Especial: Guia da Temporada de Primavera 2017 - Continuação



(Peço que, no caso de postar um comentário, o façam na página principal mesmo)





**********

Formato: TV
Data de estreia: 09/04
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Ryohei Takeshita
Gênero: Comédia / Drama / Romance
Tema: Ecchi
De onde saiu: Light novel, 8 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Minha irmãzinha não pode ser assim tão bonita - e eu não acredito que meu amor por ela vai além do fraternal.

Com apenas 12 anos Masamune Izumi tornou-se escritor de light novels - e agora aos 15 ele permanece nessa carreira apesar de não ser um dos autores mais populares do momento. Devido a certos motivos o rapaz mora sozinho com a meia-irmã Sagiri Izumi, uma garota de 12 anos que desde sua chegada um ano atrás não tem saído de seu quarto e muito menos ido pra escola, o forçando a cuidar de tudo para ela mesmo que não se falem ou se vejam diretamente. Masamune deseja e se esforça para reverter esta situação e assim se tornar mais íntimo dela, porém mal imaginava que esta chance apareceria ao descobrir que "Eromanga", ilustrador de suas light novels conhecido por seus desenhos sensuais, é justamente a própria Sagiri, dando assim início a uma nova e conturbada fase na relação dos dois.

Publicado desde 2013, "Eromanga-sensei" é de autoria de Tsukasa Fushimi, criador de "Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai", light novel encerrada em 2013 com 12 volumes onde os protagonistas também eram irmãos - tal obra recebeu duas séries de TV pelo estúdio A-1 Pictures entre 2010 e 2013, além de 3 episódios especiais pela internet que fecharam a adaptação completa da light novel com um final muito, mas muuuito criticado pela maioria dos fãs. Obviamente eu não darei spoils aqui - apesar de ser bastante fácil esbarrar neles sem querer caso pesquise pelo anime -, porém, se "Ore no Imouto" era mais comedido na intenção de levar adiante ou não uma possível relação incestuosa entre a orgulhosa Kirino e o tonto do Kyousuke (tradução: as outras garotas recebiam a mesma atenção em torno do protagonista, deixando em aberto sua "escolha" até os volumes finais), em "Eromanga-sensei", usando como base os três volumes da adaptação em mangá (de quatro que foram lançados desde 2014) e 1 da light novel que eu li, parece não haver rota diferente para o casal de irmãos. Ou seja, neste trabalho o autor Tsukasa não está dando a mínima para sutilezas na relação fraternal ou brechas significativas às demais integrantes femininas do elenco, só faltando mesmo que os protagonistas sejam mais sinceros e diretos um com o outro para acabar com tanta enrolação...

Após descobrir a identidade de seu colega de trabalho ao ver uma transmissão ao vivo pela internet de sua irmã desenhando, Masamune passa a ficar cada vez mais íntimo dessa garota que desde os 9 anos de idade faz ilustrações pervertidas para as suas light novels - os primeiros contatos são um tanto desastrosos e curtos, mas com o tempo isso vai melhorando. O rapaz também lhe revela que é o autor de tais trabalhos (sim, ela não sabia), e a relação dos dois será influenciada por personagens como Yamada Elf, uma bem sucedida autora desse tipo de mídia que possui ares de grandeza e alucinações - parecidos aos da Gokou Ruri de "Ore no Imouto" - e se portará como rival de Masamune; Megumi Jinno, colega de classe de Sagiri que é extremamente popular, "um pouco" precoce (qual outra palavra não ofensiva poderia usar para alguém que diz alegremente "Eu gosto de pê..." na primeira conversa com o irmão de sua colega?) e que tentará fazer com que a garota volte a frequentar a escola; Tomoe Takasago, funcionária de uma loja responsável pela área de light novels que dará ocasionalmente alguns conselhos e apoio ao protagonista; e Muramasa Senju, outra famosa escritora de light novels - muito mais que Yamada - que de início parece desprezar Masamune, mas certas ações e falas suas demonstrarão que não é bem assim - o seu comportamento altivo e aparência a fazem ser praticamente uma cópia de Gokou Ruri, só que na versão cabelos curtos. 

Pronto, o líder masculino tem ao seu redor uma espécie de harém formado só por garotas mais jovens do que ele (cuidado, hein!) onde a colega de sua irmã poderá às vezes atiça-lo um pouco com brincadeiras, a escritora loirinha (que adora se inspirar para escrever tocando piano nua, só mero detalhe) deixará muito claro sua paixonite ao ficar toda embaraçada com certas falas dele e mal entendidos, e a Gokou Ruri versão 2.0 também expressará sentimentos parecidos ainda que com rompantes de tsunderismo e orgulho, mas...

"Tentei o meu melhor para desviar o olhar do seio de minha irmãzinha."

"Como irmão, eu deveria ser capaz de encarar calmamente minha irmãzinha nua!"

"Como seu eu pudesse cair de amores por uma garota qualquer à primeira vista, quando lavo diariamente as lindas peças íntimas da minha irmã."

"Parece crescida e inexpressiva, porém é tão delicada que tem medo de ser tocada e sua expressão fica muito charmosa quando se fala com ela... É como se eu tivesse nascido para vê-la sorrir!"

E a lista segue.

Desde as primeiras interações de Masamune com Sagiri ele declara que deseja ser visto como alguém de sua família, mostrando o quão se preocupa de verdade com ela; entretanto, frases como essas por vezes tão fora de lugar e estúpidas mostram que seu amor caminha sem retorno para um nível que vai além do fraternal. Nisso, nem pensem que trata-se de algo unilateral, pois Sagiri já abusou do moe para demonstrar em inúmeras ocasiões o seu ciúme em vê-lo ao lado das demais garotas, tendo já chegado ao ponto de haver uma "meia declaração" dela cujo resultado pode ser resumido com estas páginas, onde ele acha que ela gosta de outra pessoa e fica na defensiva quanto aos seus sentimentos, e esta imagina que o irmão não pensa de igual forma justamente por conta dessa conduta. Eu confesso que em alguns capítulos achei até bacana e engraçadinhos os diálogos dessa dupla, mesmo se a conversa partia para um fanservice bobo e sugestivo (em específico as discussões sobre o dom de Sagiri em criar ilustrações bastante eróticas, cujas garotas curiosamente possuem seios pequenos porque ela diz ser capaz de desenhar somente apenas aquilo que já viu na sua frente, se é que me entendem...), mas no geral me foi enfadonho e incômodo ver um tema desse tipo ser tratado de maneira tão descompromissada e ingênua, pra não dizer idiota na verdade. Sei que muitos verão o anime exatamente por conta disso, tudo bem, mas no meu caso já tem muito tempo que não consigo ter paciência para obras que abordam incesto/pseudo incesto do jeito que "Eromanga-sensei" faz.

Sabe, irmãos podem ter uma ótima relação sem precisar cair literalmente de amores um pelo outro, e na hipótese disso ocorrer que desenvolvam tal problema com um pingo de maturidade...

Okay, parei com os resmungos.

Finalizando o texto citando os primeiros eventos da história, posso dizer que fora a relação de Sagiri e Masamune veremos os obstáculos passados pelo garoto em sua carreira de escritor, havendo neste ponto uma descrição superficial sobre a indústria de light novels e, algo que me causou alguns sorrisos, ocasionais comentários sarcásticos e irônicos (e outros apaixonados e parciais) a respeito da qualidade dessa mídia, na qual clichês, arquétipos exagerados e fetiches se amontoam em obras de escrita questionável para atrair o máximo de leitores possível. Interessada em ter Eromanga como ilustrador de seu próximo trabalho para criar a "light novel suprema que ninguém jamais viu" (e com as melhores cenas de nudez!), a pomposa Yamada desafiará Masamune para ver quem consegue escrever um conto que mais chame a atenção dela, e no fim isso resultará no desejo do protagonista em criar uma light novel cuja protagonista será... Uma irmãzinha inspirada na Sagiri, onde ele colocará seu coração para escrever uma obra prima. Posteriormente o plano evoluirá para tornar isso num anime com o auxílio da irmã na construção da personagem e ideias, entretanto rejeições da editora, falta de inspiração e o surgimento de Muramasa que deliberadamente tem atrapalhado suas publicações servirão como empecilhos para este sonho, que poderá avançar mais rapidamente se ele ganhar um concurso literário que terá a Gokou Ruri de cabelos curtos como uma das participantes. No meio disso, de quando em quando flagraremos Sagiri se comportando antes como um velho tarado do que uma garota moe de meros 12 anos, visto que por "motivos profissionais" ela cometerá atos indecentes como pedir para ver (ou tirar!) a calcinha seja de Yamada, seja da colega de classe maliciosa que no final não parece ter tanta experiência no assunto quanto nos faz pressupor - aliás, o teor ecchi não é tão alto e frequente assim quanto sugere a profissão dos protagonistas e meus comentários, e após tantas páginas da versão em mangá clique aqui para ver uma relação de ilustrações da light novel.

A ser produzido pelo estúdio A-1 Pictures, "Eromanga-sensei" virá com Ryohei Takeshita estreando na direção - dois meses atrás ele colocou em xeque a produção da série ao convocar animadores pelo Twitter, o que seria uma medida desesperada para cobrir a falta de profissionais -Tatsuya Takahashi ("Netoge no Yome wa Onna no ko ja Nai to Omotta?", "Koukaku no Pandora") na supervisão de roteiros, Tomoki Kikuya ("Hidamari Sketch", "Nisekoi") na trilha sonora e Hiroyuki Oda ("Eureka Seven AO", "Ore no Imouto") no "character design".



**********

Formato: TV
Data de estreia: 04/04
Estúdio: Studio A-Cat / ZEXCS
Diretor: Keiichiro Kawaguchi ("Hayate the Combat Butler", "Jinsei" "Million Doll", "Nurse Witch Komugi R", "Sket Dance")
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Mecha
De onde saiu: Série de model kits.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui (Leg. em inglês)

Certo dia a jovem Ao recebe uma encomenda por engano em sua casa, e ao abri-la (poderia ter devolvido ao entregador já que não era sua, né!) ela se depara com Gourai, uma pequena robô protótipo da série Frame Arms Girls que possui inteligência artificial avançada e é capaz de se movimentar sozinha. Junto de uma garota humana que não tem conhecimento algum sobre tais robôs e é a única dona de tal modelo, Gourai descobrirá aos poucos o mundo e as pessoas ao seu redor conforme aprimora suas habilidades de combate, bem como verá chegar na casa de Ao mais duas Frame Arms Girls (okay, agora é o entregador que precisa levar uma bronca por fazer tantas entregas erradas...).

Popular fabricante de figures e model kits - este segundo seriam aqueles bonecos/robôs/naves/etc que você tem de montar por conta própria, por exemplo -, a empresa Kotobukiya criou primeiro há alguns anos a série "Frame Arms", que trouxe robôs desenhados por Takayuki Yanase ("Mobile Suit Gundam 00", "Valvrave the Liberator", "Zegapain"), os quais pode ver os modelos lançados clicando aqui (a filtragem que fiz ainda deixou passar alguns produtos da outra coleção no resultado, mas tudo bem). Nisso, em 2015 começaram uma nova linha intitulada "Frame Arms Girls", que como é de se suspeitar pegou esse robôs e os antropomorfizou em garotas desenhadas por Humikane Shimada ("Girls und Panzer", Strike Witches") - e agora clique aqui para visualizar as poucas que já foram lançadas e as várias que ainda chegarão nas lojas durante este ano. Admito que antes mesmo de saber sobre o anime eu já estava de olho não na model kit, mas sim numa versão chibi da robô que será protagonista, não tendo a comprado até agora por no final sempre acabar dando preferência a figures de personagens que conheço e tenho alguma afeição, e...

História? Ah, em um dos textos oficiais é dito que Ao descobrirá que poderá ganhar prêmios caso participe de batalhas entre Frame Arms Girls, então esperemos uma trama que envolverá comédia, slice-of-life e ação em torno de robôs moe com 15 centímetros de altura. Além da Gourai, teremos ainda as versões animadas de StyletBaselard (estas duas também irão morar com a humana)Materia WhiteMateria BlackJinrai, Architect Hresvelgr.

A ser produzido pelos estúdios ZEXCS ("Fune wo Amu", "Aku no Hana") e Studio A-Cat - colaborador de animação 3DCG em títulos como "Aikatsu!" e "Initial D: Second Stage", algo que ele também deverá cuidar aqui de acordo com o visto no trailer -, "Frame Arms Girls" virá com Keiichiro Kawaguchi na direção (nome muito lembrado quando se trata de animes com maior apelo otaku), Hitomi Mieno ("Etotama", "Noragami", "Urara Meirochou") na supervisão de roteiros, Kakeru Ishihama ("Concrete Revolutio") e Keigo Hoashi ("Tasogare OtomexAmnesia") na trilha sonora e Kousuke Kawamura ("OniAi") na adaptação do "character design".

