" focado em romance; "Anonymou;Code", outro jogo independente da série principal cujo lançamento estava previsto para esses mesmos consoles no fim deste ano, contudo estamos em dezembro e nunca mais divulgaram algo sobre ele; e, esse apenas um conceito indefinido, Chiyomaru Shikura planeja criar ainda uma visual novel erótica baseada em "Chaos;Child" e "Chaos;Head", porém após essa revelação quatro meses atrás também não foi dito mais nada.

E com isso eu deveria falar sobre a sinopse de "Chaos;Child", a qual tomarei cuidado de não revelar muita coisa para não prejudicar a experiência com o anime. Em 2009 (mesma época dos acontecimentos de "Chaos:Head") um terremoto atingiu o bairro de Shibuya em Tóquio e vitimou quase 4 mil pessoas, deixando ainda mais de 30 mil feridas: Agora em 2015, ano em que começa a história de "Chaos;Child", a região se encontra toda reconstruída, mas, no dia de aniversário do início de uma série de assassinatos ocorridos seis anos atrás (outro argumento de "Chaos;Head"), mortes bizarras passam a vir à tona novamente no mesmo bairro. Em relação aos poucos personagens já listados no site oficial, o protagonista é um estudante do terceiro ano do ensino médio cujos pais morreram nesse terremoto, chamado Takaru Miyashiro; presidente do clube de jornalismo, ele é o primeiro a perceber as semelhanças nas datas entre a série de mortes anterior e a atual, passando a investigar o caso para descobrir o culpado tendo em vista que sabe o dia em que cada tentativa de assassinato ocorrerá. Ao seu redor temos Serika Onoe, sua amiga de infância que lhe ajuda nisso; Nono Kurusu, irmã de criação de Takaru que também perdeu seu pais em 2009 e conheceu ele num orfanato; Hana Kazuki, aluna que mal conversa com os outros e que é experiente quando o assunto é computadores (essas três são todas integrantes do tal clube de jornalismo); Hinae Arimura, jovem que foi testemunha de um dos crimes; e Yuki Yamazoe, garota que passou os últimos anos isolada do mundo. Dentre mortes brutais em situações inexplicáveis e usuários de poderes especiais como pirocinese ou a capacidade em detectar mentiras com precisão absoluta, a looonga visual novel de "Chaos;Child" - são cerca de 70 horas de jogo! - vai mostrando em seu decorrer outras ligações com os demais títulos da série "Science Adventure" - mas não que seja obrigatório tê-las jogado ou visto suas adaptações animadas para poder ver esse aqui. Caso tenha interesse, há esta resenha em inglês da visual novel que vai um pouco além nos spoils e explicações.

A ser produzido pelo estúdio Silver Link ("Ange Vierge", "Stella no Mahou", "Brave Witches"), "Chaos;Child" virá com Masato Jinbo na direção e supervisão de roteiros, Onoken ("Accel World") e Takeshi Abo ("Steins;Gate", "Robotics;Notes") na trilha sonora e Kazuyuki Yamayoshi no "character design".


**********

Formato: TV (2 min. por episódio)
Data de estreia: 10/01
Estúdio: LandQ Studios
Diretor: Fumie Moroi
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Histórico
De onde saiu: Spin-off de um mangá com atuais 17 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Publicado desde 2010 na revista seinen Comic Zenon, o mangá desse anime na verdade se chama "Chiruran: Shinsengumi Requiem"e como podem ver nesta página francesa ele possui uma arte mais madura que não bate em nada com o que vemos no trailer e imagens promocionais de "Chiruran: Nibun no Ichi" - a esse ponto já devem ter entendido que trata-se de um spin-off de comédia, onde os personagens ganharão traços chibi e sabe lá Deus qual será sua história, visto que nada nesse quesito foi divulgado até agora.

Ao menos, divulgarei aqui a sinopse oficial do mangá para que possam ter uma ideia do cenário: Em 1912, um rapaz sai em busca do velho Nagakura Shinpachi (1839-1915, foi um militar japonês), estando determinado a ouvir dele o drama por trás do "Demônio da Shinsengumi", o vice-comandante Hijikata Toshizou (1835-1869, samurai). A história deste último tem início em 1859, quando ele ainda era um jovem homem que aprimorava suas habilidades com a espada enquanto vendia medicamentos caseiros fabricados por sua família. Em pouco tempo, durante sua ambição de achar pessoas mais fortes para lutar, Hijikata começa a formar elos com pessoas que futuramente se tornariam seus companheiros na tropa Shinsengumi, sendo que o primeiro a causar forte impressão nele será Kondo Isami (1834-1868), um samurai que prova ser melhor lutador do que o próprio Hijikata.

Curioso isso de termos um personagem, de uma época mais avançada, cuja curiosidade em descobrir detalhes da vida de alguém dará início a uma história ocorrida décadas atrás - na hora me lembrou de "Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu", guardadas as devidas proporções. Apesar de vagos e poucos, os comentários que achei a respeito do mangá foram bem positivos, mas isso realmente não é algo de qualquer valia para decidir ver o anime, que deverá mostrar uma visão leve e mais engraçadinha desses samurais na Shinsengumi. Em relação ao elenco chibi, além de Hijikata Toshizou e Kondo Isami (aqui os links nos nomes serão dos personagens no anime, enquanto os asteriscos são de páginas falando das pessoas reais na qual eles se baseiam)teremos o único membro de bom senso do grupo, Nagakura Shinpachi; o sádico Saitou Hajime (*); o amigável, de aparência infantil e adorado por todos, porém muito forte e rápido ao portar uma espada, Okita Souji (*); o de poucas palavras e usuário de uma lança Harada Sanosuke (*); o alegre e mais jovem dos rapazes Toudou Heisuke (*); o tímido Kai Shimada (*); o sério e sempre preocupado em excesso Yamanami Keisuke (*); e por fim o egocêntrico Serizawa Kamo (*).

A ser produzido pelo pequeno estúdio LandQ Studios, que comandará aqui seu segundo anime após a série "Ozma" de 2012, "Chiruran: Nibun no Ichi" virá com o novato Fumie Moroi na direção e Mutsuaki Murata na adaptação do "character design".

**********

Formato: TV (3 min. por episódio)
Data de estreia: 03/01
Estúdio: Seven
Diretor: Itsuki Imazaki
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Continuação do anime de 2014, vindo de um mangá com atuais 6 volumes.
Site oficial: Clique aqui

Terceira temporada de "Choboraunyopomi Gekijou Ai Mai Mii", anime curto do estúdio Seven que narra o dia a dia anormal de um grupo de garotas estudantes que são membros de um clube de mangá, mostrando nisso uma comédia bastante surreal, aleatória e idiota - ele é baseado num título em tirinhas 4-koma publicado desde 2009 por Choboraunyopomi, mangaká que também já teve outra obra sua, "Fushigi na Somera-chan", adaptada pelo mesmo estúdio em 2015.

A equipe principal continua igual, com o novato Itsuki Imazaki se revezando na direção, "character design", criação e supervisão de roteiros, enquanto Fuuga Hatori aparece como compositor da trilha sonora.


**********

Formato: TV (5 min. por episódio)
Data de estreia: 02/01
Estúdio: DLE
Diretor: Kazuhito Oomiya ("Yasamura Yasashi no Yasashii Sekai")
Gênero: Suspense
De onde saiu: Série de livros.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Gente, deixem o pobre do Edogawa Ranpo em paz, ou pelo menos façam alguma adaptação decente de seus livros!

Nada se cria, tudo se pega emprestado de alguma fonte qualquer e então se readapta (que nem esse parágrafo introdutório que é de outro anime da temporada passada): falecido em 1965 aos 70 anos, o escritor Edogawa Ranpo (pseudônimo inspirado em Edgar Allan Poe, autor americano que influenciou bastante sua escrita) é considerado o "pai" da literatura policial moderna japonesa, pois na época em que estreou nessa carreira - década de vinte - ele foi o primeiro do país a trazer histórias de detetive que usavam do raciocínio lógico para resolver casos à primeira vista insolúveis. Antes dele até já existiam romances focados em investigação, porém estes se apresentavam densamente envoltos com elementos sobrenaturais, erotismo e temas bizarros, algo que nas obras de Edogawa era mais moderado - propriamente nas suas histórias de detetive, porque anos depois ele começaria a criar contos e romances nos quais esses atributos teriam uma presença maior. Estou passando tais informações porque "Chou Shounen Tanteidan Neo" será uma adaptação livre cuja trama ocorrerá no ano de 2117 e que "reaproveitará" alguns personagens de Edogawa, valendo usar aspas aqui porque, na verdade, testemunharemos a sétima geração de Kogorou Akechi, detetive particular extremamente inteligente que protagonizou diversos romances e era um homem metódico, casado e fumante inveterado; o Demônio de Vinte Faces (o divulgaram mesmo somente com sua silhueta, porém ele aparece no pôster promocional acima), vilão mais recorrente nos livros; e Yoshio Kobayashi, adolescente que auxiliava Akechi em determinados casos e atuava como líder do Clube dos Garotos Detetives, um grupo formado só por garotos que era usado para obter informações pela cidade - as histórias ao redor desses personagens tinham os jovens como público alvo (ao contrário da maior parte dos trabalhos de Edogawa), e como adendo o escritor pegou essa ideia de outra inspiração sua, precisamente o Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle, que em certos contos era visto tendo a ajudinha de um grupo de garotos conhecido como "Baker Street Irregulars". Talvez alguns de vocês ainda se lembrem - ou não, porque esse anime foi horroroso! - mas ano passado tivemos no bloco Noitamina "Ranpo Kitan: Game of Laplace", série original que fez uma salada toda estilizada com os trabalhos de Edogawa para "comemorar" os 50 anos de sua morte, onde Akechi foi retratado como um detetive adolescente excêntrico e arrogante (além de ser viciado em café e não cigarros, pois é mais politicamente correto!) e Kobayashi se tornou numa ótima trap com uma personalidade um tanto distorcida. Já nesta prestes a acabar temporada de outono houve a estreia do (igualmente ruim) "Trickster: Edogawa Ranpo "Shounen Tanteidan" yori", anime que terá 24 episódios e também ostenta liberdade total para "adaptar" a série de livros "Clube de Garotos Detetives" ("Shounen Tantei-dan"), usando seu argumento central no ano de 2030.

Enfim, "Chou Shounen Tanteidan Neo" fará procedimento semelhante às séries que o antecederam: As posições centrais quanto ao confronto entre Akechi e o Demônio de Vinte Faces, e ainda a presença de Kobayashi como líder do tal clube e/ou aprendiz do detetive serão mantidas, mas a história em si será toda original mesmo.

Aliás, caso voltemos mais alguns anos ou décadas é possível encontrar o famoso Akechi tanto como um detetive de meia idade em duas animações da franquia "Lupin III", quanto na pele de uma loli mandona em "Tantei Opera Milky Holmes", além de em 1968 terem produzido uma série de TV infantil de 35 episódios, intitulada "Wanpaku Tanteidan", que focava nesse grupo mirim.

(a cada ano vou reaproveitando e reescrevendo o texto da adaptação anterior... Se continuar assim imagine o tamanho disso lá pra 2019!)

Outros personagens já citados por enquanto são em sua maioria membros do clube, tais como o otaku popular (o quê) Noro-chan, o amigável e aventureiro Inoue-kun e Mayumi Hanazaki, a única garota do grupo. Dessa vez pensaram inclusive numa esposa para o vilão mascarado, nesse caso a sedutora, elegante e de idade desconhecida Neko Fujin, que será dublada por Hanazawa Kana.

A ser produzido pelo DLE, estúdio experiente em animações em flash, o anime "Chou Shounen Tanteidan Neo" virá com episódios de curta duração (estão dizendo 5 minutos, mas deverão ser 3 pois é provável que estejam contando o tempo total de seu espaço na TV) e ele será apenas a primeira parte de um projeto que visa o lançamento de live-actions, livros e outras mídias em 2017 - a família de Edogawa deve estar adorando essa nova moda pra cima dos trabalhos dele. Voltando ao anime, Kazuhito Oomiya cuidará da direção e roteiros. 

**********

Formato: ONA
Data de estreia: 12/01
Estúdio: Asahi Production
Diretor: Hatsuki Tsuji "(Cardfight!! Vanguard", "Pan de Peace!")
Gênero: Ação / Aventura / Fantasia / Romance
De onde saiu: Web manhua.
Trailer: Clique aqui

Co-produção entre Japão e China, "Chou Yuu Sekai: Being the Reality" será outra adaptação de um web manhua publicado desde 2014 no site da Tencent - empresa cujo estúdio de animação cuidará dessa série. Além de terem anunciado tal estreia em cima da hora, também não foi divulgada qual será a sua equipe de produção e tampouco a sinopse oficial revela algo de útil (ou revela, dependendo do que de fato lhe interessa, né).

Ela diz somente que, presos num mundo virtual, teremos um rapaz de pavio curto, uma misteriosa espadachim e uma imprevisível garota emo. Ah, o trailer acima descreve ainda que o anime virá com uma "miraculosa história sobre ficção, realidade e pensamentos das pessoas se fundindo".

Pra variar, não pude achar nenhuma informação relevante a respeito da obra original. Voltarei a este texto caso surjam novidades, ou então, após ver o primeiro episódio, poderei acabar inserindo aqui uma sinopse mais decente.


Atualização, 07/01: Divulgaram hoje novas informações sobre o anime em relação a sua equipe de produção e sinopse. Nesse caso, a trama se passa em um mundo onde misteriosos seres chamados "Desastres" ameaçam continuamente a paz de todos, e no qual tanto uma força militar especial de nome "Saber", quanto a organização independente de autodefesa "Blade" são formadas para combater esse inimigo. O protagonista Noii é um jovem do ensino médio que deseja se juntar a Saber, e sua vida antes normal mudará drasticamente após conhecer a enigmática Motis, garota que se transfere para a sua sala.

Sim, argumento muito original. Corrigindo uma informação passada no início do texto, o estúdio Asahi Production ("Pan de Peace!", "Himegoto", "Million Doll") é quem produzirá o anime, havendo Hatsuki Tsuji na direção, Masahiro Sonoda como diretor assistente, Akihiko Inari na supervisão de roteiros e Satohi Konno cuidando do "character design". 


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 08/01
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Ryo Andou
Gênero: Comédia / Fantasia
Tema: Escolar
De onde saiu: Mangá, 4 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Um simpático slice-of-life escolar sobre garotas monstro.

Baseado em um mangá seinen publicado desde 2014 na revista "Young Magazine the 3rd", "Demi-chan wa Kataritai" se passa em uma época onde "Demi" - seres que possuem aparência humana, contudo carregam habilidades e características adversas - são aceitos como integrantes da sociedade. Tetsuo Takahashi é um professor de biologia que gosta de pesquisar sobre esse assunto, e ele logo descobre que três de suas alunas são Demi, passando então a interagir com elas a fim de ajuda-las em seus problemas e analisar suas peculiaridades.

Se o popular "Monster Musume no Iru Nichijou" é uma comédia ecchi bem picante cujo protagonista se vê rodeado por um harém formado por garotas monstro que ficam dando em cima dele, "Demi-chan wa Kataritai" pega a direção oposta e se apresenta somente como um simples slice-of-life escolar no qual seu líder masculino trata, e é tratado respeitosamente, por suas alunas enquanto ajuda elas a lidarem com pequenas dificuldades do dia a dia. Depois de um capítulo de estreia fraco e bastante forçado onde o professor Takahashi conhece em poucos minutos e de maneira caótica todas as garotas monstro da escola - isso quando momentos antes ele estava lamentando o quão é difícil se encontrar com um Demi -, os seguintes foram apagando essa má primeira impressão ao trazer uma trama agradável que não só atrai por conta do teor leve de sua comédia, mas também pelas ótimas reflexões e ações realizadas por Takahashi, personagem do qual não esperava uma montagem tão madura quanto a que testemunhei aqui no 1 volume e meio que pude ler do mangá (não vi mais mesmo gostando porque não pareceu que haveriam grandes mudanças no conteúdo).