**********

Formato: TV
Estúdio: Brain's Base
Diretor: Hideya Takahashi ("Keijo!!!!!!!!")
Data de estreia: 11/04
Gênero: Drama / Romance
Tema: Música
De onde saiu: Mangá, 12 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Publicado desde 2013 na revista shoujo Hana to Yume ("Akatsuki no Yona", "Skip Beat!"), "Fukumenkei Noise" é um mangá do qual aguentei ler apenas 3 capítulos - sim, apenas isso. Vou ser franco em dizer que achei muito ruim o que li, para não falar outros adjetivos mais fortes, porém nesse guia só colocarei sua sinopse e ponto final por dois motivos: Primeiro, seria injusto eu apenas xingar e descer a lenha no mangá após lê-lo tão pouco mesmo havendo, atualmente, quase 40 capítulos traduzidos; e segundo, estou adicionado esse título no guia no momento em que o anime já teve 2 episódios exibidos, o que tornaria irrelevante qualquer texto mais detalhado a seu respeito.

A protagonista se chama Nino Arisugawa, garota que adora cantar e possui uma linda voz. Quando criança ela teve duas grandes amizades com outros garotos que, cada qual a seu tempo, sumiram de sua vida, começando com Momo Sakaki, seu primeiro amor com o qual cantava frequentemente e que acabou se mudando; e Yuzuriha Kanade, um jovem compositor que momentaneamente aplacou a tristeza de Nino, contudo por certos motivos terminou também sendo obrigado a se mudar. Cada um deles fez uma promessa a Nino de poderem se reencontrar por meio do som de sua voz, e mesmo passados seis anos ela aguarda pela realização disso.

Já no ensino médio Nino revê Yuzu, que hoje faz parte da "NO hurry to shout", banda cujos membros usam máscaras. O rapaz nunca deixou de amar a garota e a convida a se tornar vocalista da banda, a fim de que desse modo possa reencontrar Momo - este, por sua vez, tornou-se um compositor profissional, e desse modo tem início um triângulo amoroso que traz o mundo da música como pano de fundo.


Ah, confesso que gostaria muito de criticar os exageros e argumentos duvidosos que vi somente nestes três capítulos, mas fiquemos nisso... Produzido pelo Brain's Base ("Watashi ga Motete Dousunda", "Cheer Danshi!!"), estúdio que atualmente é o que mais foca no público feminino, "Fukumenkei Noise" tem Hideya Takahashi na direção, Hitomi Mieno ("Amanchu!", "Flying Witch", "Noragami") na supervisão de roteiros e Mariko Ito ("Log Horizon", "ViVid Strike!") no "character design". 

**********

Formato: TV
Data de estreia: 02/04
Estúdio: Tomason
Gênero:Hantasia
Tema: Histórico
De onde saiu: Continuação do anime de 2012, uma animação original.
Site oficial: Clique aqui


Segunda temporada de "Furusato Saisei: Nihon no Mukashibanashi", anime voltado ao público infantil que narra diversas histórias baseadas no folclore japonês. Iniciada em 2012, a primeira série teve 258 episódios que retrataram desde contos famosos como o de MomotarouPrincesa Kaguya ou Hanasaka Jiisan, a outros pouco conhecidos, havendo um foco especial em leves e calorosas histórias originadas da região de Tohoku, que em 2011 sofreu um terremoto que vitimou quase 16.000 mil pessoas

Cada episódio era dividido em três contos independentes, e o mesmo será feito aqui. Não consegui confirmar se houve qualquer mudança na equipe de produção, mas o estúdio Tomason permanece em seu comando.

Bem que eu gostaria de falar mais desse anime, só que apesar de ter chegado a baixar semanalmente 120 episódios da primeira temporada, nunca assisti nada (e esta estreia foi anunciada muito em cima da hora para que pudesse gastar algum tempo maior com ela)...

**********


Formato: TV
Data de estreia: 01/04
Estúdio: Oriental Light and Magic / OLM
Diretor: Shigetaka Ikeda
Gênero: Ação
Tema: Jogo de cartas
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um jogo de cartas.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Quarta temporada de "Future Card Buddyfight", anime originado de um jogo de cartas criado pela empresa Bushiroad que no Japão é voltado a crianças de 9 a 11 anos, porém na América é destinado a um público mais velho ao apresentar um sistema de batalhas de maior complexidade. Ainda não foi confirmado se toda a equipe de produção será a mesma, mas, como a segunda temporada só acabará agora em março, exatamente uma semana antes da estreia dessa continuação, possivelmente não haverá mudanças quanto a isso.

E apenas para não perder a chance de posta-lo pela quarta vez mesmo que não tenha utilidade alguma, clique aqui para ver um vídeo promocional de 2013 da franquia, com direito a um garoto enfrentando um homenzarrão no ringue e, esse, fazendo uma "atuação" muito convincente ao ser derrotado...


**********


Formato: TV (15 min. por episódio)
Data de estreia: 01/04
Estúdio: Haoliners Animation League
Diretor: Masahiko Okura ("Blue Drop")
Gênero: Aventura / Fantasia
Tema: Jogo
De onde saiu: Web manhua.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui (o primeiro serviu como anúncio da adaptação, enquanto o segundo traz o que será visto de fato no anime)

Os chineses estão vindo nessa temporada com duas produções cujos temas são focados em jogos online, sendo que de início até tive dúvidas se iria adiciona-las aqui por não haver estúdios japoneses comandando as adaptações sozinhos ou em conjunto - porém, como esta invasão da China em tal área tem se mostrado constante, e num guia tão grande como esse não me faz tanta diferença gastar algumas horas extras acrescentar um ou dois títulos nessa situação, decidi parar de pegar no pé com produções desse tipo e pronto, ninguém mais será excluído. Agora, que não venha a Coreia do Sul inventar moda de também se aventurar no mercado nipônico de animações!

Enfim, "Gin no Guardian" será feito pela Haoliners Animation League, estúdio chinês fundado em 2013 que é o principal responsável pela onda de animações vindas desse país ou co-produzidas com o Japão nos últimos dois anos, e ele é baseado num web manhua publicado desde março do ano passado no site QQ.com - há por ora 267 capítulos disponíveis gratuitamente, que já receberam quase 500 milhões de visualizações (sempre me espanto de início quando revelam números enormes para obras tão desconhecidas fora do país deles, mas daí lembro que estamos falando da China, né). Não existem versões traduzidas, pude achar ao menos três sinopses que se divergem em alguns pontos conforme tentam detalhar o seu enredo e, quando me arrisquei em "folhear" seus primeiros capítulos acabei ficando ainda mais perdido, logo vou resumir bastante a premissa do anime: Apesar de ser pobre, Sui Gin (à esquerda na imagem linkada, dublado por Fukuyama Jun) é um dos melhores jogadores de jogos online que existe, e sua identidade real é conhecida apenas pela colega de classe Riku Lei (à direita na imagem, dublada por Yuka Saitou). Certo dia ela lhe entrega um misterioso dispositivo móvel, porém, antes de poder lhe explicar do que se trata, Riku Lei é raptada e Sui Gin se encontra no meio de uma série de graves problemas. Ao procurar um modo de salva-la, o rapaz ativa sem querer o aparelho recebido e termina sendo imerso em um novo jogo de realidade virtual.

Insira nisso dívidas grandes a serem pagas e a necessidade em "completar" o jogo para poder sana-las, e pronto, já é possível ter um mínimo de noção sobre sua trama. 

Calma que ao menos do próximo anime com tema parecido pude ler um pouco da obra original, apesar das traduções serem bem fracas...

E se nenhum estúdio japonês está cuidado de sua produção (curioso que no início do ano passado o Gonzo foi anunciado como responsável dele, mas depois excluíram seu nome do site oficial), por outro lado a equipe principal é japonesa, tendo Masahiko Okura na direção, Hidefumi Kimura ("Uta~Kata", "Kiddy Grade") na supervisão de roteiros ao lado do próprio Masahiko, Minako Seki ("Kingdom") na trilha sonora e Yoshiaki Tsubata (Phantom ~Requiem for the Phantom~") "no "character design".

**********

Formato: TV 
Data de estreia: 02/04
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Ayako Kurata
Gênero: Aventura / Fantasia
De onde saiu: Jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui (Leg. em inglês) e aqui

Famoso jogo de RPG lançado para dispositivos iOS e Android em 2014 (há também uma versão em PC que pode ser baixada aqui, sendo que em qualquer uma tornou-se possível desde o ano passado alterar o idioma para o inglês), e protagonista de alguns escândalos relacionados ao seu abusivo e fraudulento sistema "freemium""Granblue Fantasy" ganha sua versão animada através do A-1 Pictures, estúdio hoje que é um dos que mais se envolve na adaptação desse tipo de mídia. Criado pela empresa Cygames, o jogo possui como destaque na sua equipe de produção a dupla Nobuo Uematsu e Hideo Minaba, respectivamente compositor e diretor de arte de vários jogos da franquia "Final Fantasy" - clique aqui para ver um gameplay inicial de quase vinte minutos a seu respeito, e aqui para assistir o trailer de "Granblue Fantasy Project Re: Link", título de RPG e ação que está previsto para ser lançado em 2018 no Playstation 4.

História? Olha, usarei como base pra isso tanto a premissa do jogo no momento em que você inicia sua jornada, quanto o que foi mostrado nos dois episódios exibidos previamente em 21 de janeiro - o anime estava antes previsto para estrear na atual temporada de inverno, mas depois o adiaram e decidiram somente transmitir este "especial". O cenário aqui é um mundo "esquecido pelos deuses" onde existem ilhas flutuantes de todo tipo acima das nuvens: muito tempo atrás, seres conhecidos pelo nome de Astrals tentaram controlar estas terras com seu imenso poder, entretanto os habitantes dos céus, denominados Skydwellers, resistiram aos seus ataques e o mundo entrou numa longa era de paz (que acaba assim que você dá "Play" no jogo, é lógico). Já no tempo atual conhecemos Gran, protagonista cujo pai viajou há anos em busca de Estalucia (suposta ilha dos antigos Astrals que fica no limite dos céus) e que deixou como única lembrança ao filho apenas uma carta onde diz aguardar por ele - o rapaz sempre teve vontade de sair numa jornada para reencontra-lo, e isso se torna possível com o surgimento de Lyria, uma garota que cai dos céus numa floresta próxima a vila onde Gran mora, na pequena ilha flutuante de Zinkenstill.

Ela era uma prisioneira do Império Erste, nação militarista recém formada que planeja conquistar o mundo. Possuidora de um grande poder do qual estão pesquisando para expandir seu domínio, Lyria escapa da nave deles com o auxílio de Katalina Alize, uma bela guerreira que decidiu se rebelar contra o império para liberta-la. Poucos depois de conhecerem Gran, que resolve ajuda-las, ocorre um confronto com o inimigo onde Lyria usa seu poder e invoca uma grande criatura, e por certos motivos (em resumo ele morre e a garota cede metade da sua vida para revivê-lo, porém agora não poderão se distanciar muito um do outro senão o coitado acabará morrendo de novo) Gran se vê obrigado a deixar sua vila e acompanhar Lyria e Katalina numa fuga com rumo incerto das garras do império, algo que o jovem aceita sem muita hesitação tanto para retribuir o que ela lhe fez, quanto para enfim sair em viagem e tentar encontrar o paradeiro de seu pai na distante ilha dos Astrals - que, por coincidência, é dito por Katalina ser o local onde poderão talvez achar um meio de reverter a condição dos dois sobre não poderem se separar, porque Lyria possui misteriosas ligações com os Astrals já que ela é capaz de ativar antigos cristais para controlar as "Primal Beasts", criaturas extremamente poderosas criadas por eles que até recentemente se encontravam adormecidas.

Ah, a formação inicial da "party" contará ainda com Vyrn (inconfundível e irritantemente dublado por Kugimiya Rie), um lagarto - que insiste corrigir os outros dizendo não ser um - que é companheiro de Gran desde a sua infância e geralmente serve como alívio cômico em várias cenas. De resto, na página que linkei do site oficial é possível ver os outros personagens que se juntarão ao grupo um a um, e com eles teremos uma típica história medieval de fantasia onde uma garota dotada de poderes absurdos, que mal possui memórias de onde veio, é perseguida por uma nação opressora, enquanto nosso honrado herói tenta derrotar o inimigo com o apoio de seus novos amigos e, quem sabe, obter respostas sobre o ocorrido com seu pai.

Os dois episódios já exibidos são simplesmente introdutórios: A última cena deles é quando o trio - ah, quarteto, já ia esquecendo o lagarto chatinho - se despede da vila de uma forma um tanto caótica e dá início a sua jornada, e por ora não foi dito se quando a série de TV estrear dia 2 de abril eles serão exibidos de novo ou não - atualizarei o texto se for preciso para informa-los. Olha, tirando a animação que ficou agradável, eu mesmo não consegui me empolgar um só momento pelo andamento tão esquematizado da história seja nos eventos ou nos diálogos, e já digo que ficarei apenas nesses episódios mesmo; quem sabe ele seja suficiente para se entreter pela questão da aventura (a boa trilha sonora e o nível técnico poderão incrementar isso), mas, sendo franco, ao menos a produção de fanart e doujins desse jogo, que já é grande, se intensificá por conta do anime - foi através dessas mídias nada puras que conheci certa loli alquimista, uma das personagens mais usadas nesse sentido (mas não há por ora qualquer previsão de que ela apareça na série)...

Tendo ainda versões em mangá e light novel lançadas nos últimos dois anos, "Granblue Fantasy The Animation" virá com Ayako Kurata debutando no cargo de direção, Yuuki Itou como diretor assistente ("Mahou Shoujo Lyrical Nanoha Vivid") e Toshifumi Akai ("Kokoro Connect", "Magi", "Sora no Woto") no "character design". Não foi mencionado nenhum nome responsável pelos roteiros, mas se houver alguma notícia quanto a isso divulgarei por aqui.