Hikari Takanashi, uma vampira enérgica e travessa que adora comer alho e, pra aplacar a necessidade em atacar o pescoço alheio, recebe do governo uma bolsa de sangue por mês; Kyouko Machi, uma dullahan tímida que tem dificuldades em se socializar com os outros devido à sua condição física; Yuki Kusakabe, uma yuki-onna que não gosta de seus traços como Demi e evita contato físico com humanos por temer machuca-los; e por fim Sakie Satou, professora que é uma súcubo e que, para amenizar seu dom natural em amplificar os desejos sexuais daqueles próximos a ti, é obrigada a se aproveitar de táticas como se vestir modestamente para não chamar a atenção, evitar usar maquiagem e morar em um local ermo porque, uma vez dormindo, ela perde controle de seus poderes e acaba fazendo com que as pessoas que estejam perto recebam sonhos eróticos intensos (súcubos são inclusive proibidas de morar em apartamentos por conta disso!). Essas são as quatro Demi que Takahashi conhece, e os capítulos iniciais fazem jus ao título em inglês do mangá nos Estados Unidos, "Entrevista com garotas monstro" - digamos que é uns 50% fiel ao original -, pois o que vemos é o professor conversando com as garotas a fim de compreender melhor seus interesses e modo de viver (tais como estas cenas com a vampira ou estas com a dullahan) - e descobrindo no geral que no fim, independente de corpo gelado, sede por sangue ou cabeça separada do corpo, essas jovens enfrentam com maior frequência problemas corriqueiros a qualquer humano de sua idade, como dificuldade em fazer amizades, ser alvo de bullying ou inexperiência em lidar com seu primeiro amor. Nisso, o professor de olhos arregalados rouba a cena ao demonstrar imensa sensibilidade e afeto quanto ao modo como aborda os conflitos delas e a maneira que enxerga a participação dos Demis na sociedade; eu sinceramente fiquei admirado com este seu comportamento, imbuído em ações e conselhos de significativa profundidade e lógica que de fato são efetivos e auxiliam suas alunas, algo que rapidamente o fez tornar-se no meu personagem favorito dessa obra. Por outro lado, devido a esta sua bondade e compreensão, aliadas a uma total falta de malícia, será inevitável surgir cenas em que frases ou gestos simples causarão momentos de embaraço ou mal entendidos, e devido a isso ele acabará virando alvo da paixonite de ao menos duas personagens - porém, a julgar pela falta da tag "Romance" em qualquer site de dados sobre mangás, não acredito que tenha havido algum avanço da história nesse sentido, o que pessoalmente acho muito bom. 

Pra terminar, vale explicar que após as introduções citadas acima Takahashi decide formar algo parecido a um pequeno grupo de apoio, para que as poucas Demi da escola possam compartilhar suas experiências - e como o estilo da trama já parecia se encontrar bem definido e não haveriam novas personagens surgindo tão cedo, visto que nenhuma página pela internet menciona outras Demi além dessas quatro, preferi parar nesse ponto. Dos poucos mangás que li para esse guia "Demi-chan wa Kataritai" foi o que mais me agradou: Ele mesclou decentemente uma comédia suave (tem lá suas piadinhas pervertidas, em especial por culpa da natureza da súcubo, mas elas são tratadas de forma bem menos apelativa do que poderia ser visto em outros lugares) com um elenco divertidinho e pitadas modestas de maior drama e seriedade conduzidas por um competente líder masculino. Enfim, eu gostei, é um mangá simpaticíssimo, e por não haver nada mais de relevante a ser dito sem deixar o texto repetitivo encerro por aqui.

"Demi-chan wa Kataritai" será produzido pelo estúdio A-1 Pictures ("Hai to Gensou no Grimgar", "Occultic;Nine") e trará o estreante Ryo Andou na direção, Takao Yoshioka ("WATAMOTE", "Shigatsu wa Kimi no Uso", "WWW.Working!!") na supervisão de roteiros, Masaru Yokoyama ("Shigatsu wa Kimi no Uso", "Rolling Girls") na trilha sonora e Tetsuya Kawakami ("Robot Girls Z", "Gakusen Toshi Asterisk") no "character design".

**********

Formato: TV
Data de estreia: 08/01
Estúdio: Studio Pierrot
Diretor: Takeshi Furuta ("Uta no Prince-sama Maji Love Legend Star")
Gênero: Ação / Sci-fi
Tema: Espaço
De onde saiu: Mangá, 7 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Órfão e morando com a tia, Chuuta Kokonose é um garoto que tenta levar uma vida normal apesar de, há anos, ser incomodado por uma irritante voz que ouve em sua cabeça - porém um evento mais estranho ainda lhe ocorre quando, certo dia, uma criatura azul aparece diante de si e o teletransporta para uma nave ocupada por alienígenas. Descobrindo em seguida que se encontra em uma estação policial, nesse local ele é recepcionado por Rein Brickke, chefe do Departamento do Sistema Solar que informa que Chuuta foi escolhido por um super computador como potencial candidato a entrar na organização "elDLIVE". Misuzu Sonokata, colega de escola do rapaz cuja boa aparência esconde um temperamento não muito agradável, atua como subordinada de Rein e desde o início considera Chuuta inapropriado para o serviço - postura essa que faz ele, antes em choque pelas novidades, decidir participar de um teste de aptidão para prova-la que está errada, sendo que isso também o fará conhecer a origem da voz presente em sua cabeça.

Publicado desde 2013 por Akira Amano, autora muito conhecida por conta do mangá de comédia sobre mafiosos "Katekyo Hitman Reborn!" (que recebeu um anime de 203 episódios entre 2006 e 2010), "elDLIVE" não teve muita "sorte" comigo, digamos assim. Enquanto vou atualizando cada guia, é rotineiro eu ser mais desleixado nos textos do penúltimo/último anime adicionado cujo mangá ou light novel tive que ler, e há duas razões pra isso: Primeiro, a esse ponto já perdi a paciência com o post e não vejo a hora de termina-lo; e segundo, normalmente esses que ficam pro final são obras que enrolei o máximo para adicionar por não serem do meu agrado, logo a vontade de escrever a respeito é ainda menor.

Foi o caso desse aqui. "Fuuka" não perdeu o posto de mangá que mais me irritou nessa temporada, porém com "elDLIVE" sequer consegui ler mais do que 1 volume inteiro e outro capítulo do segundo. Não vou dizer "é ruim, é ruim!", mas apenas que não me atraí pelo cenário descrito e achei ele um shounen padronizado demais em relação ao seu personagem principal, acontecimentos e diálogos. Talvez melhorasse com o tempo como seria natural (ou não, porque os comentários gerais em cima dele nem são muito calorosos até hoje), mas, bem... É o último a ter seu anime adicionado aqui, oras.

Além de passar por dificuldades para se socializar e fazer amigos por conta de uma incômoda voz em sua cabeça que só fala baboseiras (me é curioso como mesmo após todo esse tempo ele ainda reage a isso de maneira tão escandalosa, mas ignoremos esse ponto), Chuuta também carrega consigo um trauma causado por certa tragédia ocorrida 7 anos atrás quando era criança, porém a sua entrada na polícia espacial, composta por integrantes bizarros vindos de todos os cantos do universo, dará início a uma nova fase de sua vida onde arranjará forças para lidar com tais problemas. Junto a triste revelação de que Misuzu, garota da qual nutre uma paixonite, possui atitudes e vocabulário que não são tão angelicais quanto o seu rosto, o protagonista ainda descobre que a voz chata que tanto lhe embaraça é um "monotarian", forma de vida artificial usada para observar planetas que foi criada há bilhões de anos por uma avançada civilização alienígena - essa criatura com visual perfeitinho de mascote atualmente se encontra hospedada no corpo de Chuuta, e ela acabará recebendo o nome de Drew. Nisso, em sua primeira missão onde seria decidido se entraria ou não na elDLIVE, o garoto precisa ir atrás de um alienígena feioso que se disfarçava de professora em sua escola para devorar os alunos, e durante um momento de desespero (porque geralmente é assim que o personagem principal desperta seus poderes, né) ele e Drew demonstram uma força imensa quando suas mentes entram em sincronia. Chuuta salva o dia, e nos poucos capítulos seguintes que li houve a caça a uma aranha gigante fugitiva que nos ajudou a ver o quão Misuzu é baddas; outra a um alienígena que matava terráqueos para roubar chicletes (pois ambos têm composição química parecida e ao ingeri-los isso o fazia ficar muito mais forte); breves informações sobre a organização criminosa Demille, que sai por aí acabando com outros planetas e, óbvio, a Terra é alvo deles; e exposição tanto do passado trágico do protagonista, quanto de sua notável evolução como pessoa.

Digo, parece "notável" por conta do que é dito (principalmente por meio de Drew) numa frequência anormal nesses capítulos iniciais, com frases como "Você está mais confiante de si""Você está mais feliz""Você está muito melhor do que antes" e por aí vai. Calma, gente, o garoto mal começou a trabalhar como policial do espaço capturando alienígenas malvados...

Enfim, foi uma superexposição que realmente achei excessiva tendo em vista o pouco de material que pude presenciar.

Una isso a um protagonista desajeitado que fica se culpando por tudo, além de pequenos "arcos" de introdução que me foram bobinhos e a premissa não muito animadora e criativa em torno dos acontecimentos futuros, e esses seriam os principais motivos que me fizeram desistir do mangá tão cedo. Só consigo elogiar sinceramente a arte e a disposição dos painéis, que achei atrativos, mas de resto "elDLIVE" é um tipo de obra que não tenho mais muita paciência pra ver - se pegarem guias de outras temporadas notarão que mangás desse gênero e demografia são um dos que menos consigo passar de 1 ou 2 volumes lidos, só perdendo nesse caso para as abençoadas adaptações de light novels ecchi. A questão é que sempre tento deixar claro se aquilo que acompanhei foi ou não de fato ruim ou somente "mais do mesmo, só que razoavelmente bem feitinho", e "elDLIVE" se encaixa no segundo grupo: Tirando em particular essa superexposição tonta nos diálogos, o mangá dispõe de maneira decente os lugares comuns e arquétipos inerentes a essa mídia, só restando saber se ele vai demorar para colocar misturas nesse arroz com feijão básico (e o quão elas serão boas; que analogia besta, mas deu pra entender!). Até a personalidade tão frouxa do protagonista dá espaço para grandes desenvolvimentos igual pode ser visto com personagens semelhantes em outros mangás; o problema mesmo é que quando vejo um líder desse tipo já me desanimo bastante em seguir adiante...

A ser produzido pelo Studio Pierrot (quantos desistiram de vez do anime agora?), "elDLIVE" terá Takeshi Furuta na direção, Toshimitsu Takeuchi na supervisão de roteiros, Yasuharu Takanashi "("Fairy Tail","Gantz", "Shiki") na trilha sonora e Seung Ah HAN no "character design".

**********

Formato: TV (10 min. por episódio)
Data de estreia: 06/01
Gênero: Fantasia
Tema: Música
De onde saiu: Livro ilustrado.
Site oficial: Clique aqui

Garotas e cogumelos: Publicado em 2014, o livro ilustrado "Oso-teki Kinoko Gijinka Zukan" lista mais de cem espécies de cogumelos... Personificados em garotas. Pois é. Tendo sido lançado agora em outubro uma nova versão atualizada (isso significa ainda mais garotas cogumelos?), tal livro agora se tornará um anime curto em 3D CG com história original e tema musical (!).

Não há notícia alguma a respeito de sua equipe de produção, mas, quem se importa com isso? Clique aqui para ver algumas das poucas ilustrações que achei da obra original.

Aliás, eu até tentei assistir o primeiro episódio, porém sua péssima dublagem, efeitos de luzes horrorosos e ar infantil me impediram de sequer conseguir termina-lo...   
   

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/01
Estúdio: Diomedea
Diretor: Keizou Kusakawa ("Dog Days", "Kantai Collection", "Magical Girl Lyrical Nanoha A's", "Ro-Kyu-Bu!")
Gênero: Drama / Romance
Tema: Ecchi / Escolar / Música
De onde saiu: Mangá, 13 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Entre 2004 e 2007 o mangaká Seo Kouji publicou 18 volumes de "Suzuka", obra que mescla comédia romântica com atletismo e que foi adaptada em um anime pelo Studio Comet em 2005. Nisso, depois de ver mais um trabalho seu ser animado pouco tempo atrás - no caso "Kimi no Iru Machi" através do estúdio Gonzo em 2013 -, agora será a vez de "Fuuka", mangá publicado desde 2014 na Weekly Shounen Magazine ("Baby Steps", "Days", "Hajime no Ippo"). Ele é, indiretamente, uma continuação de "Suzuka", pois a protagonista Fuuka Akitsuki que vemos aqui é filha do casal principal do título mais memorável de Kouji - olha só, acabei dando-lhes um tremendo spoil em relação ao futuro do romance juvenil de outro mangá (!), porém também os salvei de uma história bobinha cheia de firulas...

"Fuuka" começa com um pacote básico de pantyshot, mal entendido e rapaz levando a pior: É assim que Yuu Haruna conhece a garota anteriormente citada, uma jovem enérgica, despreocupada e amigável que não é adepta a tecnologia, tanto que sequer possui um celular por achar ser algo desnecessário. Do outro lado, o tímido e desmotivado Yuu não larga o aparelho que usa para postar frequentemente mensagens no Twitter, e estes dois alunos do primeiro ano do ensino médio só acabarão se tornando amigos porque uma série de novos encontros (alguns normais, outros novamente com mal entendidos e pantyshot) e a admiração de ambos por uma cantora chamada Koyuki Hinashi os farão se conhecer melhor, a ponto de formarem juntos uma banda após Yuu dar alguns conselhos a Fuuka quanto ao que ela deseja fazer da vida, e esta decidir caprichosamente que o garoto a acompanhará nessa tarefa.

Ah, vale mencionar que a tal Koyuki é amiga de infância dele, tendo se tornado uma cantora de imenso sucesso no Japão graças, justamente, por influência do próprio amigo que não vê há anos e com o qual conversa hoje apenas pela internet - isso por enquanto, é claro, já que logicamente se reencontrarão.

Triângulo amoroso? Talvez...

Serei bem franco: Não gosto dos mangás de Seo Kouji, que abusa sem pudor dos estereótipos e truques narrativos mais baratos nessa área para retratar romances juvenis enrolados e piegas que, de início, podem se mostrar razoáveis considerando o público alvo, porém depois de pouco tempo ficam bastante perdidos e forçados. Eu li os três que foram/serão animados, sendo que de "Fuuka" precisamente acompanhei 4 volumes nessa última semana, e posso admitir que é justo ele ser tachado pelos fãs como a melhor obra da carreira de Kouji, apesar de isso não significar muita coisa. Em resumo, o mangá do qual este anime se baseia ainda exagera nos lugares comuns do gênero e demografia, mas percebe-se um esforço do autor em dessa vez não ser tão demorado na resolução de conflitos que em outros mangás seus se tornariam incontroláveis bolas de neve com seguidos mal entendidos, além de em vários momentos pegar um caminho totalmente inesperado para seguir com a história.

Porém, um dos problemas disso é que decidir fazer alguma tarefa de maneira diferente do que lhe é habitual traz o risco óbvio de no começo você não se sair bem nela - Kouji chega a surpreender mesmo com algumas decisões que toma em relação a narrativa, contudo aquilo que em tese soa uma boa ideia se transforma, na prática, em cenas e diálogos geralmente bem insossos e mal lapidados. Já um segundo problema é que, apesar de sabermos que estamos lidando com algo de qualidade pra lá de questionável, os benditos eventos que se seguem um atrás do outro em capítulos curtos com cliffhangers apelativos nos fazem continuar a leitura por mais tempo do que o esperado (eu passei por isso, confesso)

O nosso líder masculino mora apenas com suas três irmãs (pois o pai deles está nos Estados Unidos a trabalho e a mãe decidiu acompanha-lo) que não se importam em andar seminuas ao seu redor, e, entre bochechas vermelhas causadas por beijos indiretos ou mãos dadas com o sexo oposto, desencontros que nos fará duvidar da inteligência do elenco desse anime, vento forte que empurrará uma garota nos braços dele (!) no pior momento possível para ser flagrado por outra pessoa e tropeções que ora o jogarão no meio dos seios alheios, ora lhe deixará em situação sugestiva e constrangedora que seria fisicamente improvável devido a posição dos corpos participantes da ação - sem falar também de mil e uma coincidências, muitas delas incômodas e quase parecendo querer tirar sarro do leitor, que são realizadas com o intuito de unir esses e outros eventos convenientemente -, Yuu vai evoluindo de maneira até que minimamente satisfatória como personagem, rapidamente virando um protagonista mais confiante de si e determinado, especialmente quando se interessa de vez em participar de uma banda da qual entrou sem ao menos entender o motivo - tudo bem que os meios usados pra isso carecem de naturalidade em sua maioria, mas prossigamos. Gostando de Fuuka que é quem mais o ajuda nessa transformação, sendo alvo amoroso da amiga de infância e ainda surgindo posteriormente uma terceira e fechada garota de nome Sara Iwami que no começo não o recebe muito bem (vide uma das imagens acima), mas depois passa a se simpatizar por ele e conversar bastante quando descobre que já se conheciam pela internet, Yuu e aqueles que o cercam se veem numa trama que, como eu disse antes, muitas vezes pegará a rota menos previsível e solucionará com rapidez mal entendidos e discussões pseudo amorosas que poderiam se arrastar por um volume inteiro, sem falar nas atitudes de alguns personagens que não enrolam demais para expressar seus sentimentos um ao outro. Todavia, apesar de ser isso algo até elogiável (no mínimo Kouji está tentando sair da sua "zona de conforto", digamos assim), a maneira pouco esmerada como esses momentos são jogados na narrativa diminuem muito o impacto deles, e no fim "Fuuka" foi um mangá do qual tomei um desgosto considerável mesmo tendo ficado "preso" nele por quatro volumes, já que, ruindade por ruindade, ainda assim o desfecho de cada capítulo me batia aquela curiosidade ingênua em seguir adiante somente para descobrir como tal problema/reviravolta/confissão continuaria - e quase sempre acabava me decepcionando com o resultado. Ou seja, eis uma obra que não só abusa descaradamente de truques velhos e tolos dessa mídia, como também termina evidenciando ainda mais sua escrita pobre nas horas que quer impressionar com um "Olha, isso vocês não esperavam, hein!".

Tradução: Achei um mangá ruim, o mais fraco dos que pude ler para o guia dessa temporada. Reconheço que o sentimentalismo em certos eventos falará mais alto e certamente seu anime causará algum barulho por essa razão; mas, caso paremos para refletir melhor em como tudo ocorre, poucas ações e frases de seus personagens realmente se salvam nisso e torna-se gritante as limitações e falta de criatividade da trama. Eu queria expor (Criticar? Hatear?) determinadas cenas para exemplificar melhor essa questão, porém eu acabaria dando spoils demais de um mangá do qual não é recomendável revelar muita coisa.

A ser produzido pelo estúdio Diomedea ("Gi(a)rlish Number", "Mayoiga", "Handa-kun") trará o fraco Keizou Kusakawa na direção, Aoi Akashiro na supervisão de roteiros, Takurou Iga ("Mahou Shoujo Ikusei Keikaku") na trilha sonora e Yoshino Honda no "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 09/01
Estúdio: Dogakobo
Diretor: Masahiko Ohta ("Himouto Umaru-chan", "Love Lab", "Minami-ke", "Mitsudomoe", "Yuruyuri")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Escolar
De onde saiu: Mangá, 3 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Uma anjinha preguiçosa e outra sádica, e uma demônio educada e prestativa junto com outra que até tenta ser malvada, contudo se mostra uma completa tonta inofensiva.

É com essas personagens cujos traços não batem com suas origens que "Gabriel DropOut", anime baseado num mangá shounen publicado desde 2013, contará a história de Gabriel Tenma White, uma anjo que logo após se formar foi encarregada de se misturar e aprender com os humanos a fim de poder exercer melhor suas funções divinas, porém com o tempo acabou sendo corrompida pelos nossos perversos métodos de entretenimento - a destacar os malditos jogos online. Sem perspectivas de futuro e não dando a mínima pra isso depois de abandonar sua versão honrada da qual todos tinham grandes expectativas, Gabriel terá aqui na Terra a companhia de Vignette Tsukinose April, uma demônio honesta e simpática que ajuda qualquer pessoa que esteja em apuros, em especial a própria protagonista; Satanichia Kurumizawa McDowell, que pode ser resumida como uma demônio tsundere que sofre de chuunibyou e possui uma inteligência "ligeiramente" abaixo da média; e Raphiel Shiraha Ainsworth, ex colega de classe de Gabriel que revela um lado extremamente sádico ao conhecer Satanichia, visto que passa a se aproveitar de sua ingenuidade e falta de malícia.

Enfim, basicamente teremos neste anime um slice-of-life formado por duas garotinhas celestiais não muito corretas e duas do submundo corretas até demais.

Li 11 capítulos ou 2 volumes do mangá, contudo ele é tão "cute girls doing cute things" aleatório que mal juntei tanto material que interessasse comentar a respeito. Exímia cabuladora de aulas enquanto April não lhe ameaça e pega no seu pé frequentemente para ir até a escola (esta chega a dar uma de durona, mas auxilia a amiga em quase tudo, exceto emprestar a lição de casa!), Gabriel terá de aturar diariamente a sua "rival" Satanichia, uma demônio que sempre almeja realizar façanhas diabólicas como, por exemplo, jogar a garrafa de plástico junto com a tampa na cesta de lixo seletiva - entretanto ela mesma admite que se encontra longe do nível da anjo nerd, uma vez que esta é capaz de arremessar no lixo uma latinha ainda com líquido dentro, errar o alvo e pra piorar sequer se atrever a corrigir o que fez! Obviamente, Satanichia é obstinada e não desistirá do grandioso plano de se tornar a futura governante do Inferno, mesmo que sua arrogância e confiança excessiva de chuunibyou que não precisa de ninguém por perto a faça ser castigada pelo professor por não apresentar a lição (segurar baldes cheios d'água no corredor? Sério isso, em pleno século 21?), a deixe sozinha no horário de almoço apesar das outras garotas se oferecerem para acompanha-la e lhe faz sofrer por não ser convidada a ir à praia, já que é mais divertido brincar com ela antes e fingir que não vai chama-la só pra ver sua dolorida reação. Nisso, nem podemos culpar Raphiel por usa-la como capacho brinquedo alvo de suas gozações, interesse que surgiu após vê-la dialogando seriamente com um cachorro que sempre tentava roubar seu lanche...

Aula de culinária com ingredientes frescos vindos diretamente do inferno, Gabriel conseguindo um emprego de meio período onde não faz nada certo e ainda por cima impõe que só trabalhará uma vez por semana, viagem em grupo ao litoral que começa chuvoso, mas termina num dia ensolarado (tendo pra isso uma ajudinha direta do Céu!) e com Satanichia - acabaram chamando a coitada sim - brincando com todas de bater na melancia com os olhos vendados, apesar de que nesse caso ela é convencida a ficar no lugar da fruta... Ah, chega. Junte isso a um leve fanservice esporádico, seja com calcinhas indo até a escola sozinhas ou feixes de luz sagrados convenientes
e no geral "Gabriel DropOut" torna-se numa comédia satisfatória composta por um nível moe significativo. É bem humorado, é bonitinho, e pra mim isso bastou pra seguir lendo o mangá sem problemas mesmo que suas personagens e eventos, tirando isso de anjos e demônios, não sejam lá dos mais criativos. Não me apeguei a obra, porém ela me causou um número razoável de bons momentos (pessoalmente curti mais a Satanichia com suas baboseiras, indo contra muitos leitores que a acham bastante mala).

Agora, o que me empolga consideravelmente em ver o anime é saber que parte de sua equipe será formada pelo trio Masahiko Ohta na direção, Takashi Aoshima na supervisão de roteiros e Yasuhiro Misawa na trilha sonora, profissionais que já atuaram juntos em bons animes slice-of-life de garotinhas como "Love Lab", "Yuruyuri", "Mitsudomoe", "Minami-ke" e "Himouto Umaru-chan" - esse último foge um pouco do subgênero visto nos demais, todavia isso não o impossibilitou de receber o mesmo tratamento consistente e agradável tanto na comédia, quanto nas composições de fundo. Tendo boa parte dessas animações sido produzidas no estúdio Dogakobo - que é quem cuidará taambém de "Gabriel DropOut" -, o que mais me admira nestes nomes é a capacidade deles em geralmente criarem algo que rivaliza ou supera o material de origem, e isso eu falo por experiência própria depois de ter visto tanto os mangás, quanto os animes da maioria desses títulos. Na praticamente encerrada temporada de outono o trio cuidou de "Hagane Orchestra", anime de episódios curtos que se assumiu abertamente como propaganda de um jogo para celular, e até aqui o resultado entregue foi razoável considerando a fonte e tempo escassos que tinham em mãos. Se você já não curte esse tipo de mangá/anime não serão eles que o farão mudar de ideia, mas vê-los na equipe de produção é garantia de que o material original será tratado com seriedade e dedicação.

Além dos que já foram citados, Katsuhiro Kumagai ("Luck & Logic") ficará a cargo do "character design".


**********

Formato: TV (5 min. por episódio)
Data de estreia: 19/12
Estúdio: 10Gauge
Diretor: Nobutaka Yoda 
Gênero: Comédia / Sci-fi
De onde saiu: Programa de televisão infantil.
Site oficial: Clique aqui

Mais um anime infantil do canal público NHK: Baseado num programa educativo de marionetes chamado "Zawa Zawa Mori no Ganko-chan of Rustling Forest", que é exibido desde 1996 nesse próprio canal, o anime "Gan Gan Ganko-chan" segue a história de Gen, um garoto que a partir do ano de 2020 viaja no tempo para um futuro distante onde a humanidade foi extinta. A sinopse não explica como isso ocorre, porém ele passa a morar na casa da família Ganko localizada na "Rustling Forest" (Floresta Sussurrante), e terá que se acostumar com um lugar que não possui eletricidade, gás, televisão, smartphones, lojas e nem videogames.

Certo, marionetes tomando conta da Terra após a extinção dos humanos.

Clique aqui, aqui e aqui para ver três curtos vídeos do tal programa, que é protagonizado por Ganko-chan, uma dinossauro cor de rosa, e que possui no elenco vários outros animais e criaturas folclóricas conforme podem ver nestas imagens da versão deles no anime.

A ser produzido pelo nanico estúdio 10Gauge, "Gan Gan Ganko-chan" virá com Nobutaka Yoda na direção e trilha sonora - este último ao lado de Shuuji Kakoi -, Hitomi Mieno ("Akagami no Shirayuki-hime", "Noragami", "Flying Witch") na supervisão de roteiros e Mutsumi Takeda no "character design".


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 09/01
Estúdio: Bandai Namco Pictures
Diretor: Chizuyu Miyawaki
Gênero: Ação / Comédia / Sci-fi 
Tema: Histórico / Paródia
De onde saiu: Continuação do anime de 2015, vindo de um mangá com atuais 66 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Quinta temporada de "Gintama", anime baseado no famoso mangá da Shounen Jump que desde 2003 obteve 66 volumes publicados. Repetindo boa parte da equipe de produção da série anterior, tais como Chizuru Miyawaki na direção, Audio Highs ("Bakuman.") na trilha sonora e Shinji Takeuchi ("Fairy Tail (2014)") no "character design", outra novidade que foi divulgada recentemente é que a franquia ganhará seu primeiro filme live-action, que também estreará em 2017 e terá o ator Shun Ogori no papel do protagonista Gintokinos últimos anos ele atuou em várias adaptações de mangás, a destacar "Terra Formars" (2016), "Lupin the Third" (2014), "Arakawa Under the Bridge" (2012) e "Uchuu Kyoudai" (2012).

Como curiosidade extra, a quinta temporada será a primeira a ser exibida de madrugada na televisão (à 1:35), visto que as outras quatro foram sempre transmitidas por volta das 6 horas da tarde.

**********

Formato: TV 
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Yuuki Itou ("Mahou Shoujo Lyrical Nanoha Vivid")
Gênero: Aventura / Fantasia
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Famoso jogo de RPG lançado para dispositivos iOS e Android em 2014 (há também uma versão em PC que pode ser baixada aqui, sendo que em qualquer uma tornou-se possível neste ano alterar o idioma para o inglês), e protagonista de alguns escândalos relacionados ao seu abusivo e fraudulento sistema "freemium""Granblue Fantasy" ganhará sua versão animada através do A-1 Pictures, estúdio hoje que é um dos que mais se envolve na adaptação desse tipo de mídia. Criado pela empresa Cygames, o jogo possui como destaque na sua equipe de produção a dupla Nobuo Uematsu e Hideo Minaba, respectivamente compositor e diretor de arte de vários jogos da franquia "Final Fantasy"clique aqui para ver um gameplay inicial de quase vinte minutos a seu respeito, e aqui para assistir o trailer de "Granblue Fantasy Project Re: Link", título de RPG e ação que está previsto para ser lançado em 2018 no Playstation 4. A propósito, a série de TV recebeu até agora somente um trailer, o que se encontra logo acima na parte de informações, porém alguns sites têm divulgado erroneamente cenas deste material promocional de 2013 como se elas fossem do anime.

História? Olha, a animação não anunciou nada de exclusivo até agora, então só temos como base a premissa do jogo quando você inicia sua jornada, que é algo bem padrão. O cenário aqui é um mundo "esquecido pelos deuses" onde existem ilhas flutuantes de todo tipo acima das nuvens: muito tempo atrás, seres conhecidos pelo nome de Astrals tentaram controlar estas terras com seu imenso poder, entretanto os habitantes dos céus, denominados Skydwellers, resistiram aos seus ataques e o mundo entrou numa era de paz.

Isso, é claro, até certo jovem herói decidir embarcar numa aventura após receber uma carta de seu pai desaparecido.

No anime ele se chamará Gran, e este rapaz, junto de seu companheiro lagarto voador Vyrn (inconfundivelmente dublado por Kugimiya Rie), se prepara para sair de sua casa na ilha de Zinkenstill justamente quando ela é atacada por uma frota do novo Império Erste. No caos que se segue, Gran acaba se encontrando com uma misteriosa garota chamada Lyria, que é uma prisioneira fugitiva do Império.

O resto é desnecessário dizer, mas uma típica "party" será formada (sendo Katalina Alize a integrante mais popular, uma guerreira dublada pela diva Miyuki Sawashiro que se rebela contra o Império depois de ser incumbida de escoltar Lyria), e haverá elementos como o despertar de criaturas primitivas que estavam adormecidas na forma de cristais e uma garota dotada de poderes absurdos sendo perseguida por uma nação opressora, logo dá pra imaginar o que (não) virá por aí.