E fugindo do anime para falar de algumas trivialidades, neste mês o jogo deu início a um evento com vários sorteios para comemorar seu aniversário de 3 anos, e nele  o maior prêmio é uma quantia no valor de 10 milhões de ienes (R$ 273 mil) que pode ser substituída por presentes equivalentes a esse valortais como uma barra de ouro com uma chikuwa em volta (por quê, né?), 101 dias e 100 noites numa hospedaria tradicional no balneário da cidade de Atami, um pijama cravado de diamantes, uma viagem de cruzeiro, 12 milhões de cristais dentro do jogo - que lhe permite comprar de tudo nele -, uma barra de ouro virtual também dentro do jogo (item raríssimo, mas...), um carro decorado com personagens da franquia, estátuas em tamanho real de Gran, Lyria, Vyrn e uma garota chamada Djeeta que seria a versão feminina do protagonista ao escolher o sexo do personagem, e por fim uma réplica da forte espada "Luminiera Sword Omega". Além disso, outros pouco mais de 50 mil sortudos ganharão prêmios diversos, desde quantias menores de dinheiro a viagens ao Havaí ou Ilhas Maldivas e jantares em restaurantes de alta classe.

E como se isso já não bastasse para gastar tanto dinheiro, semana passada um dos maiores jornais do Japão, o Asahi Shimbun, exibiu uma propaganda de quatro páginas duplas do jogo que teria custado absurdos 300 milhões de ienes (R$ 8 milhões e 250 mil) a CygamesCaso a qualidade técnica do anime caia drasticamente em algum momento já saberão o motivo!


**********

Formato: ONA (1 min. por episódio)
Data de estreia: 26/03
Estúdio: DLE
Gênero: Sci-fi
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui

Que nem diz aquela conhecida frase, 27 imagens falam melhor do que um mini texto: "Henkei Shoujo" é um anime de episódios curtíssimos cujas protagonistas se transformam em máquinas, simples assim - o primeiro episódio mostrou uma garota, chamada Haru, virando (aparentemente surpresa) um jato de combate para pegar o chapéu de uma moça que foi levado pelo vento, sendo que o final deu a entender que esta não veria mais seu acessório uma vez que a outra saiu voando com ele...

Produzido pelo DLE, estúdio focado em animações em flash que é o maior responsável por toda temporada eu adicionar animes "descobertos" de última hora (bem que eles poderiam divulgar melhor seus projetos, viu), "Henkei Shoujo" é uma estreia da qual não consegui nenhuma informação quanto a sua equipe ou se ele está ligado ao lançamento de produtos e trecos otakus estampando suas personagens. Se muito, no site oficial tem apenas esta página destacando 5 garotas, e pelo perfil já desbloqueado dela a próxima que aparecerá será uma baixinha de nome Rin. É isso.


**********


Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: Passione
Diretor: Takeo Takahashi ("Aki Sora", "Dakara Boku wa H ga Dekinai", "Love Love?", "Maoyuu Maou Yuusha", "Spice and Wolf")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Mangá, 2 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Adaptação de um mangá seinen em tirinhas 4-koma publicado desde 2014 na revista Comic Cune, "Hinako Note" traz como protagonista Hinako Sakuragi, uma garota extremamente tímida que possui dificuldades em falar com os outros e que no início a vemos trabalhando como... Um espantalho nos campos de sua pequena cidade no interior do Japão! Ela adquiriu tal tarefa por atrair para si com facilidade qualquer animal, deixando assim as plantações livres de seus ataques.

Porém, a jovem decide se transferir para uma escola em Tóquio pois deseja entrar num clube de teatro afim de melhorar suas habilidades de comunicação, e dessa forma acaba indo morar num alojamento que, na verdade, é também um sebo onde terá como companhia e colega de classe Kuina Natsukawa, uma garota distraída que possui o estranho hábito de comer as páginas de seus livros favoritos. Com o passar dos dias Hinako fará novas amizades enquanto dá seus primeiros passos na nova escola.

Porque slice-of-life de garotinhas normais não tem mais graça, elas têm que vir com ocupações, características ou costumes peculiares, né... Desse mangá só existe até o momento 1 capítulo traduzido, cujas meras 9 páginas podem ser vistas clicando aqui - elas só mostram, usando traços fofos, a lerdinha Hinako trabalhando como espantalho e ganhando a atenção (e muitos vegetais em troca) dos moradores locais, além de deixar evidente sua extrema dificuldade em conversar, a ponto das palavras saírem erradas de sua boca mesmo devido ao nervosismo. É bem pouco para eu expressar qualquer opinião, porém confesso que perdi um pouco o interesse pelo anime ao saber que esta ideia era só a introdução, visto que na verdade teremos outro caso de jovens garotas num clube qualquer...

Junto a espantalho moe improvisada que atrai animais e a nova versão da "Bungaku Shoujo"o site oficial ainda lista no elenco Mayuki Hiragi, uma loira baixinha que trabalha num café e frequentemente é vista usando roupas de empregada; Chiaki Ogino, senhoria do alojamento onde Hinako mora que já foi membro do clube de teatro da escola Fujimiya High School e que perde o comportamento quieto quando se vê num palco; e Yua Nakajima e Ruriko Kuroyanagi, duas personagens que por ora não tiveram nenhuma descrição apresentada.

A ser produzido pelo fraco estúdio Passione ("Rokka no Yuusha", "Haitai Nanafa"), é bem provável que "Hinako Note" virá com episódios curtos, tanto por conta de quem o animará, quanto por haver poucos 2 volumes publicados do mangá. Takeo Takahashi (profissional que já comandou anime de tudo que é gênero, mas boa parte deles com ecchi considerável) surge como diretor chefe, ao lado de Toru Kitahata ("Boku wa Tomodachi ga Sukunai NEX") de diretor assistente, Tatsuhiko Urahata ("GATE", "A-Channel", "Saki") na supervisão de roteiros, Yukari Hashimoto ("Golden Time", "Toradora!", "Osomatsu-san") na trilha sonora e Kazuyuki Ueda ("Kin-iro Mosaic") no "character design".

**********


Formato: TV
Data de estreia: 09/04
Estúdio: Sanzigen
Diretor: Goro Taniguchi ("Active Raid", "Code Geass: Hangyaku no Lelouch", "Infinite Ryvius", "Junketsu no Maria", "Planetes")
Gênero: Sci-fi
Tema: Mecha
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Nova animação original toda feita em CG do estúdio Sanzigen ("Bubuki Buranki"), "ID-0" traz uma história que se passa num mundo onde "I-Machines" é o termo geral usado para robôs que operam em ambientes extremos. Aqui a estudante da Alliance Academy, Maya Mikuri, sofre um acidente enquanto usava seu I-Machine em serviço, sendo logo resgatada por uma nave da Escavate, empresa de escavação que serve como fachada para um grupo de piratas espaciais. Forçada a fazer parte da tripulação, conforme trabalha com eles Maya conhecerá melhor cada integrante da nave, bem como aprenderá o que realmente significa ser um "humano".

Com direção de Gorou Taniguchi, criador do famoso "Code Geass Hangyaku no Leouch" e recentemente um dos idealizadores de "Active Raid", dois animes de mecha com propostas bem diferentes entre si, "ID-0" ainda traz certas mensagens em suas peças promocionais, como por exemplo "Todas as memórias existem com I-Machines" e "Seria esperança, ou desespero, que se esconde por trás das memórias perdidas?", dando a entender que, trailer todo cheio de firulas e música alegre à parte (fora o outro esquisitinho com as garotas cantando enka), talvez ele não vá ter uma história tão descontraída e leve como seria de se esperar com tais personagens - mas só talvez, porém ter este nome no seu comando, mais as declarações soltas e vagas feitas pela equipe de produção nas redes sociais e eventos (como antecipar que haverá uma reviravolta bem inesperada conforme o cenário progride), tem feito algumas pessoas montarem uma ou outra teoria e discutirem qual será o real conteúdo que o anime mostrará se baseando no pouco material divulgado.

No fim pode tudo não passar de jogo de marketing e a animação sequer entregar um mínimo do que estava sendo supostamente aguardado, mas é isso.

Além da esperta e um pouco tímida protagonista Maya Mikuri, outros integrantes do elenco que já foram divulgados são mais duas humanas, chamadas de Clair Hojo - filha do presidente da empresa Escavate - e "Garota Misteriosa" (pois é, uma aparente criança com adereços de neko); e seis personagens em sua formas I-Machine, que seriam IdoRick AyerKarla Milla-FodenGraymanFA-Loser e Amanza Volchkova - todos fazem parte da mesma nave, e suas descrições no site oficial são tão curtas que só vale a pena mencionar que Grayman é o pai de Clair.

Junto a Goro Taniguchi na direção, o anime terá ainda Yousuke Kuroda ("Boku no Hero Academia", "Gundam Build Fighters") na supervisão de roteirosTakayuki Hattori ("Code:Breaker") na trilha sonora, Hiromi Kato ("Kobato.", "Needless") no "character design" e o trio Fumihiro Katagai ("Hitsugi no Chaika Avenging Battle"), Takayuki Yanase ("Valvrave the LIberator", "Zegapain") e Takeshi Takakura ("Bubuki Buranki", "Infinite Stratos", "Planetes") nos desenhos mecânicos.

**********


Formato: TV
Data de estreia: 04/04
Estúdio: Dongwoo Animation / Tatsunoko Productions
Diretor: Makoto Moriwaki ("Tantei Opera Milky Holmes")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Escolar / Música
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, originado de um jogo arcade.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Quarta temporada de "PriPara", anime iniciado em 2014 que mostra competições entre idols e que é baseado em um jogo arcade criado pela fabricante de brinquedos Takara Tomy - empresa que também foi autora de "Pretty Rhythm", franquia que de 2010 a 2014 gerou quatro séries de TV e é antecessora de "PriPara".

A equipe, em tese, deverá ser a mesma com Makoto Moriwaki na direção, Michiro Tsuchiya ("Major") na supervisão de roteiros e Shoji Hara no "character design", uma vez que a atual temporada acabará agora em março - por ora só o primeiro nome foi oficialmente confirmado, logo se houver mudanças significativas avisarei por aqui. Além da série de TV, um filme -  o quarto já da franquia - intitulado "Gekijouban PriPara: Mi~nna de Kagayake! Kirarin☆Star Live" estreou nos cinemas japoneses no último dia 4 (clique aqui para ver seu trailer).

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: Studio Deen
Diretor: Kazuhiro Yoneda ("Akatsuki no Yona")
Gênero: Slice-of-Life
Tema: Escolar
De onde saiu: Novel, 5 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Adaptação de uma novel cujo sexto volume será lançado esta semana, "Kabukibu!" traz como protagonista Kurogo Kurusu, um jovem de 15 anos que ao entrar no ensino médio decide participar de um clube de kabuki, arte da qual adora tanto que chega a ser irritante quando fala a seu respeito - porém, como não existe no momento nenhum clube voltado para isso, ele precisará recrutar e alcançar certa quantidade mínima de membros para poder criar um.

Eis outro anime baseado em novel sem material traduzido - na verdade nunca há mesmo para esse tipo de mídia. Como curiosidade, a autora da obra original, Yuuri Eda, possui em seu currículo vários títulos "BL" (relações amorosas entre homens, valendo citar que mesmo os demais mangás ou novels dela que não se encaixam nesta classificação retratam personagens masculinos com relações levemente sugestivas e íntimas - é claro que isso sozinho não quer dizer nada, pois pego como exemplo "Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu", anime da temporada atual que é baseado num mangá de outra autora de várias obras BL, Haruko Kumota, contudo quem assiste a série sabe que ela não se enverada por esse caminho. Se for pra especular alguma coisa acho mais válido reparar nos eventos, propagandas e tipos de produtos em pré-venda que têm sido feitos antes da animação estrear, onde o alvo é puramente o público feminino. Até onde o anime irá com o fanservice para elas, aí só aguardando por sua estreia para saber.

Originado em 1603, kabuki é uma espécie de arte cênica que envolve canto e dança com o uso pesado de maquiagem. Esse estilo foi criado por uma sacerdotisa e de início somente mulheres realizavam as encenações, entretanto o governo japonês as proibiu de pratica-las em 1629 por considerar algo erótico demais e também por estar ligado a prostituição em muitos casos, dentre outros motivos, e a partir disso os homens passaram a interpretar tantos os papéis masculinos, quanto os femininos - após a 2ª Guerra Mundial, onde o então decaído kabuki precisou se reformular em certos pontos para atrair o público novamente, surgiram alguns grupos com mulheres integrantes, sendo que existe até hoje uma trupe formada só por elas, todavia nunca conseguiram atingir a mesma popularidade do kabuki feito por homens. Clique aqui caso queira ver no Youtube uma encenação de 1 hora e 18 minutos (curta considerando que um século atrás as peças podiam facilmente passar de quatro ou cinco horas de duração), e aqui para assistir um pequeno documentário sobre Ichikawa Enosuke III, um dos atores mais famosos de kabuki das últimas décadas.

É uma arte... Estranha apesar de artisticamente interessante, vai, e isso até mesmo para muitos japoneses conforme pude achar várias matérias a respeito. Não é por menos que o amigável, alegre e aparentemente chatinho protagonista desse anime não tenha achado um clube para isso em sua nova escola, ainda que ele vá conseguir garimpar aqui e ali alguns adeptos das artes cênicas e outras áreas. Por falta de algo melhor, fiquemos com as breves descrições dos personagens no site oficial para apresentar o elenco, composto por Tonbo Murase, um jovem de poucas palavras que é o melhor amigo de Kurogo e sabe mexer em todo tipo de equipamento digital para produzir filmes; Shin Akutsu, um narcisista que parece odiar kabuki e atualmente faz parte de uma banda na qual é cantor e também compositor; Jin Ebihara, estudante de personalidade estoica que é filho de uma famosa família de teatro chamada Shiroganeya, e que por conta disso tem frequentado os palcos desde criança; e Hanamichi Niwa, este aluno do segundo ano cuja mãe instrutora de dança tradicional japonesa o transformou num dançarino, contudo há muito tempo ele largou essa prática para poder tornar-se lutador (e agora vai começar tudo de novo). Ainda há outros personagens já revelados, inclusive mulheres, mas como esses não têm no site oficial imagens ou textos disponíveis, os deixarei passar.

A ser produzido pelo Studio Deen e já tendo desde fevereiro uma versão em mangá sendo publicada, "Kabukibu!" virá com Kazuhiro Yoneda na direção, Yoshiko Nakamura ("Gekkan Shoujo Nozaki-kun", "Shounen Maid", "Super Lovers") na supervisão de roteiros, Masaru Yokoyama ("Mayoiga", "Occultic;Nine", "Kuzu no Honkai", "The Rolling Girls") na trilha sonora e Majiro ("Barakamon", "Macross Delta") adaptando o "character design" originalmente criado pelo quarteto CLAMP ("Cardcaptor Sakura", "XXXHOLiC", "Magic Knight Rayearth").  



**********


Formato: TV (8 min. por episódio)
Data de estreia: 12/04
Estúdio: A-Real / Project No.9
Diretor: Noriaki Saito
Gênero: Ação / Romance
Tema: Escolar
De onde saiu: Jogo para Playstation Vita.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaquiaqui e aqui

Primeiro, o início da franquia: "Kenka Banchou" é uma série de jogos iniciada em 2005 nos consoles PSP e Playstation 2 na qual o objetivo do jogador é, simplesmente, tornar-se um respeitável líder de delinquentes juvenis ou "bancho", e para isso você anda por um mundo aberto enfrentando adversários, aprendendo novas técnicas de luta e impressionando as garotas. Já foram produzidos 9 títulos até o momento (clique aqui para assistir o gameplay de um deles lançado em 2008 e aqui para ver outro de 2015), e quase todos foram protagonizados por homens, sendo a única exceção "Kenka Bancho Otome", jogo para Playstation Vita que chegou nas lojas japonesas em maio do ano passado trazendo a primeira protagonista feminina da franquia - clique aqui para ver uma alemã o apresentando, e em certa parte (aos 18:30) ela inclusive mostra como funciona o sistema de combate nele.

Aqui, a heroína tomboy e boa de briga Hinako Nakayama só se lembra de ter passado toda a sua vida em orfanatos e nunca ter conhecido qualquer parente, algo que muda ao ser abordada por Houou Onigashima, rapaz que alega ser seu irmão gêmeo e informa que os dois fazem parte da mais honrada família de mafiosos do submundo do crime, a Onigashima. Como tradição, aquele destinado a comandar a família é obrigado a estudar na Shishiku Academy, escola particular e só para garotos do ensino médio que abriga os mais perigosos delinquentes juvenis - além disso, é preciso tomar conta do local, tornando-se um líder entre eles. Houou não tem interesse em seguir com essa ideia, mas tampouco pode desafiar a ordem do pai; logo, Hinako é convencida pelo irmão a tomar o seu lugar, se passando por um rapaz e tendo como objetivo dominar a escola.

E obviamente ela fará isso enquanto fica mais íntima de outros garotos - que mal sabem sua identidade real.

Possuindo ainda uma versão em mangá cuja publicação teve início em 2015, antes do lançamento do jogo - e que já chegou ao fim agora em janeiro com 2 volumes, antes sequer do anime estrear -, não há muito mais que eu possa falar sobre este projeto a não ser, como de praxe, as breves descrições oficiais dos integrantes do harém reverso que presenciaremos ao redor da protagonista, que será formado por Totomaru Minowa, jovem que logo de cara é derrotado por Hinako e faz amizade com ela, mostrando-se uma pessoa bastante sociável que adora ajudar todo mundo (apesar de ser um delinquente) e que parece ser "um pouco" desatento ao não notar que tem uma garota ao seu lado mesmo gastando tanto tempo juntos;
Takayuki Konparu, estudante mais forte do primeiro ano que se simpatiza com Hinako, o que nesse caso é irônico uma vez que ele desdenha as mulheres e as enxerga como seres inferiores e fracos; Rintarou Kira, do qual dizer ser o aluno mais forte da escola por dois anos seguidos, porém na verdade muito do que falam de sua pessoa é exagero e o rapaz faz o tipo calado que prefere ficar sozinho; e Yuta Mirako, um bonitão que é meio como um "idol" na visão dos outros e do qual falam ser tão poderoso quanto Rintarou.

Pronto, estereótipos definidos, e que comece uma historinha de romance cheia de brigas numa escola (pra ser franco, duvido muito na qualidade do primeiro por conta da origem do anime, e mais ainda na presença e importância do segundo devido ao mesmo motivo...)

A ser produzido pelos fraaacos estúdios A-Real ("Urawa no Usagi-chan") e Project No.9 ("Momokyun Sword", "Saikin, Imouto..."), "Kenka Banchou Otome: Gir Beats Boys" virá com o estreante Noriaki Saito na direção, Natsuko Takahashi ("Brothers Conflict", "Divine Gate", Norn9") na supervisão de roteiros e Majiro ("Barakamon", "Macross Delta") no "character design".

**********


Formato: TV
Data de estreia: 08/04
Estúdio: Brain's Base
Diretor: Hiroshi Ishiodori ("Gunslinger Girl: II Teatrino", "Peach Girl", "Watashi ga Motete Dousunda")
Gênero: Comédia / Romance
Tema: Escolar / Sobrenatural
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um mangá com atuais 35 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Terceira temporada de "Kyoukai no Rinne", anime baseado em uma obra de Rumiko Takahashi que tem como protagonistas Sakura Mamiya, uma garota capaz de enxergar espíritos à sua volta, e Rokudou Rinne, um shinigami extremamente pobre. A equipe de produção ainda terá Michiko Yokote ("Genshiken", "Shirobako", "xxxHolic", "Priscon School") na supervisão de roteiros, Akimitsu Honma na trilha sonora e Kazuhiko Tamura ("Watashi ga Motete Dousunda") no "character design", porém o diretor das duas temporadas anteriores, Seiki Sugawara ("D-Frag!"), cederá espaço a Hiroshi Ishiodori.


**********

Formato: TV (4 min. por episódio)
Data de estreia: 05/04
Estúdio: Encourage Films
Diretor: Yuta Yamazaki
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Escolar
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Parabéns mais uma vez, Japão.

Nono maior consumidor desse alimento no mundo e 11º maior produtor (a propósito, o Brasil aparece respectivamente em 10º no ranking de consumo e 9º lugar no de produção), bem sabemos o quão relevante é o arroz na culinária e cultura nipônica em um todo, logo não é assim tããão espantoso ver que alguém decidiu enfim lançar um projeto onde testemunharemos tipos de arroz serem antropomorfizados em belos rapazes estudantes - e não reclamem do gênero escolhido, porque de objetos/alimentos/veículos e etc transformados em garotas já tivemos aos montes...

O cenário dessa ideia será a escola St. Pan High School, onde cinco estudantes novatos baseados em tipos de arroz tentarão derrubar os garotos pães (soou expressão de velho, mas de todo modo vejam os "malvadões" aos 40 segundos do trailer acima) como os grãos mais populares do local. Esse quinteto formará o grupo "Love Rice" e fará uma apresentação no evento "Harvest Show" (Show da Colheita...) com o intuito de mostrar o delicioso apelo (!) dos grãos de arroz.

Uau.

O site oficial lista apenas os personagens com seus respetivos nomes e alguns adjetivos básicos, contudo ignorei que eram 3 da manhã de uma terça enquanto escrevia este texto e fui pesquisando pela internet pra ver se os nomes e/ou sobrenomes deles batiam com tipos de arroz reais, e... Sim, batem mesmo, tendo sido fácil encontrar todos depois de perceber o padrão usado. Neste caso, temos o super animado Hikari Hino (hinohikari, produzido em Kyushu); o orgulhoso e de poucas palavras Nishiki Sasa (sasanishiki, de Miyagi, ótimo para sushi!); o frívolo e metido a engraçadinho Bore Hitome (hitomebore, também de Miyagi); o teimoso e afeminado Komachi Akita (Akitakomachi, da prefeitura de Akita); e o encantador e ingênuo Maru Niko (o caro nikomaru, de Nagasaki). Ah, chega de tanto arroz.

Já possuindo uma versão em mangá publicada desde fevereiro, "Love Kome: We Love Rice" terá episódios de curta duração produzidos pelo estúdio Encourage Films ("Etotama") e virá com o estreante Yuta Yamazaki como diretor chefe, Takashi Horiuchi de diretor assistente, Yuuki Takabayashi na supervisão de roteiros e criação do conceito original, Plus Tsubasa na trilha sonora e Tomoyo Sawada no "character design".

**********


Formato: TV (4 min. por episódio)
Data de estreia: 05/04
Estúdio: Tatsunoko Production
Diretor: Takahiko Kyogoku ("Gate: Jieitai Kanochi nite, Kaku Tatakaeri", "Love Live! School Idol Project")
Gênero: Comédia
De onde saiu: Mangá, 1 volume, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Love Live! Love Live!

Perdão, ou eu fazia isso ou todo mundo passaria batido por esse texto.

"Makerunai!! Aku no Gundan!" (em tradução livre "Não perca!! Corporação do mal!"é um mangá em tirinhas 4-koma criado por Sora Tokui, dubladora que muitos devem conhecer por seu papel como a idol Niko Yazawa na franquia "Love Live! School Idol Project" - atualmente ela dubla uma personagem secundária em outro anime de tema musical, o fraquinho "BanG Dream!". Publicado desde 2013 na revista Monthly Bushiroad (contudo só agora no dia 17 de março é que lançaram o primeiro volume físico), sua história é centrada numa "corporação do mal" liderada pelo grandalhão Don, que planeja conquistar o universo. Ele e seus dois lacaios tinham a intenção de invadir a Terra, porém sua nave espacial desapareceu, e agora precisarão da ajuda de um garoto terráqueo para ter onde morar enquanto arranjam empregos de meio período e continuam com seus planos de conquista.

Não há nada traduzido de seu mangá como seria de ser esperar, e em relação a equipe de produção surgem outros dois nomes curiosos, que são o de Takahiko Kyogoku na direção, profissional que comandou animes como "GATE" e o próprio "Love Live"; 
Yoshiaki Fujisawa na trilha sonora, compositor que, além dos dois títulos que acabei de citar, também esteve presente em "Uchouten Kazoku" e "Dimension W". Já no elenco de dubladores teremos veteranos como Tessyo Genda ("Urusei Yatsura", "Dragon Ball") no papel de Don, 
Kappei Yamaguchi (L em "Death Note", Kudo Shin'ichi em "Detective Conan", Inuyasha em "InuYasha" e Usopp em "One Piece") dando vida ao subalterno Pebu - o de orelhas rosas na imagem acima - e Akira Ishida (Gaara em "Naruto", Kaworu Nagisa em "Neon Genesis Evangelion") dublando Chiku, o de orelhas pretas.

Isto que é saber aproveitar de seus contatos, não? O anime dificilmente deverá prestar alguma coisa, mas o nível dos nomes em volta dele superam o de muita estreia badalada...

Estúdio? Não informaram ainda, e como curiosidade extra Sora Tokui não é a primeira integrante da franquia "Love Live!" a se aventurar como mangaká: Masumi Asano (coadjuvante nos animes, mas tanto faz) é autora de "Sore ga Seiyuu!", doujin que recebeu uma série de TV pelo estúdio Gonzo em 2015 - e olha só, esta é a deixa para eu divulgar a resenha que fiz pro blog sobre esta animação...


Edição, 26/03: A invasão "Love Live!" continua - bem como a capacidade de Sora Tokui (e seus agentes, né) em angariar tantos nomes populares ao redor de um anime desses. Foi dito que cada episódio possuirá uma narradora diferente, e dentre os participantes já divulgados temos Riho IidaAya Uchida e Yurika Kubo, todas dubladoras de protagonistas da franquia musical. Mikoi Sasaki é mais uma cuja presença está confirmada, e no caso desta ela faz parte de "Tantei Opera Milky Holmes", outra franquia da qual Sora se encontra no elenco principal.