Quem sabe seja suficiente para se entreter pela questão da aventura (que com a ótima trilha sonora poderá ganhar ainda mais impacto), mas fora isso... Sendo franco, ao menos a produção de fanart e doujins desse jogo, que já é grande, deverá se intensificar por conta do anime - foi através dessas mídias nada puras que conheci certa loli alquimista, uma das personagens mais usadas nesse sentido (mas não há por ora qualquer previsão de que ela apareça na série)...

Tendo ainda versões em mangá e light novel lançadas nos últimos dois anos, "Granblue Fantasy The Animation" virá com Yuuki Itou na direção, Ayako Kurata como diretor assistente e Toshifumi Akai ("Kokoro Connect", "Magi", "Sora no Woto") no "character design". Não foi mencionado nenhum nome responsável pelos roteiros, mas se houver alguma notícia quanto a isso a divulgarei por aqui.


Atualização, 25/12: E junto com a divulgação de um novo trailer em seu site oficial, veio também a notícia de que o anime terá sua estreia adiada para a temporada de primavera - não foi explicado o motivo para isso. Entretanto, no dia 21 de janeiro será exibido um episódio especial na televisão.


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 11/01
Estúdio: GoHands
Diretor: Shingo Suzuki
Gênero: Ação / Sci-fi 
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui, aqui e aqui

Projeto idealizado pela Animate - a maior rede varejista de produtos relacionados a animes, mangás e jogos no Japão - para comemorar seus 30 anos de existência, "Hand Shakers" se passa em Osaka no ano de 20XX (...) e tem como destaque os próprios Hand Shakers, que são duplas que podem invocar armas, chamadas "Nimrodes", nascidas do subconsciente deles ao se darem as mãos. A fim de realizar seus desejos, os Hand Shakers competem entre si, e o vencedor terá a oportunidade em poder encontrar e desafiar "Deus".

E é abusando novamente do CG e filtro de cores que o estúdio GoHands ("K", "Coppelion", "Mardock Scramble") produzirá mais um anime que promete muita estilização, personagens em sua maior parte presunçosos e cenas repletas de coreografias e ângulos não habituais - e talvez, assim, quem sabe, pode sobrar também algum tempo para contar uma história com um mínimo de coerência, o que acho pouquíssimo provável. Fora suas peças promocionais que exageram em citações bíblicas e frases floridas das quais nem vale a pena escrever aqui, infelizmente não tenho muito a dizer deste projeto: já até houve uma exibição dos 4 primeiros episódios em cinemas de Osaka no mês de novembro, além de nesses locais terem colocado à venda kits contendo um guia sobre os personagens, comentários da equipe, DVD com 50 minutos de animação e inclusive um áudio drama, porém não pude achar nada disso pela internet - ao menos em sites não japoneses. Em relação ao elenco, o site oficial listou 5 duplas de Hand Shakers cada qual levando uma denominação de acordo com o tipo de arma que usam (Gear, Card, Shadow, Sword e Chain), e quanto a dubladores temos um time razoável formado por nomes como Fukuyama Jun, Tomokazu Sugita, Ai Kayano, Ayumu Murase, Sumire Uesaka, Yoko Hikasa e Soma Saito.

Aliás, o anime já tem vários produtos à venda e um bom punhado de trailers grandinhos cheios de efeitos, mas falta um pequeno detalhe: Que divulguem logo toda a equipe de produção, pois até agora revelaram somente a presença de Shingo Suzuki como diretor - profissional atuante na maioria das animações do estúdio GoHands. Eu atualizarei o texto adequadamente conforme forem surgindo novidades.

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 08/01
Estúdio: Mappa / Studio VOLN
Diretor: Daisuke Yoshida
Tema: Idol / Música
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Idols e política, tudo a ver.

Inspirado em um jogo para smartphones anunciado em 2014, mas lançado apenas agora em outubro pela empresa MAGES, o anime "Idol Jihen" possui uma sinopse própria em seu site oficial, contudo na página do jogo há outra levemente mais detalhada e interessante. Primeiro, citarei a da fonte original:

A história se passa em um Brasil Japão onde a economia se encontra aos pedaços e a descrença quanto aos políticos atinge um nível altíssimo. Uma idol chamada Kagura Mikazuki, apoiada pelo povo, interfere na situação e estabelece um novo governo, conferindo em seguida posições administrativas para outras idols - esta revolução acaba resultando em uma rápida reabilitação da economia do país. Após 20 anos, Kagura ainda é líder do governo formado por idols, porém ela de repente avisa que se aposentará do mundo da política; nisso, as 47 idols que atuam como membros da Dieta (poder legislativo do Japão) devem agora competir entre si para ver quem se tornará a próxima Primeira Ministra.

Uau! Já o site do anime informa apenas que a trama se passa no Japão de um mundo paralelo onde idols se levantam contra um governo corrupto, tornam-se membros da Dieta e trabalham duro para trazer de volta o sorriso do povo japonês através da música e dança. Os membros da Dieta pertencem a sete diferentes grupos políticos, que são o "Heroine Party", "SOS Party", "Subculture New Party", "Bishoujo Party", "Wakaba Party", "Starlight Party" e "Sanrai Party" (preferi não traduzir mesmo os nomes).

No final, apesar desse argumento incomum eu sinceramente não sei o que poderemos ver de diferente além de idols cantando e dançando, uma vez que no jogo você só faz isso - clique aqui para assistir alguns vídeos dele. A propósito, a página deste último lista 38 garotas dos mais variados tipos, contudo o site e trailers do anime só confirmaram a presença de 9.

Tendo ainda uma versão em mangá cuja publicação teve início no mês de agosto, "Idol Jihen" será produzido pelos estúdios Mappa ("Yuri!!! on Ice", "Days") e Studio VOLN ("Ushio to Tora" em parceria com o Mappa) e virá com o novato Daisuke Yoshida na direção, Naoya Takayama ("Chihayafuru") na supervisão de roteiros, Soutarou Hayashi e Sumino Kawashima como roteiristas e Mai Ishii na adaptação do "character design", que no jogo ficou sob os cuidados de nomes como CUTEG (ilustradora da light novel de "Kanojo ga Flag wo Oraretara"), Yousai Kuuchuu e Tiv (ilustrador do mangá "Masamune-kun no Revenge", o qual verão mais abaixo o texto sobre sua adaptação animada).


**********

Formato: TV (2 min. por episódio)
Data de estreia: 09/01
Estúdio: Kanaban Graphics
Gênero: Ação / Comédia / Sci-fi
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

A ser exibido no Space Shower TV, canal japonês dedicado a música, "Inazma Delivery" será uma comédia pastelão que se passa numa cidade caótica onde estão localizados os protagonistas Hemingway e Bytheway, sendo o primeiro um jovem, porém sério entregador cuja personalidade muda drasticamente ao dirigir rápido, e o segundo um alienígena que é visto o tempo todo usando uma fantasia de tubarão. Os dois se conhecem quando Hemingway é encarregado de entregar Bytheway, contudo é impedido por Catherine, um homem (com esse nome?) que é membro de uma organização que persegue alienígenas.

Olha, não estou querendo dar uma de hipster nem nada disso, mas admito que o frenético trailer desse anime foi pra mim um dois mais interessantes dessa temporada - ainda que a série em si, com seus episódios curtíssimos e tal argumento, não deverá ser lá essas coisas. Sua produção em CG ficará a cargo do Kanaban Graphics ("Usavich", "Petit Eva: Evangelion@School"), estúdio experiente em animações desse formato.

Não há nada a respeito de sua equipe, mas caso surjam novidades as divulgarei por aqui.

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 11/01
Estúdio: Yaoyorozu
Diretor: TATSUKI
Gênero: Aventura / Comédia
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Essa é nova: Eis a adaptação de um jogo que encerrará suas atividades um mês antes do anime estrear.

A história se passa no Japari Park, um zoológico integrado gigantesco onde, devido a certa substância chamada "areia estelar", os animais começaram a transformar-se em criaturas com formas humanas denominadas "Animal Girls". Este é um local que muitas pessoas visitam para se divertir, mas, certo dia, uma criança se perde no parque - ela começa então uma jornada a fim de retornar para casa, porém conforme se encontra com novas Animal Girls sua viagem acaba se tornando numa inesperada aventura em grupo.

Com um argumento desses que denuncia sua origem, é até de se imaginar como ele será jogado num anime com episódios de duração normal, visto que os canais que o exibirão estão reservando um espaço de meia hora para sua estreiamas pode acontecer de transmitirem mais de um episódio em tal dia, ou então haver outro programa além do anime no meio. De todo modo, "Kemono Friends" é baseado num jogo fofinho de RPG lançado para smartphones em 2015 no qual, basicamente, você enfrenta ondas de monstros usando as garotinhas animais que vão se juntando na sua "party" (clique aqui para ver um vídeo de 16 minutos a respeito). Novidade alguma, o jogador também pode comprar e usar uma moeda interna para adquirir personagens mais fortes e itens - isso até dia 14 de dezembro, que é quando o jogo estaria previsto para encerrar suas atividades.

Pois é. Considerando que animações nesse caso servem para divulgar um jogo já existente, um original prestes a ser lançado ou então o futuro novo título de uma franquia estabelecida, não entendo qual foi a lógica usada aqui. Talvez queiram aproveitar o conceito em outras mídias enquanto abandonam naturalmente o jogo, ou quem sabe o projeto do anime estava combinado muito antes de decidirem encerrar suas atividades.

Havendo ainda uma versão em mangá iniciada em 2015 que só agora em dezembro terá publicado seu primeiro volume físico, "Kemono Friends" possui um grande número de animais antropomorfizados em garotinhas, mas por ora seu anime só elencou no site oficial 9 personagensComo podem ver na imagem, temos entre eles uma gata selvagem, uma raposa-do-deserto,  uma guaxinim, a garota (pela silhueta parece ser uma) que se perderá no zoológico, e... Cinco pinguins com ar de idols que formarão o "PPP - Penguins Perfomance Project"? Okay...

(na verdade, no perfil do anime no Twitter eles divulgaram há poucos dias uma grande lista com outras 16 personagens animais e suas respectivas dubladoras, tais como raposa-prateada, lobo, urso, bufo-real, leão, mabeco, alpaca, girafa-reticuladamacaco-dourado... Porém, ainda não há imagens oficiais delas para o anime, apesar de que é possível ver algumas em vídeos do jogo no Youtube)

A ser dirigido por TATSUKI no pequeno estúdio Yaoyorozu ("Minarai Diva"), o anime ainda contará com Shigenori Tanabe ("Danchi Tomoo") na criação e supervisão de roteiros. Vale citar, por fim, que o jogo de "Kemono Friends" teve suas personagens desenhadas por Mine Yoshizaki, autor do mangá de "Keroro Gunsou".


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 05/02
Estúdio: Toei Animation
Diretor: Kouhei Kureta / Yukio Kaizawa ("Abarenbou Rikishi!! Matsutarou", "Digimon Frontier")
Gênero: Fantasia / Slice-of-Life
Tema: Mahou shoujo
De onde saiu: Franquia "Pretty Cure".
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Décima quarta temporada de "Pretty Cure", franquia iniciada em 2004 cuja maior parte das animações são independentes entre si. Em poucas palavras, cada série foca em garotas mágicas chamadas "Pretty Cure" (ou "Precure") que, tendo o auxílio de poderes, itens especiais e criaturas fantásticas, enfrentam monstros e vilões diversos para proteger a Terra.

Ou então sua loja de doces, como será neste caso.

O site oficial do anime anunciou que o tema dessa temporada será um "crossover entre doces coloridos e animais bonitinhos", pois as protagonistas gerenciam uma loja de doces e deverão enfrentar fadas malvadas a fim de proteger seus amados produtos, isso enquanto usam vestes e poderes relacionados a animais. O quinteto principal será formado por Ichika Usami, que é ligada ao coelho e adora shortcake; Himari Arisugawa, adoradora de pudim cujo tema é esquilo; Aoi Tategami, leão e sorvete (já deu pra entender, né?); Yukari Kotozume, gato e macaron; e Akira Kenjou, cachorro e chocolate. Há ainda Pekorin, uma fada gordinha obcecada por tudo que é tipo de doce.

A franquia lançará também, no dia 18 de março, o longa "Precure Dream Stars!", uma continuação direta do filme "Precure All Stars Movie: Minna de Utau♪ - Kiseki no Mahou" - este, por sua vez, é relacionado a série de TV atual "Mahoutsukai Precure!".

A ser produzido pela Toei Animation (aqui eles são decentes na animação!), "Kirakira Precure A La Morde" trará Kouhei Kureta e Yukio Kaizawa na direção, Jin Tanaka ("Anne Happy", "Go! Princess Precure") na supervisão de roteiros, Yuuki Hayashi ("Death Parade", "Blood Lad", "Haikyuu!!") na trilha sonora e Marie Ino no "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 12/01
Estúdio: Kyoto Animation
Diretor: Yasuhiro Takemoto ("Amagi Brilliant Park", "Full Metal Panic? Fumoffu", "Hyouka", "Lucky Star")
Gênero: Comédia / Fantasia / Slice-of-Life
De onde saiu: Mangá, 4 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Mais garotas monstro.

Baseado em um mangá seinen publicado desde 2013 na revista Monthly Action, "Kobayashi-san no Maid Dragon" conta a história de Kobayashi, uma mulher solteira e um tanto desleixada, ao lado de Tooru, uma garota dragão que passa a morar com ela em seu apartamento. Normalmente vendo os humanos como seres inferiores e tolos, Tooru acaba pegando interesse em Kobayashi após receber ajuda dela em certo dia, e para pagar seu débito decide tornar-se sua empregada e ajuda-la em tudo o que for possível - apesar de nem sempre suas intenções saírem como esperado.

Tal mangá é de autoria de Cool-kyou Shinja, mangaká que já teve outras duas obras suas adaptadas em animações de episódios curtos, precisamente "Danna ga Nani wo Itteiru ka Wakaranai Ken" e "Komori-san wa Kotowarenai!" - caso tenham interesse eu falei de ambas, respectivamente, nos posts "Dez animes curtos de 2014" e "Dez animes curtos de 2015". Enquanto essas possuem como origem tirinhas 4-koma, "Kobayashi-san Chi no Maid Dragon" traz capítulos curtinhos, geralmente 15 páginas cada, e será a primeira vez desde 2011 que o estúdio Kyoto Animation adaptará algo vindo desse tipo de mídia (o último mangá que eles pegaram foi o tão elogiado "Nichijou"). Causando surpresa até dentro da própria indústria ao anunciar este projeto, alguns fãs mais exigentes já tem reclamado da mudança - que seria esperada - feita pelo estúdio no design dos personagens, e é bastante provável que veremos muito material inédito na televisão (o que é sempre uma incógnita quanto a sua qualidade), considerando o histórico do Kyoto e o fato de termos aqui um anime de duração normal se baseando num mangá com poucos volumes disponíveis e capítulos pequenos. Porém, levando em conta apenas o pouco que eu li (1 volume e meio), "Kobayashi-san Chi no Maid Dragon" me foi bem divertidinho, e só não acompanhei mais dele porque não me pareceu necessário para poder comenta-lo no guia - e eu também já estava muito atrasado na montagem do post, então deixarei para voltar a lê-lo, dessa vez sem "obrigação", somente depois de terminar tudo isso...