**********

Formato: ONA (2 min. por episódio)
Data de estreia: 03/04
Gênero: Comédia
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui (é mais um vídeo apresentando o novo personagem criado pela Sanrio)

Apresentado em fevereiro durante a Sanrio Expo 2017 (sim, a criadora da Hello Kitty possui um evento anual em Tóquio onde ela exibe os milhares de novos produtos baseados na famosa gatinha sem boca e seus "colegas" de empresa), "Marumofubiyori" é um novo universo de personagens que tem como protagonista Mop, um urso branco que recebeu esse nome ("esfregão" em inglês) por conta do fato de estar sempre enrolado em um cobertor. No vídeo linkado acima dá para ter uma noção de como será seu anime - bastante semelhante ao estilo de "Gudetama" outro personagem da Sanrio que é uma gema de ovo preguiçoso e cujo anime estreou em 2014 -, e nele já é possível conhecer dois de seus amigos, sendo um deles um caranguejo de pelúcia que faz papel de tsukkomi e o outro um peixe, também de pelúcia - parece estranho, mas o site oficial diz que são amigos, logo só estou repetindo o que foi dito. Por fim, há ainda uma humana da qual só vemos do pescoço pra baixo e que parece cuidar do ursinho.

Não achei informações confiáveis sobre a equipe de produção, mas os episódios estão sendo exibidos pela internet e têm 2 minutos de duração cada. E como curiosidade extra, junto a animação da gema de novo também se encontra atualmente em exibição "Aggressive Retsuko", mais uma séria inspirada numa criação da Sanrio que, neste caso, trata-se de uma panda vermelho que usa o death metal como válvula de escape para o estresse causado diariamente por seus chatos colegas escritório.

**********

Formato: TV (8 min. por episódio)
Data de estreia: 01/04
Estúdio: Studio Hibari
Diretor: Kazuya Ichikawa
Gênero: Ação / Comédia / Fantasia
De onde saiu: Continuação do anime de 2015, vindo de um jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Monster Strike", anime com episódios de curta duração que é baseado em um jogo de RPG e ação para dispositivos móveis onde você luta com monstros para captura-los, fundi-los e evolui-los - porém, com a diferença de que aqui o jogador os controla como se parecessem bolinhas de gude ou de pinball, pois deve arremessa-los para atingir os adversários. Clique aqui para ver o vídeo de um tutorial em inglês do jogo e assim entender melhor sua mecânica, e aqui para dar uma olhada em um gameplay dele.

Não foi informado ainda nenhum membro da sua equipe de produção principal, todavia como o anime anterior acabou três meses atrás, em dezembro, não deve haver grandes mudanças nesse ponto - caso surjam novidades farei as devidas atualizações.

**********


Formato: TV
Data de estreia: 12/04
Estúdio: Shuka
Diretor: Takahiro Omori ("Baccano!", "Durarara!!", "Gakuen Alice", "Jigoku Shoujo", "Koi Kaze")
Gênero: Drama / Fantasia / Slice-of-Life
Tema: Sobrenatural
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um mangá com atuais 21 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui (a maior parte do vídeo apenas resume a quinta temporada) 

Sexta temporada de "Natsume Yuunjichou", anime baseado num mangá shoujo publicado desde 2005 que conta a história de Takashi Natsume, um jovem capaz de enxergar espíritos. Apresentando um teor dramático bem dosado e delicado, os principais argumentos envolvem o desenvolvimento de caráter do rapaz, tão retraído e com um passado infeliz; e seus vários encontros com todo tipo de youkai, alguns deles amistosos, outros nem tanto - sendo que muitos desses eventos ocorrem por culpa de um livro que sua avó, Reiko, lhe deixou como herança, o qual contêm nomes de youkais que ela mesma derrotou e obrigou a se tornarem seus servos. Natsume, contudo, decide devolver esses nomes aos seus respectivos donos a fim de liberta-los dessa condição, para desespero do gato gordo poderoso espírito que o acompanha, Madara, já que ele afirma estar ao seu lado e protegê-lo apenas para aguardar por sua morte e assim tomar posse do livro (mas é óbvio que, com o tempo, Madara vai se apegando a esse humano do qual frequentemente insiste dizer não se importar).

Exibidas entre 2008 e 2012, as quatro primeiras temporadas foram produzidas no estúdio Brain's Base, porém a quinta em 2016 e esta agora foi/será feita pelo Shuka ("91 Days"), estúdio recém fundado por um ex produtor do Brain's Base que cuidava dos projetos do bom diretor Takahiro Omori - de tal modo que o projeto de estreia deles foram as três novas séries de "Durarara!!", franquia cuja primeira temporada, lá em 2010, foi comandada por essa mesma pessoa. Dito isso, em "Natsume Yuunjichou Roku" Takahiro reaparece no papel de diretor, havendo ainda Sadayuki Murai ("Sidonia no Kishi", "Boogiepop Phantom") na supervisão de roteiros, o ótimo Yoshimori Makoto ("Baccano!", "Durarara!!", "Kuragehime") na trilha sonora e Akira Takata ("Haibane Renmei") no "character design".


**********

Formato: TV (9 min. por episódio)
Data de estreia: 05/04
Estúdio: Joker Films
Diretor: Tomohiro Kawamura
Gênero: Comédia
Tema: Histórico / Paródia
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um mangá com atuais 3 volumes.
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Neko Neko Nihonshi", anime que narra a conhecida história do Japão... Tendo inúmeras figuras de várias épocas transformadas em gatos. Originado de um mangá em tirinhas publicado na internet (clique aqui para ver algumas gratuitamente) que já obteve 3 volumes físicos lançados, nesta obra é possível ver personalidades como a rainha HimikoSakamoto Ryoma e o onipresente Oda Nobunaga, dentre outros, na pele de felinos revivendo conturbados e marcantes eventos nipônicos, tarefa que não parece assim tão difícil e humilhante uma vez que estes mesmos nomes já foram transformados em donzelas burrinhas, roqueiros sonhadores, lolis peitudas e até em outros tipos de animais, como foi o caso com o recente "Sengoku Choujuu Giga"...

Curiosamente, o mangaká Kenji Sonishi possui um bom número de obras protagonizadas por animais, das quais duas já viraram animes de curta duração, sendo eles "Neko Ramen" em 2006 - a história do único restaurante de lámen em Tóquio gerenciado por um gato! - e "Neko Pitcher" em 2014, que fala sobre um gato jogador de baseball, é claro - ainda há um mangá focado em um gato detetive que me faz perguntar como até hoje ninguém se interessou em adapta-lo, e para não parecer que Sonishi pensa somente nos felinos e mais nada cito também "Inu Kaisha" e "Zarigani Kachou", mangás protagonizados, respectivamente, por cachorros assalariados e camarão chefe de um escritório (!). Deixando de lado as loucuras criativas alheias, a sequência de "Neko Neko Nihonshi" prosseguirá sendo produzida pelo nanico estúdio Joker Films e tendo o novato Tomohiro Kawamura na direção.

**********


Formato: TV (3 min. por episódio)
Data de estreia: 08/04
Estúdio: TMS Entertainment
Diretor: Akitaro Daichi ("Bokura ga Ita", "Fruits Basket", "Poyopoyo Kansatsu Nikki", "Tonkatsu DJ Agetarou")
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Histórico
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um mangá com atuais 10 volumes.
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Nobunaga no Shinobi" anime baseado num mangá em tirinhas 4-koma publicado desde 2008 na Young Animal ("3-gatsu no Lion") - abusando de traços redondinhos mesclado a um humor bastante irônico e ágil, sua história é focada em Chidori, uma pequena ninja que vivencia diversos eventos históricos do Japão ao lado do onipresente Oda Nobunaga. A primeira animação acabará neste mês com 26 episódios, logo não há mudanças na equipe, que traz Akitaro Daichi na direção, Toshio Masuda ("Mushishi", "Ghost Hunt") na trilha sonora e Junko Yamanaka ("ReLIFE", "Hamtaro", "Detective Conan") no "character design". 

**********

Formato: TV
Data de estreia: 05/04
Estúdio: Bridge
Diretor: Katsuya Kikushi ("Idol Memories, "Sengoku Paradise Kiwami")
Gênero: Comédia
De onde saiu: Mangá, 7 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Adaptação de um mangá shounen publicado desde 2013 na revista Monthly G Fantasy ("Pandora Hearts", "Cuticle Detective Inaba")"Oushitsu Kyoushi Haine" será outro anime da temporada a trazer um professor como protagonista, neste caso o baixinho e cara de criança Heine Wittgenstein, que obtém o cargo de Tutor Real no palácio do reino de Grannzreich. Incumbido de dar aulas em vários quesitos a quatro dos cinco filhos do rei a fim de prepara-los para uma possível sucessão ao trono, ele encontrará certa resistência no início por parte desses nobres rapazes tão diferentes entre si, porém aos poucos conseguirá descobrir mais sobre cada um e ganhará deles a confiança e respeito necessários para poder educa-los.

O mangá possui no momento apenas 6 capítulos traduzidos, e eles são bastante introdutórios: O primeiro apresenta a premissa da história, do segundo ao quinto vemos o tal professor entrevistando os seus futuros alunos com o intuito de averiguar o conhecimento e personalidade deles, e o sexto mostrou um conflito final onde fica claro que, por ora, o protagonista de baixa estatura começou bem em seu novo emprego apesar de alguns contratempos. É pouco para emitir uma opinião sólida, porém de início até que gostei do humor usado e da interação entre os personagens.

Heine Wittegenstein conquistou o posto de Tutor Real porque ele é o melhor professor do reino, ainda que seu tamanho o faça mais parecer com um de seus alunos - tudo bem que isso é inconveniente nos momentos em que é confundido com uma criança, mas em outras óbvias situações o espertalhão não reclama nem um pouco disso. Apesar de ser hostilizado pelos príncipes logo na sua apresentação, pois não aceitam receberem ordens de alguém de classe inferior e inclusive já fizeram outros tutores desistirem do emprego devido a essa conduta, Hein rapidamente deixa evidente que... Não dará a mínima para isso, e em seguida começa as entrevistas com seus novos pupilos onde descobre que, pompas e sangue real de lado, todos eles não passam de jovens com suas falhas. Na ordem (cada link vai ter uma junção de imagens que resume a apresentação de cada um), primeiro conhecemos Leonhardt, quarto príncipe da família real que tem 15 anos e cuja fama de pessoa humilde e gentil não confere com seu orgulho excessivo e arrogância irritante, contudo isto esconde um ódio infantil por professores (equiparado ao seu desgosto por cenoura e pimenta verde!) simplesmente porque detesta estudar, e descobrirmos também que o garoto guarda um vergonhoso diário no qual escreve frases pessimistas sobre si mesmo. Já no capítulo seguinte temos Bruce, terceiro príncipe (16 anos) que é extremamente inteligente e autor de inúmeras teses, todavia carrega uma mania de limpeza doentia e, após perder pra Heine em tudo que é campo - de xadrez a música clássica, matemática e até pôquer! -, ele passa a chama-lo obsessivamente de "Mestre", algo com o qual o professor se mostra visivelmente incomodado. O terceiro na fila é Licht, belo príncipe caçula (14 anos) que é o mais sociável e tagarela do grupo e que, por trás do comportamento efeminado, fútil, descontraído e mulherengo, há em si outra faceta um tanto ambígua e ameaçadora que fez Heine ficar sensivelmente desconfiado de sua pessoa depois de terminada a entrevista. Por fim, o protagonista conversa em particular com Kai (17 anos), segundo príncipe que mais resmunga do que fala propriamente e cujo olhar assustador o faz parecer nada amigável, entretanto seu tutor percebe num instante que ali tem um jovem mal compreendido que é deveras gentil, carece de atenção e gosta de tudo que seja fofo - tipo cachorros ou professores baixinhos com cara de criança...

Terminadas as formalidades, o sexto capítulo começa com Leonhardt crente de que seus irmãos desmotivaram Heine a seguir adiante; porém, ao ver como todos estão alegremente do lado de seu maior inimigo (mesmo que por motivos questionáveis) o rapaz foge do local - que nem sempre fez pra escapar das aulas dos antigos tutores -, dando-nos assim a chance de testemunhar que o melhor professor do reino não mede esforços para ganhar a confiança de seus alunos - ainda que isso signifique montar um cavalo de maneira estranha devido à sua estatura para poder ir atrás dele. No fim tudo acaba relativamente bem - perdidos numa floresta, mas ilesos -, e é isso.

Realmente não é muito para "prever" o rumo do mangá, uma vez que não sabemos que tipos de conflitos aparecerão e tampouco vimos alguns personagens dos quais deram certa relevância, como o príncipe mais velho e o rei. Por outro lado, pelas imagens que linkei dá pra notar que trata-se de uma obra inicialmente muito bem humorada, que abusa de traços chibi - especialmente em cima do professor - e diálogos engraçadinhos; e isso, aliado ao fato de que não presenciei um fanservice excessivo em torno do esbelto elenco masculino como eu temia (só mais tarde fui saber qual era a demografia do mangá) me bastou para que eu me empolgue em ver o anime. Talvez os argumentos futuros da trama não sejam lá essas coisas ou o possível aumento do drama não bata com a comédia, mas de todo modo tentarei vê-lo.