Vagando bêbada durante a noite e se esbarrando no topo de uma montanha com um dragão ferido por uma espada sagrada nas costas, Kobayashi conversa naturalmente com tal criatura enquanto reclama da vida e, assim sem cerimônias, convida ela a morar consigo quando descobre que a companheira não tem um lugar fixo para viver - oferta essa que Tooru não hesita em aceitar, já aparecendo no dia seguinte na porta do apartamento da jovem, primeiro em sua forma original imensa e assustadora, depois como uma garota loira com vestes de empregada e ostentando chifres e cauda. É dessa forma inusitada e um tanto "Ah, dane-se" que a rotina dessa dupla sob o mesmo teto tem início, rotina essa onde a dona da casa terá de aguentar uma garota dragão que é extremamente apaixonada por si a ponto de cheirar suas roupas efusivamente enquanto as lava, ou preparar um chocolate no Dia dos Namorados contendo uma perigosa poção do amor mas calma que ela é somente aquele tipo de personagem lésbica que faz e diz suas perversões, contudo nunca chega a lugar algum, sendo tudo usado unicamente como elemento de humor. Ela também demonstrará grande inveja por qualquer ser do sexo oposto que se aproxime de sua mestra, dentre eles o colega de trabalho Makoto, mas logo percebe que o rapaz é só um inofensivo parceiro de otakices para Kobayashi (em especial na fixação que ambos possuem por maids, algo que a própria Tooru descobre ao ver os dois bêbados discutindo seriamente sobre o tema).

Nesse dia a dia de Tooru protegendo a casa da invasão de ladrões, preparando cauda grelhada recém cortada de si mesma (ela cresce de novo rapidamente, não tem problema!) e insistindo para levar Kobayashi ao trabalho em sua forma draconiana porque é mais rápido (só que chama um pouco demais a atenção, creio eu, e além disso não é nada confortável andar em cima de escamas tão duras...), é claro que novos personagens tão ou mais incomuns surgirão em cena, sendo o primeiro dessa leva a pequenina e fofa Kanna Kamuioutra garotinha dragão que de início chega exigindo que Kobayashi quebre sua relação com Tooru e a deixe voltar pro mundo deles, porém ainda no mesmo capítulo aceita morar no apartamentojá recepcionou uma estando bêbada, o que é outra em tamanho miniatura, né? Este um dragão macho que guarda um tesouro dentro de uma caverna, o não muito simpático Fafnir se apresenta de maneira imponente e cômica a Kobayashi - sem falar em algumas hilárias "dicas" que ele deu antes a Tooru por telefone -, enquanto que a de busto avantajado e ex deusa dragão (perdeu o status de divindade séculos atrás após causar um escândalo estando bêbada: Espera, essa palavra não está se repetindo demais nesse texto?) Quetzacoatl, por ora, só soube exibir seu corpo e deixar claro que não possui um gosto muito bom em se tratando de vestuário para humanos. Ainda haverá Elma, personagem da qual não pude testemunhar sua estreia, mas pela descrição existente no site oficial ela faz parte de um clã de dragões rivais ao de Tooru, e passará a trabalhar com Kobayashi num escritório após ficar presa nesse mundo - quanto a sua personalidade é dito que seria uma garota responsável e focada, mas bem ingênua e facilmente influenciada por comida devido ao baixo salário que recebe...

No meio de brincadeiras mortais (para nós) entre dragõespreparo de omeletes com arroz usando ingredientes cujas origens é melhor não ter ciência e Kamui recebendo de Tooru lições distorcidas sobre os humanos e em seguida começando a ir pra escola, haverá junto a isso ocasionais momentos que refletirão brevemente sobre a conturbada relação entre essas duas espécies tão diferentes e o passado de Tooru - e não seria surpresa se houver no futuro qualquer conflito habitual quanto a ela precisar voltar a sua terra natal por algum motivo, ou, personagens que causarão barulho por serem contra tal interação. Todavia, a regra aqui será mesmo uma comédia às vezes bobinha, às vezes mais irônica ou maliciosa envolvendo uma mulher solteirona e vários personagens meio humanos, meio dragões. Muito do humor é auxiliado pela arte característica de Cool-kyou Shinja, e entrarei no coro - meio tímido, mas entrarei - ao dizer que essa mudança nos traços em relação ao anime poderá talvez não deixar algumas cenas tão interessantes quanto o são no mangá. Independente disso, a fonte é boa, vale dar-lhe uma chance.

Munido de um bom diretor que é Yasuhiro Takemoto, "Kobayashi-san Chi no Maid Dragon" virá ainda com Yuka Yamada ("Bungaku Shoujo Memoir") na supervisão de roteiros, Masumi Itou ("Bungaku Shoujo", "Flip Flappers") na trilha sonora e Miko Kadowaki ("Amagi Brilliant Park', "Kyoukai no Kanata") na adaptação do "character design".


Atualização, 01/01: Conforme lembrado pelo leitor ShinyHero nos comentários, esta será a primeira série de TV desde 2011 do estúdio Kyoto Animation que será baseada num mangá, porém há ainda o filme "Koe no Katachi", também vindo desse tipo de mídia, lançado em setembro passado. Eu confesso que nem me lembrei dele, pois num primeiro momento imaginava que todos os longas produzidos pelo estúdio nesse período eram apenas continuações ou sumários de suas séries de TV.       


**********

Formato: TV (15 seg. por episódio)
Data de estreia: 06/01
Diretor: Souta Sugahara ("gdgd Fairies", "Hi☆sCoool! SeHa Girls")
Gênero: Comédia
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de uma produção original baseada em personagens já existentes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Segunda temporada de "KochinPa!", anime feito todo em CG e com apenas 15 segundos por episódio que traz como protagonistas 3 personagens mascotes da Island, uma cadeia de pachinkos localizada em Akihabara - elas são dubladas, respectivamente, por Hanazawa Kana (Hana, a loirinha da imagem), Pile (Aira, a do meio) e Yuka Iguchi (Shima, a de cabelos azuis). O que é possível mostrar em meros segundos? Ah, quase nada: No pouco que assisti da temporada anterior as garotas apareciam sempre no mesmo local tentando engatar uma conversa e algumas piadinhas, e geralmente faziam isso a um ritmo frenético e terminando o assunto às pressas. O trio passou por dificuldades até mesmo para se apresentar no episódio de estreia... 

Experiente em animações desse tipo, Souta Sugahara permanecerá na direção.

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 12/01
Estúdio: Studio Deen
Diretor: Takaomi Kanasaki ("Kore wa Zombie Desu ka?", "School Rumble Nigakki", "Tokyo Ravens")
Gênero: Aventura / Comédia / Fantasia
Tema: Ecchi
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de uma light novel com atuais 9 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Segunda temporada de "Kono Subarashii Sekai ni Shukufuku wo!", anime baseado em uma light novel publicada desde 2013 que conta as desventuras de Kazuma Satou, um rapaz que ao morrer é transportado para um mundo de fantasia medieval onde sua missão é derrotar um tal Rei Demônio que aterroriza a todos - porém ele logo percebe que sua jornada, que se dará ao lado de uma feiticeira baixinha com manias de chuunibyou, uma deusa inútil e folgada e uma linda guerreira loira masoquista, não será assim tão gloriosa e tampouco lucrativa.

A equipe continua a mesma, com Takaomi Kanazaki na direção, Makoto Uezu ("Akame ga Kill!", "Kore wa Zombie Desu ka?", "Utawarerumono") na supervisão de roteiros, Masato Kouda ("Aoki Hagane no Arpeggio", "Junketsu no Maria") na trrlha sonora e Koichi Kikuta no "character design".


**********

Formato: ONA (10 min. por episódio)
Data de estreia: 23/12
Estúdio: Lerche
Diretor: Yoshito Nishouji
Gênero: Comédia
Gênero: Escolar / Paródia
De onde saiu: Mangá, 1 volume, em andamento - spin-off de outro mangá, que foi finalizado com 21 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Spin-off de "Ansatsu Kyoushitsu", anime que obteve duas séries de TV e é baseado num mangá que foi publicado entre 2012 e 2016 na Weekly Shounen Jump - ele chegou ao fim em março após 21 volumes (no Brasil se encontra no 15º através da editora Panini), enquanto que a segunda temporada só foi terminar 3 meses depois, adaptando por completo o material de origem. Já tendo recebido um curta em novembro, "Koro-sensei Quest" se espelha num mangá iniciado em 2015 e sua historinha ainda fala sobre os alunos de uma sala que devem assassinar seu bizarro e bondoso professor, porém... Eles agora estudam na "Kunugigaoka Magic School", e por meio do uso de armas medievais e magia precisarão enfrentar vários perigos para derrotar o temido Rei Demônio Koro-sensei!

Sim, uma parodiazinha com traços chibi e tema de fantasia medieval, nada mais. 

Pela internet é possível achar traduzidos ao menos os 3 primeiros curtos capítulos, mas como esse anime foi anunciado assim, de última hora, confesso que nem me dei ao trabalho de lê-los - olhei algumas páginas bem por cima, e deu pra notar um abuso constante de piadas remetendo a jogos de RPG. Makoto Uezu ("Seto no Hanayome", "School Days") é creditado como supervisor de roteiros, mesma função que realizou na série principal, contudo Seiji Kishi ("Angel Beats!", "Yuuki Yuuna wa Yuusha de Aru") será substituído pelo menos experiente Yoshito Nishouji na direção, ao passo que Kouji Yamagata cuidará do "character design" no lugar de Kazuaki Morita ("Seto no Hanayome"). Já está definido que o anime terá 12 episódios de 10 minutos de duração cada.


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 13/01
Estúdio: Lerche
Diretor: Masaomi Andou ("Gakkou Gurashi!", "Muv-Luv Alternative: Total Eclipse", "White Album 2",
Gênero: Drama / Romance
Tema: Escolar
De onde saiu: Mangá, 6 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Um hexágono amoroso repleto de pegação e pessoas miseráveis.

Populares, bonitos, invejados... Mugi Awaya e Hanabi Yasuraoka, ambos estudantes com 17 anos, formam um casal muito admirado na escola, porém eles escondem de todos um curioso segredo: Os dois possuem, na verdade, paixões difíceis de serem correspondidas, e tal relação serve apenas como meio de suavizar a solidão um do outro. Enquanto Mugi gosta de Akane Minigawa, uma jovem professora que já foi sua tutora, Hanabi, por outro lado, é apaixonada por Narumi Kanai, amigo da família desde a sua infância que hoje é professor na escola onde estuda. Eles se confortam fisicamente para aplacar a angústia de não poderem estar juntos daqueles que realmente amam, entretanto uma série de eventos complicará ainda mais essa situação.

Aos quem possam achar isso um bom chamariz para ver o anime, o mangá seinen "Kuzu no Honkai", que é publicado desde 2012 na revista Big Gangan, está previsto para ser finalizado com 8 volumes em março de 2017, e esta adaptação cobrirá por completo a obra uma vez que será exibida até o final do mesmo mês. Ou seja, será possível acompanhar o desfecho do enrolado conflito amoroso descrito na sinopse, algo que nos 3 volumes lidos por mim só piorou - e no geral nem achei bom o mangá, mas, ao final de cada capítulo eu ficava culposamente curioso e atiçado a continuar acompanhando a depravação sem fim dos envolvidos na história...

Uma relação nada saudável entre dois jovens idolatrados por todos, mas que por trás das cortinas almejam o coração de pessoas mais velhas e se usam, literalmente, como substituto um do outro - ilusão essa que pode ser testemunhada, por exemplo, na imagem anterior ou então nesta daqui, que é uma das várias do mangá carregadas de erotismo. Se já consideram tal cenário um tanto novelesco e dramático demais, saibam que não tarda muito para que conheçamos Noriko Kamomebata, amiga de infância de Mugi que o vê como um "príncipe" e é uma garota bem ingênua e esquisitinha que tentará conquistar o rapaz (intenção essa que Hanabi não deixará passar batido); e Sanae Ebato, amiga de Hanabi que é apaixonada pela mesma - e se imaginam que isso não terá muito foco jogarei uma cena aleatória aqui para verem somente o início deste lado do hexágono amoroso.

Pra deixar tudo num enrosco ainda maior, o professor alvo da paixonite de Hanabi tem interesse justamente na amada de Mugi, e eu estou me segurando o quanto posso para não revelar outras "reviravoltas" na trama - "Kuzu no Honkai" nos apresenta um elenco cuja maioria dos integrantes parece nunca chegar ao fundo do poço, sendo sempre possível nos surpreender com novas frases e atos mesquinhos carregados mais por decisões emocionais do que racionais. Usando uma palavra muito dita pelo "casal" principal para se rotular - e que também se encontra no título da obra -, eis pessoas "desprezíveis", ou a "escória", tratando da pior maneira possível seus dilemas amorosos.

Mas não que haja muito a desfrutar do mangá além dessa libertinagem toda e suas cenas picantes.

Enquanto Hanabi e Mugi intensificam o contato físico entre si (desde o início eles estipulam que podem fazer quase de tudo, menos sexo) e tornam-se cada vez mais dependentes um do outro para suportar seus amores infrutíferos e unilaterais - não seria surpresa caso os dois realmente se apaixonassem, contudo acho pouco provável que o mangá apelará para esse caminho, ao menos não da forma mais fácil e normal -, além de vermos em simultâneo as interações caóticas com os outros personagens, confesso que por mais de uma vez o mangá me pegou desprevenido com certos monólogos e diálogos de fato impactantes e diretos, que conseguiram ilustrar bem a confusão sentimental da cada um naquele momento em questão, mas... Numa visão geral, tais trechos são mais exceções e no fim a narrativa de "Kuzu no Honkai" não me soou muito convincente nas motivações e caracterização de seu elenco, seja na razão de A gostar de B ou de C fazer aquilo com D, e por aí vai - flashbacks do passado são um dos pontos mais criticados nisso pelos leitores, pois apresentam eventos rasos e diálogos banais para tentar justificar o comportamento atual dos participantes dessa história e suas (em maioria) péssimas personalidades. Seria preciso eu expor alguns acontecimentos para embasar melhor essa minha opinião, mas o risco de dar spoils em excesso de uma história tão cheia de surpresas desde o começo me obrigam a ficar nisso (com frequência me empolgo e esqueço que esses textos do guia devem servir como preview do anime, e não uma resenha que vá "estragar" metade do mesmo com suas revelações, dependendo do gênero abordado). Repetindo o que falei logo acima, o mangá não me agradou, porém não tive como evitar um "deixe eu ler mais um pouco pra ver o que farão agora" devido ao modo como os capítulos terminavam e, bem, porque eu tinha aquela mórbida necessidade em seguir espiando o sofrimento amoroso e as ações sem nexo de um bando de desajustados se beijando e se pegando na cama, na sala de música, atrás dos muros da escola, na rua... É um bom guilty pleasure: Recomendo, mas recomendo assim, falando baixinho no ouvido do outro.

(Aliás, cheguei a ler isso somente no trabalho, tendo sempre que dar uma pausa e olhar pros lados quando surgia uma cena picante. Acabei apresentando o mangá a um colega que nem acompanha essas mídias, e após ler os 4 primeiros capítulos ele também concordou que a montagem da história em si não parecia muito boa, mas o conteúdo instigava mesmo a curiosidade em continuar lendo)

Previsto para receber ainda uma série em live-action que estreará dia 18 de janeiro, "Kuzu no Honkai" será produzido pelo estúdio Lerche ("Mahou Shoujo Ikusei Keikaku", "Danganronpa 3") e terá Masaomi Andou na direção, Makoto Uezu ("Seto no Hanayome", "School Days", "Jinrui wa Suitai Shimashita") na supervisão de roteiros, Masaru Yokoyama ("Occultic;Nine", "Shigatsu wa Kimi no Uso", "Rolling Girls") na trilha sonora e Keiko Kurosawa ("Re:Hamatora") no "character design".


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 09/01
Estúdio: Trigger
Diretor: Yoh Yoshinari 
Gênero: Aventura / Comédia / Fantasia
Tema: Escolar / Magia
De onde saiu: Versão alternativa do OVA original de 2013. 
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Em 2012 o conceito de "Little Witch Academia", apresentado pelo estúdio Trigger ("Uchuu Patrol Luluco", "Kiznaiver", "Kill la Kill") foi um dos quatro selecionados para receber patrocínio do "Young Animator Training Project"um programa anual, criado em 2010 pela Associação Japonesa de Criadores de Animação (JAniCA) e apoiado financeiramente pela Agência de Assuntos Culturais do governo japonês, cujo intuito é financiar obras curtas idealizadas por animadores novatos - o nome formal do projeto em si era "Anime Mirai" até 2015, e neste ano passou a se chamar "Anime Tamago" após sua organização ser repassada à Associação da Animação Japonesa (AJA). Dirigido por You Yoshinari, prata da casa que antes desse anime só havia comandado uma série de curtas de "Tengen Toppa Gurren Lagann" em 2008"Little Witch Academia" estreou nos cinemas em março de 2013 com 26 minutos de duração (aliás, um dos seus companheiros de projeto foi "Death Billiards" do Madhouse, que receberia sua própria série de TV, "Death Parade", dois anos depois), e a recepção foi tão boa que logo abriram uma campanha no Kickstarter a fim de arrecadarem fundos para uma continuação. Ela veio em 2015, com o título "Little Witch Academia: Mahoujikake no Parade" e contendo 53 minutos de duração, o dobro do inicialmente planejado já que a meta para 20 minutos de animação (150 mil dólares) foi atingida em somente cinco horas, algo que motivou os produtores a lançarem outra campanha para aumentar seu tamanho. Desde o início profissionais do estúdio como Masahiko Otsuka (roteirista do primeiro título e produtor do segundo) manifestavam por meio de entrevistas esporádicas seu interesse em aproveitar esse cenário numa série de TV, o que tornou-se possível após o bom êxito desta sequência.

Quanto a história de "Little Witch Academia", indico este texto do Elfen Lied Brasil para comentários mais detalhados, porém ela começa mostrando a protagonista Atsuko Kagari se admirando, quando criança, com o show de uma popular bruxa chamada Shiny Chariot durante um festival, algo que lhe motiva a aprender magia. Em seguida já vemos a personagem em sua fase adolescente na escola de bruxaria Luna Nova Academy, sendo que, ao lado das amigas Sucy e Lotte, ela participa de uma avaliação onde precisam recolher tesouros em um labirinto repleto de monstros - porém, entre picuinhas com uma versão feminina do Draco Malfoy e a libertação de um poderoso dragão que estava selado, o trio acaba se envolvendo em uma série de confusões que colocam a escola em perigo.

A trama em si não é nada original ou surpreendente, longe disso, e os personagens também são bem singelos em suas caracterizações, mas o estilo narrativo e de animação recorrentes do Trigger (semelhante aos velhos tempos do estúdio Gainax, que é de onde seus fundadores e outros funcionários vieram), a alta qualidade visual graças ao grande orçamento disponível e o ar perfeitinho de "Harry Potter" todo bem humorado e colorido foram o que contribuíram para o sucesso de "Little Witch Academia". Eu mesmo não posso dizer que o achei uma maravilha de anime, contudo adorei sua atmosfera e nível artístico. Sobre o que a série de TV irá mostrar, no trailer acima dá para flagrar várias sequências que remetem ao primeiro especial (não sei quanto ao segundo pois esse ainda não assisti), logo é provável que o novo anime mesclará os eventos deles no início enquanto insere mais explicações a fim de expandir o cenário, para em seguida exibir apenas material novo - julgo isso porque, por exemplo, na animação de 2013 não vemos a chegada de Atsuko na escola para bruxos, já a presenciamos entrosada no ambiente, ao passo que no trailer há algumas cenas mostrando suas primeiras interações no local.

Dirigido novamente por Yoh Yoshinari, "Little Witch Academia (TV)" terá Michiru Shimada ("Little Busters!", "Shugo Chara") na supervisão de roteiros, Michiru Oshima ("Sora no Woto", "Yojou-han Shinwa Taikei") na trilha sonora e Shuuhei Handa no "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 12/01
Estúdio: J.C. Staff
Diretor: Kentarou Suzuki
Gênero: Slice-of-Life
Tema: Idol / Música
De onde saiu: Projeto musical.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Conhecida por seus jogos e produtos diversos voltados ao público feminino, a produtora Rejet ("Diabolik Lovers", "Dance with Devils"), em parceria com a Idea Factory ( desenvolvedora que possui uma seção dedicada a jogos otome chamada "Otomate"), deu início em 2013 ao projeto "Marginal#4", que no momento já teve lançados vários singles, álbuns, Drama CDs e um jogo para PS Vita - este último em 2014, intitulado "MARGINAL#4 Idol of Supernova". Trata-se de um grupo de idols composto por quatro rapazes que possuem 17 anos, contudo o anime, conforme pode ser visto em um dos trailers, ainda dará espaço a "Unicorn Jr." e "Lagrange Point", respectivamente um trio e uma dupla de idols que também se encontram aos cuidados da gravadora fictícia "Pythagoras Production", inventada pela Rejet (é o selo que usam no lançamento dos CDs).

A sinopse divulgada até aqui é bem curta e direta: Será visto o dia a dia tanto artístico, quanto de estudantes normais desses quatro membros do Marginal#4, que são o relaxado Rui Aiba, o esquentadinho Atom Kirihara, o gentil R Nomura e seu egoísta e malicioso irmão gêmeo L Nomura. Em relação aos colegas de gravadora, o trio Unicorn Jr. é formado por Tsubasa Shindou, Alto Takimaru e Teruma Nakama, enquanto que a dupla Lagrange Point vem com Shy Makishima e Kira HimuroFora isso, tem sido dado mais destaque, por motivos óbvios, ao fato de que o anime exibirá no seu encerramento um ato musical diferente a cada episódio.

Nisso, pra quem se interessar, clique aqui para ouvir no Youtube algumas das músicas desses três grupos.

A ser produzido pelo J.C. Staff, "Marginal#4: Kissa kara Tsukuru Big Bang" virá com Kentarou Suzuki estreando no posto de diretor, Masahiro Yokotani ("All Out!!", "Free!", "Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu") na supervisão de roteiros, Asuka Sakai ("Yuyushiki") na trilha sonora e Yoko Itou ("Amanchu!", "Love Stage!!") no "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 05/01
Estúdio: Silver Link
Diretor: Mirai Minato ("Fate/kaleid liner Prisma Illya")
Gênero: Comédia / Romance
Tema: Escolar / Harém
De onde saiu: Mangá, 7 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

A saga de um ex gordinho para se vingar da garota que partiu seu coração e praticou bullying em cima dele!

Quando criança Masamune Makabe sofria perseguição por sua aparência rechonchuda, porém o ápice de seu trauma ocorreu quando a rica e maldosa garota Aki Adagaki rejeitou sua confissão amorosa e o apelidou de "Porquinho". Passados 8 anos, Masamune tornou-se um rapaz atlético e bonito, porém narcisista, e ao entrar no ensino médio dará início a um plano de vingança contra aquela que o humilhou - o problema é que, conforme o tempo passa e a intimidade entre os dois aumenta, ele começa a refletir e se questionar quanto a como, e até onde, pretende seguir com o que desejava.

Publicado desde 2012 na revista Monthly Comic Rex ("Kannagi", "Okusama ga Seitokaichou!") e possuindo ainda uma versão em light novel de volume único, "Masamune-kun no Revenge" começa com uma premissa tonta e avança em seus capítulos e volumes com ideias tão ou mais estapafúrdias, entretanto... Tem lá sua graça, ainda que não traga um casal principal muito empolgante ou tampouco harmonioso e nem pareça que, no final, chegará a qualquer ponto satisfatório.

Cada qual procura sua motivação, tudo bem, mas para Masamune foi preciso uma guria riquinha e mimada lhe ofender para que ele, sob a tutela de seu rigoroso avô, desse início a um treinamento intensivo durante oito anos a fim de se transformar num jovem extremamente esbelto e atrativo pra mim ficou igual a 93% dos protagonistas de comédia romântica que são impopulares mesmo tendo um rosto perfeitinho, mas okay. Mudando até de sobrenome (!) para que não fosse reconhecido prontamente por seu alvoMasamune agora tornou-se um galanteador convencido que é capaz inclusive de arrebatar o coração das garotas ao falar qualquer besteira enquanto mexe em seus sedosos cabelos, e é nessa história que contêm uma mãe loli de 42 anos que gosta de empanturrar o filho com alimentos gordurosos, um colega de classe efeminado (oba!) que só está ali por estar e outros arquétipos duvidosos que tem início o plano-de-vingança-não-tão-bem-planejado-assim contra Adagaki, estudante que é conhecida como "A Princesa Brutal" devido à maneira cruel que trata, rejeita e apelida aqueles que se atrevem a confessar seus sentimentos - muitas vezes se aproveitando de artifícios pomposos e teatrais em público, pois parece que só dizer um modesto "Não" seria sem graça.

Ah, sim, já falei vingança/vingar três vezes e nem expliquei o objetivo final de Masamune quanto a isso, o que é revelado logo de cara: Simplesmente, ele ambiciona conquistar Adagaki, tanto pelo seu novo visual, quanto por suas técnicas infalíveis de sedução aprendidas por meio de mangás shoujo (...), para que logo depois possa rejeita-la com imenso prazer.

Infantil, imaturo? Sim, não há como defendê-lo nesse ponto.

Dará certo? Olha, de início, apesar de descobrir um "terrível segredo" do qual ela esconde de todo mundo quanto a possuir um apetite assustadoramente voraz (pois é...), salva-la de um agressor que não aceitou sua negativa e fisgar-lhe sua atenção com uma ou outra frase misteriosa (e vergonhosa), dentre outros eventos que os aproximam cada vez mais, Masamune logo percebe que o caminho que idealizou seguir terá alguns desvios, sendo que só depois de virar outra vítima de suas rejeições estilosas é que o rapaz aceitará a providencial ajuda de Yoshino Koiwai, aluna meio estabanada que sempre é vista ao redor de Adagaki atendendo suas ordens... E que, mesmo fazendo parte de uma linhagem que há 300 anos serve fielmente a família dela, pretende ajuda-lo em seu plano para ensinar à mestra um pouco de humildade! Vemos rapidamente o quão sua intervenção será de fato bastante útil, visto que, por exemplo, ela arranja em questão de dias um encontro entre os dois (ainda que mentindo sobre as condições mentais do garoto) e consegue até influenciar e convencer a inteligente, porém ingênua - pra ficar no eufemismo - Princesa Brutal de que é normal sair com alguém do sexo oposto fazendo cosplay do famoso anime mahou shoujo "Pretty Cure"...

Ah, creio que após toda esses relatos já deve ter havido uma divisão clara quanto aos que pretendem embarcar nessa comédia romântica bobinha, e os que já estão cientes de que não será do seu agrado.

E eu poderia ir além: Frases floridas de mangás shoujo e demasiada atenção estão surtindo o efeito contrário? Certo, então partiremos para o clássico ato de fingir indiferença e ignorar a presença dela. Deu certo, mas no fim você estragou tudo ao não saber responder uma pergunta importante que lhe foi feita? Hum, tudo bem, voltemos alguns passos. Ôpa, ela ouviu por cima conversas suas com Yoshino; calma, vamos esclarecer isso, mas...

Como é que pode justo agora aparecer uma nova e linda garota em cena, e pra piorar uma que alega lhe conhecer há anos e se transfere para a sua sala?!

E nem pense em começar a engordar de novo, senão tudo será perdido!

Pronto, chega. Foi graças a essas reviravoltas bestas e cliffhangers sacanas nos finais dos capítulos que pude ler quase 3 volumes do mangá facilmente, mesmo considerando o nível da comédia mediana pra baixo e achando Adagaki uma personagem insuportável devido ao seu comportamento - a trama até tenta com frequência amenizar a situação mostrando ela com traços engraçadinhos e seu lado "dere", mas pra mim ao menos isso mais me fez desgostar dela do que o oposto, já que certos atos e frases suas são exageradas e descabidas (e duvido que um conveniente trauma do passado que deve estar por trás disso sirva como desculpa decente para essa sua personalidade). Masamune, por outro lado, causou-me um pouco de interesse devido à necessidade dele em sempre ter de rever suas (geralmente questionáveis) atitudes e abordagens em cima de uma garota tão caprichosa, arrogante e imprevisível, o que rendeu algumas cenas de fato cômicas, entretanto a esperada percepção em menos de dois volumes de que ele acabará se apaixonando de verdade por Adagaki não é, pessoalmente, algo que empolgue um mínimo que seja aquele que está escrevendo este texto, tendo em vista que não fui com a cara dela. Nisso, acrescente uma potencial rival amorosa que caiu do céu, e outras reviravoltas manjadas de igual tipo que não presenciei, mas descobri lendo spoils de volumes futuros, e compreendam que posso sem muitas ressalvas recomendar o anime pela sua comédia regular, porém eu mesmo não conseguiria falar tão bem de "Masamune-kun no Revenge" por ele parecer daqueles mangás que ficam criando expectativas falsas, dão voltas e colocam novos empecilhos um tanto forçados no frágil argumento central apenas para poder estica-lo o quanto for possível. É evidente que pra uma animação de 12-13 episódios isso não será tão prejudicial e desgastante quanto é para um mangá com em breve 8 volumes publicados, mas recomenda-se começa-lo assistindo estando preparado para um desfecho no mínimo anti climático em relação ao desenvolvimento do teor romântico, valendo mais a pena aqui somente o bom humor (okay, okay, provavelmente quase ninguém, após ler a sinopse, poderia guardar muitas expectativas no romance, mas ainda assim quis destacar isso).

A ser produzido pelo estúdio Silver Link, "Masamune-kun no Revenge" virá com o novato Mirai Minato na direção, Michiko Yokote ("Prison School", "Handa-kun", "ReLIFE") na supervisão de roteiros, Tatsuya Katou ("Shokugeki no Souma", "Free!", "Love Live! Sunshine") na trilha sonora e Yuki Sawairi no "character design".


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 07/01
Estúdio: A.C.G.T. / J.C. Staff
Diretor: Susumu Kudo ("Coppelion", "K")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Escolar / Esporte
De onde saiu: Mangá, 8 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Garotas sobre duas rodas. De novo.

Adaptação de um mangá shounen publicado desde 2011 por Noriyuki Matsumoto (ilustrador de "Miniskirt Pirates", light novel que inspirou o anime "Mouretsu Pirates" de 2012) na revista Monthly Comic Blade ("Amanchu!"), "Minami Kamakura Koukou Joshi Jitensha-bu" tem como protagonista Maiharu Hiromi, uma garota que se mudou recentemente para a cidade de Kamakura. Logo no seu primeiro dia de aula ela decide voltar a andar de bicicleta após vários anos, porém há um detalhe: como nunca antes a usou sem ter rodinhas para auxilia-la, Hiromi rapidamente descobre que não sabe pedalar. Entretanto, um pequeno acidente no meio do caminho a faz conhecer Tomoe Akitsuki, sua futura colega de escola que ao ver tal problema promete ensina-la a andar de bicicleta.