(se bem que achei estranho ouvir no trailer uma voz tão madura pro personagem principal, mas aí já é frescura e mal costume com uma mídia onde normalmente você veria uma mulher dublando esse tipo de papel ao forçar uma voz mais grave)

A ser produzido pelo estúdio Bridge ("Seisen Cerberus: Ryuukoku no Fatalités", "Nobunagun"), "Oushitsu Kyoushi Haine" virá com Katsuya Kikuchi na direção, Kimiko Ueno ("Kuromajyo-san ga Tooru!!") na supervisão de roteiros, Keiji Inai ("Nejimaki Seirei Senki", "Heavy Object") na trilha sonora e Rena Okuyama ("Idol Memories") no "character design".


**********

Formato: TV (5 min. por episódio)
Data de estreia: 07/04
Estúdio: DLE
Gênero: Comédia
De onde saiu: Continuação do anime de 2015, baseado em um personagem que estampa diversos  produtos.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Terceira temporada de "Panpaka Pants O-New!" animação de episódios curtos que tem como destaque as aventuras de um porquinho que usa roupas de baixo. Chamado Panpaka, esse personagem foi criado em 2008 e, dando uma olhada pela internet, dá para perceber que ele possui muitos produtos levando seu nome (inclusive cuecas estilosas, lógico) e uma considerável popularidade tanto em algumas regiões do Japão, quanto até na China - que tal ouvir em mandarim uma musiquinha sobre roupas de baixo protagonizada por um porquinho? 

O anime será novamente produzido pelo DLE, estúdio experiente com animações em flash e que inclusive já lançou um filme desse personagem em 2014.

**********


Formato: TV (10 min. por episódio)
Data de estreia: 15/04
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Mangá, 3 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Eis a segunda estreia (de três) do novo bloco de animes "Anime Saturday 630" dos canais MBS e TBS, que será exibido nas manhãs de sábado - as outras animações são a já citada bem no início do guia "100% Pascal-sensei" e, logo abaixo, "Tomica Hyper Rescue Drive Head". Publicado desde 2015 na revista shoujo Ciao ("Hamtaro", "Aikatsu!"), "Puripuri Chii-chan!!" conta a história de Yuuka, garota que acaba conhecendo tanto uma criatura vinda das profundezas da Terra chamada Chii-chan (trocadilho com "chiteijin", palavra japonesa usada para designar seres que moram no subterrâneo), quanto outra vinda do espaço de nome Ucchan (trocadilho com "uchuujin", extraterrestre). Os três - e quem sabe mais surgirão, de acordo com imagens promocionais - levarão um dia a dia caótico, porém agradável e alegre juntos, e é isso.

Trata-se outro mangá sem traduções disponíveis, então fico limitado a sinopse oficial. Contudo, vale salientar que sua autora, Hiromu Shinozuka, já teve transformados em séries de TV - e bem longas - dois mangás seus nos quais humanos interagem com seres fantásticos e fofinhos em tramas leves voltadas ao público jovem femininoprecisamente "Wagamama☆Fairy Mirumo de Pon!" (172 episódios entre 2002 e 2005) que trouxe fadas, e "Chibi☆Devi!" (75 episódios entre 2011 e 2014) que apresentou bebês demônios - este último possui uma resenha no Animecote feita pela Escritora Otaku, clique aqui para visualiza-la.

Esse anime ainda não teve nada divulgado em relação a sua equipe de produção, então é bem possível que eu volte a mexer no seu texto para atualiza-lo.

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: G.CMay Animation & Film
Gênero: Ação / Aventura / Comédia
Tema: Jogo
De onde saiu: Web novel, já finalizada.
Trailer: Clique aqui (Leg. em português) e aqui - Não é certeza de que o material exibido nestes vídeos seja fiel ao que será mostrado na animação.

Baseado numa web novel chinesa publicada no site Qidian que se encerrou com 1728 capítulos e que, desde 2015, está sendo adaptada em um manhua, "Quan Zhi Gao Shou" traz como protagonista Ye Xiu, um homem de 25 anos que há uma década gasta a maior parte de seu tempo em um jogo online chamado "Glory", sendo que durante 7 anos ele foi membro de uma equipe que participa de competições profissionais - equipe essa que agora o está dispensando por não acha-lo mais competente para gerir a conta principal deles, o personagem que o próprio Ye Xiu criou no início das atividades de "Glory". Prometendo a si mesmo que voltará ao cenário profissional, logo após sua partida ele obtém um emprego no período noturno de um Cyber Cafe, e tendo uma arma personalizada ainda incompleta, mas potencialmente poderosa, além da companhia de sua chefe que também possui certa experiência no jogo, Ye Xiu tentará se reerguer virtualmente no recém lançado décimo servidor de "Glory", se aproveitando para isso do conhecimento adquirido nesses dez anos.

Eu li 16 (curtíssimos) capítulos da novel, e tanto por falta de tempo - ainda resta adicionar um bom punhado de adaptações de light novel das quais não vi quase nada  -, quanto por não ter tido paciência em seguir adiante com uma tradução fraca tão cheia de erros, acabei preferindo parar a leitura mesmo tendo me interessado pela obra mais do que imaginava. Posso, se muito, explicar um pouco melhor a premissa da história, porque esses dezesseis capítulos apenas narraram os primeiros passos do protagonista em sua nova aventura virtual.

Durante 10 anos Ye Xiu jogou no primeiro servidor de "Glory", e por ser tão habilidoso ele acabou tornando-se membro do "Excellent Era", um time profissional que com sua ajuda conquistou vários torneios e fama - porém, avesso a participar de entrevistas ou fazer propagandas, esse jogador nunca chegou a ser tão lucrativo para a equipe quanto esperavam, e isso junto com sua recente queda de rendimento o fez ter de abrir mão de seu personagem original, já que após entrar no time ele não tinha mais sua posse exclusiva. Perdendo o lugar para um jogador mais jovem enquanto que, com seus 25 anos, já é visto como um "velho" nesse ramo, Ye Xiu não aceita ficar na reserva do "Excellent Era" e decide declarar sua aposentadoria apesar dos protestos da colega Su MuCheng (a loira nos vídeos), contudo promete a ela que voltará de algum modo a jogar profissionalmente depois de ser obrigado a ficar um ano sem equipe, de acordo com as regras estipuladas por uma associação de jogadores profissionais de "Glory" em relação àqueles que se encontram aposentados.

O restante será mais breve, ou não: Ao entrar a esmo num Cyber Cafe para usar uma máquina, Ye Xiu acaba se candidatando a uma vaga de emprego no local e conhecendo Chen Guo, jogadora de "Glory" há 5 anos que fica espantada com suas habilidades após vê-lo usar seu personagem para derrotar, em meros 40 segundos, um adversário que ela mesma havia perdido 52 vezes seguidas - a moça esqueceu de se deslogar antes de ceder o computador, olha o perigo! Convencido então a participar do novo servidor que seria lançado naquela madrugada, Ye Xiu rapidamente vai subindo de nível com seu novo personagem "Lord Grim" ao mesmo tempo em que já coleciona alguns feitos neste mundo recém criado e inclusive inimigos, precisamente um jogador veterano chamado "Sleeping Moon", que tentou causar a morte indireta dele e de outros membros de uma party durante uma caçada, contudo teve seu plano descoberto e acabou morrendo no lugar. Ameaçando vingança ao gabar-se por fazer parte de uma guilda conhecida e difamando seu nome por todo o servidor ao alegar que Ye Xiu foi quem o enganou (já passei por isso nos meus tempos de Tibia...), Sleeping Moon acabou vendo seus planos novamente serem frustrados depois que até mesmo os companheiros da tal guilda "Aliança Full Moon", antes dispostos a ajuda-lo, ficaram estupefatos com suas habilidades de combate e acharam melhor não contraria-lo - mesmo porque seria inútil. Os últimos capítulos que li terminaram com essa party lutando contra um boss em certo dungeon mais perigoso que o anterior, tendo Ye Xiu liderando os ataques e os demais lhe apoiando enquanto pensavam numa maneira de recruta-lo.

Tirando o péssimo nível da tradução (seja em inglês ou português), confesso que gostei do cenário proposto e do sistema usado no jogo em si - que é um MMORPG padrão -, ainda que os supostos trechos de comédia e o exagero do drama em alguns momentos tenham sido um tanto desanimadores. A versão em manhua pode ajudar caso queira ter uma noção visual do pouco que descrevi, mas já digo que ela é bem mal resumida...

Encerrando, resta complementar o que falei dos vídeos acima: O primeiro link parece somente uma animação promocional mais caprichadinha e cheia de filtros, enquanto o segundo dá a entender que é o material final a ser visto de fato no anime - algo já acima da média considerando as produções anteriores do estúdio chinês G.CMay Animation & Film, que são bastante irregulares nesse quesito. Não achei nada a respeito da equipe de produção, mas atualizarei o texto caso surja qualquer informação relevante.

**********

Formato: TV
Data de estreia: 08/04
Estúdio: Troyca
Diretor: Ei Aoki ("Aldnoah.Zero", "Fate/Zero", "Ga-Rei-Zero", "Girls Bravo", "Hourou Musuko")
Gênero: Ação 
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Um número razoável de nomes famosos ao redor de um projeto original? Isso quase nunca acaba bem...

"Re: Creators" será a nova produção do Troyca, estúdio fundado em 2013 por Ei Aoki que terá aqui sua quarta série de TV - as outras três foram as duas temporadas de "Aldnoah.Zero" (as quais o próprio Aoki dirigiu) e "Sakurako-san no Ashimoto ni wa Shitai ga Umatteiru". Não foi dito com muitos detalhes qual será sua trama, tendo por ora somente o seguinte texto truncado que traz mais um conceito dela:

"Humanos criaram muitas histórias: Alegria, tristeza, raiva, emoções profundas. Elas mexem com nossas emoções, nos fascinam - porém, estes são apenas os pensamentos dos espectadores. E se os personagens tivessem "intenções"? Para eles, nós somos como deuses por trazer suas histórias ao mundo? Nosso mundo mudou. Inflija punição sobre o reino dos deuses. Em "Re:Creators", todo mundo se torna um Criador."

Personagens da ficção invadindo o mundo real e lutando entre si, ponto. Por qual motivo, como e etc, bem... Ou isso pode ainda ser explicado mais tarde com novos anúncios, ou só quando o anime estrear mesmo (o que certamente será o mais provável). Fiquemos no momento com as breves descrições dos personagens, originados de variadas fontes otaku: Celejia Yupitilia (que nome...), a heroína de um anime mecha de fantasia intitulado "Spirit Machine Song Vogel Chavelier"; Meteora Österreichsábia que trabalha numa biblioteca e guia o protagonista do jogo de RPG de mundo aberto "Recollection of Avalken"; Alisteria February, guerreira filha de nobres que serve o personagem principal de uma franquia de anime e mangá de fantasia épica chamada "Alisteria of the Scarlet"; Mamika Kirameki, protagonista do anime de mahou shoujo "Magical Slayer Mamika", que é voltado para garotas do fundamental; Yuuya Mirokuji, o último chefe do mangá "Lockout Ward underground-dark-night"; Rui Kanoya, líder masculino do anime de mecha "Infinite Divine Machine Mono Magia", onde ele pilota o robô Gigas Makina; Magane Chikujouin, personagem de objetivo desconhecido que aparece na light novel e anime de romance "Record of the Night Window Demon"; Blitz Tokar, ex detetive, agora caçador de recompensa, do anime e mangá "code.Babylon"; Gunpuku no Himegimi, uma garota rodeada de mistérios que veste um uniforme militar e usa um sabre com muita destreza. Há ainda certo humano envolvido nessa confusão toda chamado Souta Mizushino, que é um tímido estudante do segundo ano do ensino médio que adora animes e jogos.

Quanto ao que eu disse lá em cima sobre nomes famosos, além de Ei Aoki na direção veremos Rei Hiroe (autor do cultuado mangá "Black Lagoon") tanto na supervisão de roteiros (ao lado do diretor), quanto como sendo creditado pela história original, Hiroyuki Sawano na trilha sonora com suas composições que são boas, mas soam quase sempre iguais ("Shingeki no Kyojin", "Kill la KILL", "Guilty Crown") e Ryuichi Makino ("Hourou Musuko") adaptando o "character design" originalmente criado por Hiroe. Já entre os dubladores aparecem nomes populares como Maaya SakamotoYoko HikasaAki ToyosakiKenichi SuzumuraInori Minase e Sora Amamiya. Pessoalmente, se "Re:Creators" ao menos entregar um punhado de ação visualmente atraente já terá feito a lição de casa, desde que o roteiro não seja tão bagunçado e furado como um "Chaos Dragon" da vida e outros projetos originais do mesmo grupo que, todo ano, surgem na véspera de alguma temporada fazendo barulho devido aos profissionais reunidos, contudo acabam sendo logo esquecidos após a estreia devido a péssima qualidade do material entregue...

Ah, não vejam isso como "haterismo", eu mesmo acho interessante argumentos desse tipo ao menos como entretenimento puro onde não tento dar muita importância ao seu desenvolvimento, porém falo isso me baseando em experiências passadas nessa mídia.