Li dois capítulos do mangá, ambos traduzidos em 2015, e deles não pude extrair muito além do que a sinopse informa. Enquanto no primeiro já vemos Hiromi aprendendo a pedalar (ou pelo menos conseguindo ficar mais do que 5 segundos em cima da bicicleta) graças aos conselhos de Tomoe, no capítulo dois apenas acompanhamos a dupla caminhando até a escola, onde resumidamente tivemos alguns elogios à beleza natural de Kamakura, descobrimos que a cidade sofre de uma infestação de milhafres famintos que roubam sua comida, vemos de relance alguns ciclistas veteranos que são admirados por Hiromi, e conhecemos outra ciclista aparentemente mais velha (também indo pra escola) da qual não é dito nem seu nome, nem se é uma aluna ou professora - este segundo parece ser o de maior probabilidade. Acontece então um novo ataque dos milhafres após a protagonista bobinha tirar outro sanduíche de sua mochila, e pronto, é tudo o que posso dizer.

Confesso que não gostei do (pouquíssimo) que li, pois as expressões e diálogos das garotas me foram muito insípidos e por vezes artificiais demais - todavia não é nada raro um mangá começar de forma assim "crua" e melhorar sensivelmente ainda no primeiro volume, então fiquemos por aqui nos comentários, já que não há nada de relevante para destacar.

A ser produzido pelos estúdios A.C.G.T. ("Freezing") e J.C. Staff, "Minami  Kamakura Koukou Joshi Jitensha-bu" virá com Susumu Kudo na direção, Kurasumi Sunayama ("Bakuon!!", "Yowamushi Pedal: New Generation") na supervisão de roteiros, Arte Refact ("Komori-san wa Kotowarenai!", "Ooya-san wa Shishunki!") na trilha sonora e Ryoichi Oki ("Twin Angel: Twinkle Paradise") no "character design".


**********

Formato: TV (5 min. por episódio)
Data de estreia: 05/12
Estúdio: DLE
Gênero: Comédia
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Com uma segunda temporada que foi exibida entre fevereiro e julho desse ano e previsto para continuar em 2017, o programa de variedades "Seiyuu Danshi desu ga...?" ("Eu sou um dublador?") é apresentado por 7 dubladores masculinos, e estou falando isso porque "Nananin no Ayakashi" teve seus 7 protagonistas em formato chibi criados por cada um desses profissionais, que também foram responsáveis em inventar os nomes, personalidades, aparências e objetos chaves dos personagens que eles próprios dublarão.

O anime estreou dia 5 de dezembro e vai durar somente 8 episódiosporém já seria de se esperar não ter havido qualquer tradução dele, e por isso não sei na prática qual é o seu conteúdo além do argumento de que os protagonistas são espíritos que sabe-se lá como vieram parar no mundo moderno atual. Dessa forma, só me resta descreve-los rapidamente: Temos Meiteimu (Yuuto Uemura), um cão espírito que adora chá verde e rosquinhas; Guden (Yuichiro Umehara), um tengu conhecido por ser o rei das trivialidades; Kurokitenko (Keisuke Koumoto), uma raposa que ama livros é o príncipe de um reino perdido; Yuu (Yuusuke Kobayashi), um gentil zashiki-warashi que jamais abandona sua boneca; Shirou (Yusuke Shirai), uma raposa que gosta de pregar peças; Pontaro (Yuutaro Honjou), um aparentemente dócil tanuki que é amado por todos; e Cheruta (Kazutomi Yamamoto), um gato de duas caudas que fala o dialeto de Kansai e gosta de chá com leite.

A animação ficará por conta do estúdio DLE, e talvez, se eu conseguir ver o primeiro episódio disso, poderei atualizar o texto explicando melhor sobre o que ele mostra.

**********

Formato: ONA 
Data de estreia: 04/01
Estúdio: Satelight
Diretor: Shinji Takamatsu ("Danshi Koukousei no Nichijou", "Gintama", "Sakamoto desu ga?", "School Rumble", "Sora no Manimani")
Gênero: Ação / Comédia / Drama
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um mangá com atuais 3 volumes. 
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Nanbaka", anime baseado em um mangá digital publicado desde 2013 no site da comico ("ReLife", "Momokuri"). Mostrando a louca rotina de um grupo de presidiários em Nanba, o maior presídio do Japão, creio que seja de se estranhar ver este título no guia - afinal, o primeiro anime ainda está em exibição, e não haverá qualquer pausa entre um e outro. A única diferença nesse caso é que "Nanbaka" será rebaixado sairá da televisão e passará a ser exibido pela internet. O MyAnimeList considerou tal mudança importante o suficiente para justificar a criação de uma página nova ao anime, então eu somente segui sua lógica (se bem que às vezes listo novas temporadas de séries, principalmente aqueles mahou shoujo eternos, que o MAL ignora e considera somente como parte do anime já existente, mas okay).

De resto, não há obviamente qualquer modificação na equipe, que traz Shinji Takamatsu na direção (eu resenhei um anime dele, "Sora no Manimani", para a Corrente de Reviews desse ano), Mitsutaka Hirota ("The Prince of Tennis II", "X-Men") na criação dos roteiros, Kenji Fujisawa ("Hyakko", "Ninja Slayer From Animation") na trilha sonora e Kento Toya no "character design".

**********

Formato: TV (2 min. por episódio)
Data de estreia: 08/01
Estúdio: EMT²
Diretor: Yoshimasa Hiraike ("Amagami SS", "Gugure! Kokkuri-san", "Kaleido Star", "Momokuri", "Working!!")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Mangá, 1 volume, em andamento.
Site oficial: Clique aqui

Ainda bem que não há versões traduzidas do mangá, pois caso contrário eu poderia ter ficado seriamente debilitado por falta de sangue...

Perdão pelo exagero, mas é que eu realmente achei fofíssimas as artes desse anime e do mangá que vi por aí. Adaptação de uma obra em tirinhas 4-koma publicada na revista seinen Comic Cune ("Pan de Peace!") desde 2014, "Nyanko Days" apresenta o dia a dia de Tomoko Konagami, uma adolescente bastante tímida que possui três gatinhas personificadas em garotas, chamadas Maa, Roo e Shii.

Pronto, é isso.

Só agora em setembro é que foi lançado o primeiro volume do mangá, entretanto não pude achar sequer a versão original em japonês para verificar tanto o nível quase que criminoso de fofura que esse anime promete trazer, quanto o tipo de humor e eventos a serem narrados. Não foi possível traduzir suas respectivas e minúsculas descrições por conta do formato no qual são exibidas, mas o site oficial ainda lista outra garota humana e mais uma nekogirl pequenina como personagens (e no próprio pôster ainda tem outra, atrás da protagonista).

A ser produzido pelo estúdio EMT² (o que lhe confere consideráveis chances de vir com episódios de curta duração, pois 80% das séries dele foram assim), "Nyanko Days" terá Yoshimasa Hiraike na direção - ótimo nome para um anime desse tipo - e Miwa Oshima ("Anne Happy", "GJ-bu", "Momokuri") no "character design", outro profissional cuja arte cai muito bem para o que a animação deve propor.


Atualização 21/12: Só para encheção de linguiça, compartilharei aqui as breves descrições de algumas personagens que consegui encontrar traduzidas num site americano. Sobre as três principais, a animada e travessa Maa é da raça munchkin; a séria, inteligente e cautelosa Roo é da raça Azul russo, enquanto que a introvertida e chorona Shii é uma Singapura - apenas um detalhe que achei legal, mas caso leiam sobre o comportamento de cada raça verão que ele bate com o que é dito de sua respectiva personagem. Já a garota Azumi Shiratori vem de uma família rica, é amiga da protagonista Tomoko e possui uma gatinha chamada Elza (dessa não achei nenhuma descrição).  


**********

Formato: TV (4 min. por episódio)
Data de estreia: 11/01 
Estúdio: Typhoon Graphics
Gênero: Slice-of-Life
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Previsto para ter episódios de curta duração, "One Room" será uma produção original do estúdio Typhoon Graphics (que pela primeira vez comandará uma animação) cuja sinopse, por enquanto, se resume apenas a "três histórias que se passarão num quarto". Podem ver que haverão 3 garotas como principais, e cada uma delas terá 4 episódios à disposição para contar sua história. Do 1 ao 4 teremos Yui Hanazaka, uma esforçada jovem de 17 anos vinda de Hokkaido que está morando com a irmã em Tóquio a fim de prestar o vestibular (ela será dublada por Mao Ichimichi, que atualmente faz o papel de Sayaka em "Keijo!!!!!!!!"). Do episódio 5 ao 8 o destaque será dado a Natsuki Momohara, uma garota de 14 anos que vai morar com o irmão mais velho num apartamento em Tóquio usando o pretexto de que lhe dará "conselhos de vida" - apesar do ar ingênuo ela é uma pessoa responsável, boa com os serviços de casa e tende a mimar demais o irmão, porém não é muito honesta com seus sentimentos (já deu pra notar seu arquétipo, né? De todo modo, ela será dublada por Rie Murakawa, que atualmente faz a Murakami de "Stella no Mahou"). Encerrando o anime, do episódio 9 ao 12 surgirá em cena Moka Aoshima, uma alegre, persistente e trabalhadora mulher de 21 anos que é cantora e compositora - na verdade, ela chegou a seguir essa carreira uma vez, contudo não pôde dar conta e hoje trabalha meio período em Tóquio enquanto continua perseguindo seu sonho (ela terá a voz de Suzuko Mimori, que no momento se encontra em "Teekyuu 8" dublando a baixinha Kanae).

Um pequeno detalhe que as descrições das personagens não deixam claro: É dito que Natsuki e Moka são, respectivamente, irmã mais nova e amiga de infância de certo "protagonista", um personagem masculino do qual nem é informado seu nome ou se aparecerá muito por aqui (a não ser que seja aquilo de anime em primeira pessoa).

Quanto a equipe de produção não foi divulgado quem será o diretor, mas Eiji Mano é creditado como planejador da história original, Aose Shimoi aparece no papel de roteirista e - o nome mais popular do grupo - Kantoku (ilustrador da light novel de "Hentai Ouji to Warawanai Neko.") surge como criador do "character design" das garotasque no anime será adaptado por Yasuhiro Okuda ("Mahou Shoujo Lyrical Nanoha"). Por fim, na temporada de primavera estreará "Room Mate: One Room Side M", anime spin-off que usará o mesmo conceito, mas dessa vez sendo protagonizado por três rapazes (hum, talvez o irmão mais velho e amigo de infância das garotas acima sejam, na realidade, duas pessoas diferentes que aparecerão neste aqui?).

É provável que até o final do mês surjam novidades sobre este anime, e elas serão devidamente divulgadas no guia dependendo de sua relevância.


**********

Formato: TV
Data de estreia: 10/01
Estúdio: Studio M2
Diretor: Shigeyuki Miya ("Blood Lad")
Gênero: Ação / Drama
Tema: Histórico
De onde saiu: Novel, 19 volumes (ou 24 quando foi reimpressa), finalizada.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Iniciada em 1967, a série de novels "Onihei Hankachou", criada por Shoutarou Ikenami, recebeu 19 volumes até 1989, e foi adaptada em diversos filmes, séries live-action e peças de teatro nessas cinco décadas. Ela também ganhou uma looonga versão em mangá (são por ora 98 volumes desde 1993!) através de Takao Saitou, autor do ainda mais longevo "Golgo 13", popular série cujo protagonista é um assassino de aluguel e que no momento se encontra no seu 183º volume sua publicação teve início em 1968, e aqui no Brasil a JBC chegou a lançar 3 volumes de uma de suas coletâneas em 2010.

Dito isso, sigamos com a sinopse: em "Onihei" o personagem principal será Heizou Hasegawa, homem que abandona seu estilo de vida libertino ao tornar-se herdeiro de seu pai e ser apontado, no ano de 1783 durante o Período Edo, como chefe de uma polícia especial dedicada ao combate de roubos e incêndios criminosos. Apelidado pelos inimigos de "Onihei" (Oni pode ser traduzido como demônio, e juntando com seu nome fica "Heizou o Demônio") ele comanda um grupo de samurais e cultiva uma vasta rede de informantes, composta por criminosos reformados, para facilitar na solução de casos mais difíceis.

O anime adaptará o material da novel, mas há duas curiosidades nesse ponto: Primeiro, já foi divulgado qual história de qual volume cada episódio (13 no total) irá narrar, dando pra perceber que não seguirão a ordem exata da obra original - podem ver no link que o anime se inicia no volume 1 mesmo, porém ficará depois indo e voltando na numeração, às vezes separando tramas de um mesmo volume em episódios distantes entre si. Desse modo, é bom não esperar qualquer desenvolvimento significativo de personagem ou um enredo mais elaborado que cubra todo o anime, e sim casos policiais episódicos. Além disso, Masao Maruyama, fundador dos estúdios Madhouse em 1972, do MAPPA em 2011 e agora do recém nascido Studio M2 (que é quem cuidará desta animação) disse há pouco tempo que "Onihei" não seguirá fielmente a história da novel, mas sim mostrará "o apelo único dos animes", o que quer que isso signifique na prática.

Enfim, chamemos isso de uma adaptação semi livre e pronto.

Apesar de sua produção ter sido iniciada antes, somente em fevereiro é que lançarão "Onihei: Sono Otoko, Heizou Hasegawa", um prólogo em formato OVA de 40 minutos onde um jovem rapaz (nome não divulgado) sai em busca de informações sobre o passado de Heizou, conversando desde com pessoas que lhe admiram ou trabalham com ele, até sua esposa - sendo que o clímax aqui será a revelação quanto a qual seria sua conexão com o oficial. Já sobre o elenco da série de TV, temos Hisae, mulher de Heizou; Tatsuzou, seu filho; Ojun, sua filha; Omasa, uma espiã que ama o protagonista; Chuusuke Sajima como yorikiChuugo KimuraYuusuke Sakai e Yasugorou Koyanagi como doshins (ambos são patentes da polícia exclusivas a samurais, sendo yoriki um nível acima de doshin e logo abaixo de machi-bugyou); Hikojuu, um velho espião que serve Heizou; Kumehachi, um ex ladrão que tornou-se espião também (isso de bandidos recuperados servindo como informantes era de fato bem comum na época); e Samanosuke Kishii, amigo próximo do protagonista.

Shigeyuki Miya cuidará tanto da direção, quanto do "character design".

**********

Formato: TV (4 min. por episódio)
Data de estreia: 11/01
Estúdio: Zero-G
Diretor: Hirokai Sakurai ("Di Gi Charat", "Jewelpet Happiness", "Kaichou wa Maid-sama!", "Nekogami Yaoyorozu")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Culinária
De onde saiu: Mangá, 1 volume, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Adaptação de um mangá publicado no site da Comico ("ReLIFE", "Nanbaka") desde 2013 por Atsuko Watanabe ("character designer" de animes como "Acchi Kocchi", "Hanayamata" e "Tokyo Ravens"), "Piace: Watashi no Italian" traz como protagonista Morina Nanase, uma estudante que começa a trabalhar meio período no restaurante especializado em comida italiana Trattoria Festa. Conforme conhece e fica íntima de seus peculiares colegas de trabalho, Morina acabará aprendendo mais sobre culinária e amadurecendo como pessoa.

Possuindo páginas inteiramente coloridas como é padrão em títulos publicados na Comico, confesso que, apesar de haver somente 5 capítulos traduzidos no momento, eu sequer consegui ter paciência de lê-los até o fim. Não que "Piace: Watashi no Italian" tenha sido horrível ou de mau gosto, apenas me foi... Chatinho, simples assim. Foram poucas as cenas das quais realmente achei alguma graça, e no fim só consigo elogiar mesmo sua arte bonitinha e, principalmente, a profundidade com que trata a culinária, tema esse tão banalizado em animações nos últimos dois anos.