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: EMT²
Diretor: Atsushi Nigorikawa ("Ani Tore! EX")
Gênero: Comédia / Romance
Tema: Escolar / Harém
De onde saiu: Mangá, 10 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

O "Kiss Note" é um livro poderoso que faz qualquer casal que tenha seu nome escrito nele acabe se beijando e eventualmente se apaixonando, independente das circunstâncias. O dono deste item é uma anjo chamada Guri, cujo trabalho como cupido é formar casais - porém, certo dia ela comete um equívoco ao escrever sem querer o nome do estudante Aino Seiji, e caso ele não escolha alguém para beijar em até 24 horas Guri acabará morrendo por conta desse descuido. Ela tenta convencê-lo a fazer isso com Akane Hiyama, popular garota de sua escola da qual o rapaz gosta, situação essa que seria perfeita se Akane também não fosse apaixonada por Seiji, mas de uma forma extremamente obsessiva e psicótica. Para piorar, após unir os dois forçosamente Guri acaba se interessando pelo rapaz durante a confusão, escrevendo seu próprio nome no caderno e assim formando um problemático triângulo amoroso que causará bastante dor de cabeça ao protagonista.

Adaptação de um mangá shounen publicado desde 2012 na revista Comic Meteor, "Renai Boukun" será sua comédia harém mais descerebrada da temporada - e mais engraçada também pelo menos pra mim, apesar de que, após um início meteórico (trocadilho nada a ver com o nome da revista!) na questão do humor, os últimos capítulos que li dos primeiros volumes já demonstraram uma sensível perda de fôlego nessa mesma área...

Quando a cupido Guri chega do nada e lhe fala sobre o tal "Kiss Note", caderno cujo estilo é "um pouquinho" inspirado em outro de vocês sabem onde, Seiji toma um susto achando que vai morrer se não beijar alguém em 24 horas, mas logo descobre que, oras, quem sofrerá esta pena será a tonta que cometeu tal erro - já ele apenas se tornará um virgem pro resto de sua vida, o que pra alguns deve soar pior do que a morte em si. Depois de beija-la imaginando que isso resolveria a situação, Guri explica que antes de tudo ela deve escrever um nome de sua preferência no caderno próximo ao dele, dando até um exemplo bem prático e traumático ao criar um casal formado pelo Primeiro-Ministro do Japão e... O presidente de certo lugar, que rapidamente se beijam ao vivo na televisão! Guri revela ser seu hobby criar casais homossexuais (ela inclusive escreveu o nome de Seiji enquanto tentava unir dois dubladores famosos) e a partir disso rumam em direção a Akane, garota admirada por todos da escola... E total yandere, que quase mata literalmente o rapaz ao vê-lo de intimidade com outra mulher.

Resumindo a desordem que ocorre em seguida, mesmo com Seiji ainda não tendo decidido fazer isso Guri termina escrevendo o nome de Akane no caderno para obrigar os dois a se beijarem, e como já disse logo acima ela mesma coloca seu nome ao lado dos dois, montando dessa forma não só um triângulo amoroso entre um jovem estudante normal, uma cupido fujoshi e uma yandere maluca (redundância), mas também com o detalhe de que todos eles estão imortais - a cupido graças a sua natureza, é claro, e os dois humanos por estarem agora ligados a esta como um casal no caderno (regras do Céu, vá entender). Quer mais bagunça? O chefe da Guri, de nome Kolari, surge na casa de Seiji - onde seus pais já sofreram lavagem cerebral para enxerga-la como membro natural da família - possuindo o corpo do seu gato de estimação, mas ainda com face humana (aliás, nas sinopses desse guia só temos gatos se dando mal, hein), e este pede que ajude sua subalterna a trabalhar direito na formação de casais, porque tudo bem um ou outro par homossexual, porém reunir somente homens por mero passatempo já é demais, né - havendo o agravante de que um cupido incapaz de cumprir suas metas será mandado direto para o inferno, e tanto Seiji quanto Akane teriam suas existências apagadas junto. Além disso, não tarda para testemunharmos o nascimento de um quadrado amorosoporque somos apresentados a Yuzugarota loira de delicada aparência que possui um amor descomunal por... Sua (meia) irmã Akane, e logicamente sem ninguém pedir Guri achou melhor escrever o nome dela no caderninho maldito e pronto, temos um harém na qual entre suas integrantes uma nem gosta de homens e detesta aquele com o qual está ligado, a outra adora o protagonista de maneira tão distorcida a ponto de esfaquea-lo à vontade por saber que ele não vai morrer, e a terceira parece só se interessar em pregar peças no coitado.

Soa - e é - bastante estúpido, mas "Renai Boukun" me divertiu rapidamente devido a sua quebra constante da quarta barreira e a boa química em torno de seu elenco desajustado. Ver os estouros de raiva da Akane com suas facas em punho e super força, Guri falando e fazendo bobagens, realizando referências nerds a outras mídias ou se perdendo em seu hobby de reunir homens, e Yuzu com sua paixão tão doentia pela própria irmã que chega a vigia-la diariamente, ter uma boneca dela em tamanho real e até mesmo vasculhar o lixo de sua casa, sem contar o líder masculino surtando com tudo isso, me foi algo realmente engraçado - por pouco mais de um volume e meio. Digo isso porque, em companhia das briguinhas internas desse pseudo harém, o mangá passou a incluir pequenas tramas com desenvolvimentos duvidosos que ficaram oscilando drasticamente de qualidade, tornando o mangá, que tanto me surpreendeu no começo, em uma comédia apenas "Boa" após alguns volumes - o elenco continuou sendo interessante com suas picuinhas, contudo os argumentos usados é que foram por vezes sem graça mesmo ou exageraram na seriedade para um cenário tão louco. Eu ainda consigo recomendar esta comédia sem problemas, mas eis aqui uma obra cujo humor parece atingir seu ápice cedo demais (claro que o mangá, com atuais 10 volumes, pode ter resolvido isso com o tempo, mas o anime pegará se muito 4 ou 5 para adaptar)

E só citando alguns eventos para mostrar o rumo - ou a falta dele - da história, a cupido inútil e os humanos que tiveram o azar de conhecê-la se intrometerão na relação entre uma aluna madura e seu ingênuo professor (segundo Guri ela já uniu tantos homens que juntar um docente e sua estudante não é algo tão ruim!), onde veremos a anjo e Yuzu formarem uma cômica e insistente dupla para fazê-lo confessar seus sentimentos e o "clímax" do caso envolverá assaltantes e Akane deixando claro que é capaz de agredir outras pessoas além do querido Seiji; também conheceremos Akua Aino, irmã do protagonista que se distanciou dele por certos motivos e que precisará ser atacada por um demônio pinguim(!) para poder reatar a relação com o irmão - ao menos em parte, já que ela não aprova sua "libertinagem" ao flagra-lo com tantas garotas em volta, e fica claro para nós que temos aqui um caso de "brocon" em evolução; e o que acontecerá, além de caretas bizarras, se o Dea... Digo, o Kiss Note for queimado? Parece que os casais formados por ele (incluso os homossexuais criados aleatoriamente) correm o risco de se separar, porém não se preocupem que Tiara, uma cupido amiga de Guri que possui um carregado visual típico de gyaru, ajudará nessa questão. Ah, e caso estejam se perguntando é óbvio que Seiji tornou-se assunto quente na escola ao - pra quem vê de fora - começar a namorar Akane, virando alvo da inveja da ala masculina, que tentará separar os dois com o auxílio de uma encrenqueira Guri disfarçada como personagem de uma franquia de jogos bastante popular. Desenvolvimento do enrosco amoroso? Bem, considerando as ocasionais declarações mais sérias (geralmente aos gritos...) e cenas de maior intimidade entre Seiji e as três garotas, essa parte do mangá promete ficar indefinida o quanto for possível...

Enfim, paro por aqui. Eu estou modificando o texto deste parágrafo dias depois de ter escrito todo o resto e, com 4 volumes lidos com maior calma e sem precisar fazer anotações e pegar imagens, minha opinião não mudou muito: É um mangá engraçadinho, okay, mas os últimos capítulos tiveram tantos eventos apelando no drama em demasia que terminei perdendo um pouco do interesse em continuar lendo. A parte romântica obteve leve avanço sobre uma das personagens, houve o surgimento de alguns argumentos sérios que não me convenceram (caso a adaptação seja fiel a conclusão de um deles deverá servir como desfecho do anime) e, de resto, se preparem para ver uma das versões animadas mais esculachadas de Deus...


Em uma frase, comecei lendo o mangá pensando "Olha, parece que esta será uma das estreias mais legais da temporada!" e terminei refletindo "Hum, ainda é bom, mas...".

A ser produzido pelo pequeno estúdio EMT² ("Nyanko Days", "Kuma Miko"), "Renai Boukun" virá com Atsushi Nigorikawa na direção, Natsuko Takahashi ("Divine Gate", "Lady Jewelpet", "Norn9") na supervisão de roteiros, monaca ("Working!!", "The iDOLM@STER", "Aikatsu!") na trilha sonora e Mariko Ito ("Log Horizon", "ViVid Strike") no "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: Studio Deen
Gênero: Fantasia
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, inspirado em personagens originais criados pela empresa Sanrio.
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Rilu Rilu Fairilu", anime cujas fadinhas protagonistas saíram de uma parceria entre as empresas Sanrio (focada na criação de produtos "kawaii" que vão desde acessórios variados a material escolar, sendo ela a idealizadora da popular personagem Hello Kitty) e Sega Sammy (fusão entre as empresas Sega e Sammy, voltada a jogos e entretenimento). Estas duas já tinham produzido juntas anteriormente a franquia de garotas mágicas "Jewelpet", que obteve 7 séries de TV entre 2009 e 2016. Mostrando as interações de uma garota humana com fadinhas vindas de outro mundo, "Rilu Rilu Farilu" é direcionado ao público jovem feminino, tendo como maior fonte de lucro os diversos produtos personalizados que têm sido lançados nesse último ano, tais como bolsas, mochilas, roupas, cadernos, lancheiras, mini figures e por aí vai.

Em relação a equipe principal de produção houveram duas mudanças significativas, sendo uma delas no posto de diretor, pois Sakura Gojou agora dividirá esse cargo ao lado de Nana Imanaka; e a outra na supervisão de roteiros, com Akemi Omode ("Princess Princess", "Arc the Lad") no lugar de Aya Matsui, enquanto que Jinshichi Yamaguchi permanece na criação do "character design".

**********

Formato: TV
Data de estreia: 04/04
Estúdio: Lidenfilms
Diretor: Minato Kazuto
Gênero: Ação / Fantasia
Tema: Escolar / Magia
De onde saiu: Light novel, 7 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Escola de magia com protagonista masculino que de início parece fraco, mas depois mostra ser bem forte e, pra variar, possui um passado trágico e etc...

Baseado numa light novel publicada desde 2014 (da qual só li um capítulo) e tendo ainda uma versão mangá (dessa vi dois volumes) lançada em 2015, "Rokudenashi Majutsu Koushi to Akashic Records" traz como cenário principal a "Alzano Magic Academy", uma escola dedicada ao ensino de magia que é localizada em Fejiti, cidade na qual uma imponente construção chamada "Castelo de Melgalius" paira há anos no ar sem ninguém jamais ter desvendado seus mistérios. O sonho da estudante Sistine Fibel é poder ser capaz de alcançar tal façanha no lugar de seu falecido avô, mas antes disso ocorrer ela conhece Glenn Radars, jovem que substituirá um professor que está desaparecido. Séria nos estudos e rígida quando se trata de normas e etiqueta, Sistine não aprova o estilo desleixado de Glenn, que em suas aulas mal se dá ao trabalho de passar qualquer lição ou responder perguntas, preferindo apenas dormir enquanto manda seus alunos estudarem por conta própria - devido a isso todos questionam o motivo de ele ter sido indicado por Celica Arfonia, uma das melhores usuárias de magia que existem, entretanto certos eventos mostrarão que o rapaz é muito mais confiável e competente do que aparenta.

Eu já tinha dito alguns guias atrás que nem faria mais questão de ler qualquer light novel cujo cenário fosse uma escola seja de magia, seja com elementos de ficção científica, uma vez que os argumentos dessas obras são sempre preguiçosamente parecidos e pobremente executados - neste caso li 1 capítulo de "Rokudenashi" e vi por cima os demais do primeiro volume para saber se a versão mangá era fiel nos eventos, e em seguida fiquei apenas com este último mesmo visto que assim perderia menos tempo. O ecchi é inesperadamente esporádico e ameno (mas isso não evita de flagrarmos garotas se apalpando no vestiário e líder masculino entrando sem querer no local, sem contar esse fetichista uniforme feminino que deixa o umbigo delas à mostra), o protagonista não é aluno, e sim professor, e há cenas mais violentas de ação, porém são pequenas variáveis de uma fórmula bastante engessada e insossa.

Oh, faltou algum fanservice como de praxe nestas cenas, mas o primeiro encontro de Glenn com a garota principal foi logicamente um tanto caótico e, no caso dele, um pouco doloroso. Sem emprego há 4 anos e de repente virando professor substituto contra a sua vontade após a já mencionada Celica - bela e enigmática mulher que o cuidou desde criança - força-lo a voltar a trabalhar, este rapaz não se esforça um mínimo que seja para exercer a sua função e até desdenha e declara que magia não tem utilidade alguma no dia a dia, o que faz a potencial tsundere com pseudo orelhas de gato Sistine perder a paciência e resolver desafia-lo para um duelo a fim de obriga-lo a corrigir sua conduta. Aí sim, confronto entre os dois protagonistas, este normalmente é o ponto no qual ele ostentaria habilidades fora do comum... Ou nem tanto, pois Glenn acaba levando uma surra dela, parecendo sequer saber conjurar qualquer magia rapidamente. Só depois de uma conversa mais séria com a estudante Rumia Tingel para apaziguar os ânimos, personagem que faz o tipo de garota despreocupada e doce que o próprio Glenn salvou de um ataque anos atrás (todavia um pensa que o outro não se lembra disso...), é que este termina se motivando a dar aulas interessantes que exibem seu vasto conhecimento sobre magia, explicando conceitos que não se encontram num mero livro didático - a esse ponto já também temos um pouco de noção quanto ao seu trágico passado, do qual somente direi que envolve o uso de magia para atividades que o fizeram lentamente se afastar dela, e é por esse motivo que no começo ele agiu de maneira indiferente a seu respeito.