Habitual heroína um tanto cabeça de vento e inocente demais, porém bastante esforçada e atenciosa, Morina Nanase é também, de longe, a funcionária mais sensata do pequeno restaurante japonês focado em comida italiana. Logo nas primeiras páginas do mangá já somos apresentados a todo mundo, nesse caso Maro Kitahara, um orgulhoso e esquentadinho garoto que, mesmo ainda sendo uma criança, já se tornou chefe de cozinha após o pai viajar sabe-se lá pra onde dois anos atrás, no meio da noite; Ruri Fujiki, gerente rígida nos gastos do restaurante que realiza as piadinhas mais maliciosas e, por meio desta imagem, devem perceber qual outro atributo seu se destaca; Kirihide Konno, cozinheiro extremamente metódico e focado, pra não dizer chato e assustador, que todavia possui uma adoração doentia por tomates; e Ei Oreki, cozinheiro responsável pelas sobremesas que aparecerá mais dando cantadas do que trabalhando. Nisso, enquanto Nanase vai aprendendo aos poucos sobre a culinária italiana e se acostumando com o novo trabalho, e Kitahara deixa de ser tão ranzinza com a falta de conhecimento dela e passa a nutrir uma quase cômica paixonite pela nova colega, os primeiros eventos se resumiram a apresentação de um cliente muito exigente e sua neta lindinha chamada Sara Teiri (podem ver que esta protagoniza um fanservice bem inesperado e desnecessário no final desse capítulo, mas já aviso que é exceção); uma viagem ao litoral que serviria para todos descansarem um pouco, entretanto acabam ajudando no serviço de um quiosque e entrando num concurso de maiôs (com participação dos rapazes!); e, este não é possível saber como termina porque foi aqui que a tradução parou, o retorno do tal senhor ao restaurante exigindo e oferecendo uma alta soma em dinheiro para que fechem o estabelecimento - isto porque ele encabeça um projeto para a construção de uma casa de hóspedes, mas é claro que momentos depois o flagramos participando de uma disputa culinária para decidir essa questão, na qual Nanase será posta à prova ao ficar a cargo do preparo de um dos pratos a serem julgados. Há ainda um capítulo meio deslocado, de tom mais sóbrio, onde acompanhamos os primeiros dias do garanhão Oreki no Trattoria Festa e descobrimos que ele já conhecia o pai de Kitahara (que detesta ouvir o nome dele mencionado), mas é isso.

Como falei no início, eu não me apeguei ao bom humor e piadinhas desse mangá, as achei fracas em sua maior parte, mas por outro lado até me simpatizei com as esquisitices do elenco e visual é provável que com o passar dos capítulos minha opinião a respeito dele se tornasse melhor, logo não abrirei mão de tentar ver o anime. Agora, algo que realmente considero notável de ressaltar é como vi tantos diálogos não predominantemente floridos e românticos, mas realmente esmiuçados e complexos em relação ao preparo de vários pratos de origem italiana, além de curiosidades e explicações aqui e ali sobre os hábitos alimentares e etiqueta desse país. Indo desde arancini caprese a beccafico, caponata e ripiene, o mangá inclusive reserva algumas páginas nos finais dos capítulos para ilustrar receitas dos pratos abordados na história. Não sei dizer o quanto esse conteúdo poderá influenciar alguém e assistir o anime, mas não dá pra negar que "Piace" se dedica ao tema de maneira muito satisfatória e competente.

A ser produzido pelo estúdio Zero-G, que foi fundado em 2011 e que pela segunda vez comandará uma animação (a primeira foi o monótono "Battery"), "Piace: Watashi no Italian" virá com Hiroaki Sakurai na direção - nome decente para uma série desse gênero - e a própria autora Atsuko Watanabe cuidando do bonitinho "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 08/01
Estúdio: Studio Deen
Diretor: Suzumu Nishizawa
Gênero: Comédia / Fantasia
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, baseado numa novel chinesa.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Segunda temporada de "Reikenzan: Hoshikuzu-tachi no Utage", anime de fantasia e comédia repleta de gags visuais que possui como origem uma popular novel chinesa chamada "Cong Qian You Zuo Ling Jian Shan", que é publicada pela internet desde 2013. Produzido pelo Studio Deen em parceria com a empresa cinesa Shenzhen Tencent Computer System Company Limited, a equipe sofreu algumas alterações, sendo a principal delas a saída de Iku Suzuki ("DearS", "Hapy Lesson") da direção para dar lugar a Suzumu Nishizawa. O responsável pelo "character design" agora será Makoto Iino, e quanto a roteirista ou compositor da trilha sonora, esses ainda não tiveram informações divulgadas - seja para confirmar os nomes da primeira temporada, ou então anunciar novos também.


**********

Formato: TV 
Data de estreia: 14/01
Estúdio: 8bit
Diretor: Tensho ("Grisaia no Kajitsu", "Kiniro Mosaic")
Gênero: Comédia / Drama / Romance / Suspense
Tema: Escolar / Sobrenatural
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um jogo para PC.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Segunda temporada de "Rewrite", anime "baseado" no jogo homônimo lançado em 2011 para PC - e posteriormente PSP, PS Vita e Playstation 3 - que foi o nono título desenvolvido pela Key, estúdio conhecido por suas visual novels de intenso apelo emocionalboa parte delas já foi adaptada em animes (e a maioria pelo Kyoto Animation), tais como "Kanon", "Clannad", "Air", "Little Busters" e, recentemente, "Planetarian". Eu useis aspas acima por que, na verdade, a série de TV foi um desastre que fez uma completa confusão com as rotas da visual novel e adicionou material novo no meio, de tal modo que é de se questionar como fecharão a trama ao abordar as últimas duas rotas do jogo (habilitadas depois de você passar pelas outras), que são "Moon" e "Terra", respectivamente. Eu não participarei dessa viagem, ficarei só na primeira temporada mesmo!

A equipe de produção seguirá a mesma, com Tensho tanto na direção, quanto na supervisão de roteiros, Masayuki Nonata no "character design" e trilha sonora composta (originalmente pra visual novel) por Jun Maeda (criador de "Angel Beats!" e "Charlotte", e roteirista de vários roteiros de jogos do Key), Maiko Iuchi ("Ano Natsu de Matteru", "Heavy Object"), Shinji Orito ("Clannad", "Kanon 2006", "Onegai Teacher"), Soushi Hosoi ("Onegai Twins") e Ryou Mizutsuki.

Por fim, em julho passado lançaram "Rewrite+" para PC, versão da visual novel original contendo vários bônus e melhorias que, agora em 2017, chegará ao Playstation 4 e receberá ainda tradução para o inglês - além disso, no começo do ano há a previsão de que disponibilizem para smartphones (iOS e Android) o jogo "Rewrite IgnisMemoria", que trará mais de 50 rotas inéditas nunca vistas na trama principal e possuirá um sistema de batalhas. 

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 07/01
Estúdio: J.C. Staff
Diretor: Hiroshi Nishikiori ("Angelic Layer", "Azumanga Daioh", "Toaru Majutsu no Index", "Trinity Seven")
Gênero: Ação
Tema: Escolar
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Uma história sobre amor, coragem e amizade está prestes a começar! (bem, isso é o que diz a sinopse, ao menos)

Inspirado em um jogo de RPG autointitulado "estilo light novel" que foi lançado em abril desse ano pela Square Enix para smartphones, "Schoolgirl Strikers: Animation Channel" traz como cenário a recém fundada "Goryoukan Academy", uma escola privada feminina que por trás de seu campus imenso esconde um segredo: Ela serve como local de treino e base para a "Fifth Force", uma unidade especial que tem como missão lutar contra um inimigo chamado Oburi. Composto por cinco garotas dotadas de equipamentos especiais e selecionadas pelo conselho estudantil da escola, a trama tem início quando uma nova pessoa é apontada para ser líder do grupo.

Como de praxe, clique aqui, aqui e aqui para ver vídeos curtos do jogo (que sinceramente me pareceu ser bem tosco).

Eis as cinco protagonistas do anime, que são apoiadas por dubladoras populares como Miyuki Sawashiro, Rina Hidaka, Yui Ogura e Hanazawa Kana - gosto dessa última dubladora, mas confesso que achei irritante demais a voz dela nessa personagem. A série virá com dois bons nomes na equipe principal, que seriam Hiroshi Nishikiori na direção e Takao Yoshioka ("Fukigen na Mononokean", "Working!!!", "Mahou Shoujo Ikusei Keikaku") na supervisão de roteiros, porém não vejo chances de sair daqui qualquer material decente tendo em vista o pífio argumento central e, principalmente, a precária fonte da qual ela se baseia. Ânimo para falar mais disso? Não, nem um pouco.

Mas só citando outros integrantes da equipe, Kengo Tokusashi e Mizuto Suzuki cuidarão da trilha sonora, enquanto Yuichi Tanaka ("Toaru Majutsu no Index", "Yahari Ore no Seishun...") fará o "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 06/01
Estúdio: AXsiZ / Studio Gokumi
Diretor: Tomoki Kobayashi ("Akame ga Kill!", "Amagami SS+", "Hundred", "Sola", "Tears to Tiara", "Utawarerumono")
Gênero: Comédia / Romance
Tema: Escolar
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Cliqueaquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaqui e aqui (apenas os últimos dois links mostram trechos da animação, enquanto que os demais são apresentações das personagens femininas)

Animação original cujos argumentos foram criados por Kisai Takayama (character designer dos jogos "Amagami SS" e "KimiKiss"), "Seiren" terá 12 episódios divididos em três arcos onde em cada um o protagonista se relacionará com uma garota diferente. Nesse caso, o rapaz se chama Shouichi Kamita, um estudante qualquer do segundo ano do ensino médio, da escola Teruhi Higashi High School, que se encontra ansioso quanto ao fato de precisar prestar exames e pensar no seu futuro. Durante a estação de verão ele passará a conhecer várias garotas, que acabarão causando grandes mudanças em sua vida.

Vale ressaltar que "Seiren" parece trazer um estilo narrativo semelhante ao anime de "Amagami SS" exibido em 2010 (e continuado em 2012), onde as garotas principais possuem cada qual seu próprio arco, que num todo são independentes entre si - nesta adaptação de um jogo lançado para Playstation 2 em 2009 Kisai Takayama não só desenhou as personagens, como também serviu de supervisor e colaborador do projeto. O site oficial do anime já listou um bom número de garotas, porém as que protagonizarão os arcos serão a orgulhosa, alegre, intrometida e idol da sala 2-B Hikari Tsuneki; a ótima em videogames, mas péssima em falar com os outros quando o assunto não é seu hobby Tooru Miyamae, que estuda na sala 3-A; e a aluna exemplar da sala 1-A (mas essa estuda na Sakuragawa Higashi Girl's High School, uma escola feminina) Kyouko Touno, amiga de infância do protagonista que adora mangás shoujo e possui um lado um tanto imaturo. Bato palmas a esse jovem chamado Shouichi, que conseguirá se relacionar com garotas representantes dos três anos escolares!

Em relação aos demais integrantes do elenco, temos de relevante Miu Hiyama, outra aluna da escola feminina que é uma excelente nadadora e um tanto ignorante quanto as coisas do mundo; Makoto Kamizaki, membro do Comitê de Moral Pública que é extremamente tímida e não sabe se portar bem sob pressão; Ruise Sanjou, uma integrante "sombria" do mesmo Comitê que é bastante rígida com tudo mundo, todavia cede e pega leve com sua "kouhai" Makoto (seria errado eu achar estranhamente atrativo essas marcas em baixo de seus olhos que a fazem parecer estar doente?); e Tomoe Kamita, irmã mais velha do protagonista que é um tanto cabeça de vento, porém encanta naturalmente todos ao seu redor e é muito popular. Ainda há outros seis personagens já divulgados, entre amigos de Shouichi (quem se importa com eles num anime desses?), colegas das garotas citadas e uma professora, mas paro por aqui. Eu particularmente até acho bacana quando uma série de romance divide suas historinhas em arcos isolados (se bem que é bem mais fácil ver tal fórmula sendo usada em animações hentai), e como ocorreu nas duas temporadas de "Amagami SS" é provável que tenhamos aqui um sobe e desce na qualidade do anime, visto que a força de cada trama dependerá da personagem em destaque.

A ser produzido por AXsiZ ("Koukaku no Pandora") e Studio Gokumi ("Kiniro Mosaic", "Lance N' Masques"), "Seiren" virá com o bom Tomoki Kobayashi na direção e terá seu "character design" criado e roteiros supervisionados pelo próprio Kisai Takayama (nem sei o que esperar de um ilustrador em seu primeiro trabalho solo como roteirista), além de Nobuaki Nobusawa ("Dagashi Kashi", "Madan no Ou to Vanadis") na trilha sonora.


Atualização, 29/12: Olha uma curiosidade que acabei esquecendo de adicionar no texto. O primeiro episódio desse anime foi exibido dia 9 desse mês em um cinema em Shinjuku (Tóquio), e de acordo com quem acompanhou a sessão o anime "Seiren" possui personagens ligados a outros de "Amagami SS" - mas nesse caso estariam apenas usando o mesmo universo após a passagem de alguns anos, não sendo necessário assistir um para ver o outro.




Clique aqui para ir à segunda página do post onde no momento há mais (9) animes listados.


**********


TOTAL:
51 estreias

18 continuações / spin-offs
12 novas adaptações de mangás
08 novas animações originais
06 novas adaptações de jogos (Dispositivos móveis: 4; Vários: 2)
02 novas adaptações de livros
02 novas adaptações de manhuas
01 nova adaptação de light novel
01 nova adaptação de um programa de televisão infantil
01 nova adaptação de livro ilustrado



Quantas figures eu comprei nesse período: 5, sendo elas do Hideyoshi de "Baka to Test to Shoukanjuu", Gokou Ruri de "Ore no Imouto", Kanzaki Ranko de "iDOLM@STER Cinderella Girls", Cyan de "Show By Rock!!" (essa na verdade é uma nendoroid) e Konata de "Lucky Star" - por ora só recebi as duas primeiras, mas as outras já chegaram no Brasil. Também reservei uma figure da Holo de "Spice and Wolf", que só será relançada em maio. E o dinheiro vai indo!

E qual foi o único jogo que joguei até o fim nesse mesmo período: "MegaTagmension Blanc + Neptune VS Zombies", spin-off da franquia Neptunia que coloca as personagens principais num cenário escolar com zumbis. Achei beeem fraquinho em comparação com os outros títulos que joguei.


**********


**********

Resultado da enquete "Quais animes pretende ver nessa temporada?":


Foram 120 votos únicos, havendo uma média de 6,39 animes selecionados a cada voto - a quantidade de participantes foi a maior desde o guia da temporada de primavera de 2015, quando houveram 178 votos. Uma curiosidade aqui é que a opção "Nenhum" chegou a ser escolhida por quatro leitores do blog, número só não superior ao da votação da temporada de inverno de 2015, onde ela obteve 5 votos - porém, a diferença entre os dois é que na ocasião tivemos 283 votos únicos ao todo, logo a fatia do bolo do grupo "Nem vou ver nada!" era bem menor...

E, considerando ainda que 6,39 animes selecionados a cada voto é a terceira menor média entre as dez enquetes que fiz até hoje (ganha somente da de inverno 2015outono 2015), essa temporada realmente não está empolgando muito o pessoal. 

De todo modo, agradeço a todos que votaram, visto que a participação nessa pesquisa vinha caindo nos últimos guias.

Também agradeço àqueles que ajudaram (eu incluso porque fui respondendo todo mundo!) esse post a ser o que possui no momento mais comentários publicados no Animecote! Superou até o queridinho dos visitantes de primeira viagem "X-10: Dez animes hentai" - post esse que nem nessa época perde o primeiro lugar dos mais vistos.

Agora, a decisão quanto ao futuro desses benditos guias.