Mas para sair da teoria e ir a prática, o foco do primeiro arco será a invasão da escola por um trio que faz parte da "Wisdow of the Heavens Council", uma organização onde mágicos fraudulentos cometem atos desumanos para a pesquisa de magia. O alvo deles é a simpática Rumi, que na realidade se chama Eluminana, princesa do reino que supostamente teria morrido anos atrás por uma doença! Esta será a deixa para Glenn mostrar que, novidade, possui uma habilidade única, e que ainda é bom de briga tanto com os punhos (tanto faz se contra humanos ou esqueletos vivos), quanto com o uso de magias de alto nível, isso quando lá no começo o mané perdeu para Sistine ao tentar conjurar o mais básico dos feitiços de ataque. Junto com esta garota ele salva o dia e a princesa, descobre alguns segredos sobre ela, a tal organização e quem auxiliou na invasão a escola e por fim, no segundo arco que se inicia um mês após esses eventos, novos vilões são apresentados - sendo que agora o alvo é Elumiana e Glenn, o qual um dos encarregados na missão parece conhecer bem. É mencionado que o ataque ocorrerá durante um festival onde realizarão um torneio de magia (evento clássico em muitas obras do tipo), e pronto, minha leitura do mangá parou aqui porque não aguentava mais, apesar de saber que faltavam outras garotas para aparecer ao redor do protagonista.

Ah, em relação ao tal castelo citado na sinopse... Alguns poucos diálogos voltaram a esse tópico, dizendo que ninguém sabe quando surgiu e qual seria sua utilidade, mas por ora não teve muita relevância.


E para quem quiser ver algumas imagens da light novel, clique aqui. Acho que meus comentários foram bem menos mal humorados do que o início do texto dava a entender, contudo a razão disso é que, na prática, "Rokudenashi" se encontra num nível satisfatório para tramas desse gênero vindas de light novels - um nível que pra mim é de baixíssima qualidade no geral, mas quem se interessa pelo tema poderá acabar gostando. Ele traz os argumentos e lugares comuns de sempre, porém os trata tão modestamente de acordo com a cartilha que apenas senti tédio ao lê-lo, e não raiva ou vergonha alheia igual outros títulos do mesmo grupo me fizeram passar por apresentar diálogos acéfalosacontecimentos demasiado absurdos e fanservice imbecil.

A ser produzido pelo estúdio Lidenfilms ("Arslan Senki", "Udon no Kuni no Kiniro Kemari"), "Rokudenashi" virá com o estreante Minato Kazuto na direção, Touko Machida ("DRAMAtical Murder", "Hamatora", "Karneval") na supervisão e criação de roteiros, Hiroaki Tsutsumi ("Monster Musume no Iru Nichijou", "Kuromukuro", "Long Riders!") na trilha soinora e Satoshi Kimura ("Terraformars") no "character design".

**********

Formato: TV (3 min. por episódio)
Data de estreia: 12/04
Estúdio: Typhoon Graphics
Diretor: Aose Shimoi
Gênero: Slice-of-Life
De onde saiu: Spin-off do anime de 2017, que é uma animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Para facilitar sua classificação, posso dizer que este é um spin-off de "One Room", anime ainda em exibição que, em episódios de 3 minutos cada, tem narrado em primeira pessoa a interação de três garotas com personagens masculinos cujos rostos, nomes e vozes desconhecemos - cada uma teve 4 episódios dedicados para si, sendo que a primeira foi uma jovem que se muda para Tóquio a fim de prestar vestibular e entrar numa faculdade, recebendo nisso a ajuda de seu novo vizinho; a segunda focou em uma garota que visita o irmão mais velho na mesma cidade; e a terceira, também se passando em Tóquio (perdão se eu errar a descrição, mas no momento em que escrevo este texto ela ainda não havia estreado), trouxe como destaque uma mulher de 21 anos que possui um emprego de meio período enquanto tenta retomar a carreira de cantora que se viu obrigada a abandonar. Nos meus comentários semanais sobre a temporada é possível notar o quanto esse anime foi um dos piores pra mim, devido aos eventos e diálogos tontos e afetação excessiva em cima dos trejeitos das personagens...

Mas agora é a vez deles! Trazendo a mesma divisão de episódios e duração, "Room Mate: One Room Side M" virá com três homens de variadas idades e personalidades que interagirão com mulheres em primeira pessoa, sendo eles (da esquerda pra direita na imagem acima) Takumi Ashihara, um jovem alpinista de 19 anos que ostenta um ótimo físico, não fala muito e dá a impressão de ser uma pessoa indiferente, contudo é na verdade alguém que presta discretamente bastante atenção naqueles que estão ao seu redor (o dublador será Tomoaki Ameno, que recentemente deu voz a Michele Crispino em "Yuri!!! on Ice"); Aoi Nishina, rapaz alegre e educado de 17 anos que faz parte de um grupo de teatro desde criança, mora longe dos pais que se encontram trabalhando no exterior e possui o hábito de ficar absorvido demais nos papéis que interpreta (dublado por Natsuki Hanae, que no momento tem dado vida ao protagonista de "Masamune-kun no Revenge"); e por fim Shinya Miyasaka, um empresário de 25 anos que trabalha numa famosa empresa - melhor candidato entre os três, pronto -contudo carrega uma personalidade arrogante e sádica que acha divertido brincar com os outros enquanto se comporta de maneira totalmente adversa dependendo da situação - okay, talvez este seja chato de se lidar. A ser dublado por Kousuke Toriumi (protagonista Shunsuke Imaizumi em "Yowamushi no Pedal"), ele ainda é adorado por Takumi e Aoi e visto pelos dois como um irmão mais velho - aqui este anime se difere um pouco da montagem de seu antecessor, pois as três garotas de "One Room" mal se conheciam.

Não achei nenhuma informação oficial esclarecendo a ordem dos arcos deles, porém não será surpresa se for nesta mesma na qual o trio tem sido apresentado em toda peça publicitária. A ser produzido pelo estúdio Typhoon Graphics, "Room Mate: One Room Side M" trará novamente Aose Shimoi na direção, mas agora com Chisato Nakata adaptando o "character design" originalmente criado por Hidari (anime "Fractale", light novel de "Sasami-san@Ganbaranai").



**********

Formato: TV
Data de estreia: 14/04
Estúdio: A-1 Pictures
Diretor: Kanta Kamei ("Dimensio W", "Oreshura", "Ryuugajou Nanana no Maizoukin", "Usagi Drop")
Gênero: Ação / Comédia / Romance
Tema: Escolar / Harém
De onde saiu: Continuação do anime de 2015, vindo de uma light novel com atuais 12 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Segunda temporada de "Saenai Heroine no Sodatekata", anime de 2015 baseado numa light novel publicada desde 2012 que conta a história do protagonista Aki Tomoya ao lado de seu harém não muito convencional - digo isso porque a obra ironiza e faz piadas de vários lugares comuns e artifícios usados em histórias desse gênero, apesar de, ao mesmo tempo, abusar deles para avançar em sua narrativa. Além das animações a light novel (que acabará este ano com 13 volumes) gerou ainda um spin-off no mesmo formato, três versões em mangá (que no momento contabilizam juntas 17 volumes) e uma visual novel para PS Vita em 2015.

Produzido pelo estúdio A-1 Pictures e a ser exibido no bloco noitaminA igual ao primeiro anime, a equipe principal não sofreu mudanças, e teremos novamente Kanta Kamei na direção, Fumiaki Maruto ("Classroom Crisis", "White Album 2") na supervisão de roteiros, Hajime Hyakkoku ("K-ON!", "New Game") na trilha sonora e Tomoaki Takase ("Occultic;Nine") no "character design".



**********

Formato: TV
Data de estreia: 06/04
Estúdio: P.A. Works
Diretor: Soichi Masui ("Hitsugi no Chaika", "Scrapped Princess")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Para um estúdio que sempre fez acordos para retratar fielmente cidades e vilas com o intuito de fomentar o turismo de maneira indireta, este tema lhe cai extremamente bem...

Descrito e divulgado pelo próprio P.A. Works como a terceira produção original deles a focar em algum tipo de trabalho - já que tivemos garotas trabalhando numa hospedaria em "Hanasaku Iroha" (2011) e mulheres auxiliando na produção de animes em "Shirobako" (2014) -, "Sakura Quest"  virá com um elenco feminino formado por cinco jovens que atuarão no departamento de turismo de uma pequena cidade rural em decadência. O objetivo da prefeitura local é reviver um programa de "micro-nação" muito popular anos atrás no Japão, e elas servirão como "monarcas" durante um ano nesse país fictício a fim de reacender o turismo da região.

Antes de seguir com a descrição das personagens, vale como trivialidade abordar melhor sobre a questão de micro-nações no Japão. Este texto (em inglês) já explica o tema em detalhes, mas basicamente, enquanto a primeira nação do tipo a surgir por lá foi a "New Yamatai Nation" em 1977 (não consegui achar fontes dizendo se era uma brincadeira ou tentativa real de separação), o boom dessa moda ocorreu por influência do livro "Kirikirijin" do renomado escritor Hisashi Inoue publicado em 1981, onde uma pequena vila declara independência do país e faz de seu marginalizado dialeto a língua oficial, decisão essa que resulta até mesmo em conflitos civis. Inspiradas pela obra, várias cidades e vilas começaram a declarar também sua "independência", e uso aspas aqui porque a grande maioria aproveitou-se disso para fomentar o turismo local ao ressaltar seus atributos, em destaque a área industrial - e dessa forma houveram pérolas como a "República da Batata", "O Reino do Caranguejo", "República do Álcool", "República Tsuchinoko" e "Estados Unidos de Soyanka" (palavra presente no dialeto de Osaka) e por aí vai (boa parte sequer fazia muito além de inventar um nome e focar na venda de seus produtos, enquanto outras se esforçavam para simular a visão de um novo país ao estabelecer edificações próprias, passaporte, moeda local, governantes etc). Haviam sim alguns casos de regiões que almejavam mesmo a separação, mas no geral o governo japonês via essa febre como brincadeira inofensiva e inclusive estimulava sua continuidade com eventos e visitas "formais" de políticos às nações recém fundadas (que chegaram a 200 em seu auge), porém a moda rapidamente encontrou seu fim: A crise econômica do Japão no final dos anos 80 fez elas desaparecerem aos poucos, mas hoje ainda existem cerca de 50 micro-nações em atividade (duas ou três delas com intenções sérias, mas nada ameaçadoras, de querer independência de fato, e o restante são projetos turísticos).

E para esclarecer algum possível equívoco, as sinopses do anime citam que a tal cidade na qual as protagonistas trabalharão, Manoyama, decide reviver o programa de micro-nação após ele ser suspenso devido a última crise econômica, mas pelo que é possível ver nos trailers eles devem estar falando da crise mundial de 2008.

Dito isso, resta mencionar alguns dos personagens listados no site oficial - apenas as protagonistas porque os demais não possuem textos muito interessantes. Complexada por se achar um tanto normal demais, a líder Yoshino Koharu não tem dado sorte em Tóquio, lugar onde já ouviu mais de trinta negativas enquanto procura por emprego, e no fim aceita a inusitada oferta de tornar-se monarca da micro-nação "Reino Chupacabra" (é sério! Podem ouvir um velho falando o nome aos 1:04 do primeiro trailer) apesar de detestar a vida no campo. Já a descolada Maki Midorikawa se vê obrigada a voltar para sua cidade natal após seu sonho de tornar-se atriz não ter rendido frutos, e ela é uma pessoa acostumada com empregos temporários uma vez que fazia isso direto enquanto era membro de uma trupe de teatro. Chiemi Tanaka, por outro lado, sempre odiou a vida rural de Manoyama, todavia nunca teve coragem de agir quanto a isso, e depois de terminar o ensino médio ela não conseguiu se encaixar num emprego e virou uma jovem que passa o tempo todo em casa navegando na internet - por ter dificuldades em falar com os outros Chiemi possui como única amiga a conservadora e otimista Shiori Shinomiya, funcionária do departamento de turismo da cidade que tanto ama. Por último, temos Sanae Kouzuki, mulher nascida em Tóquio que trabalhava numa empresa de TI até decidir levar um estilo de vida mais saudável e sustentável, o que a fez alugar uma velha casa no interior para trabalhar com web design.

Eu sou bastante incrédulo com a maior parte das produções do P.A. Works, contudo confesso que este foi um dos animes que mais me causou interesse à primeira vista seja pelo tema proposto, seja pela expectativa de se testemunhar um slice-of-life rural com personagens adultos bem caracterizados e desenvolvidos.

A ser dirigido pelo experiente Souichi Masui, "Sakura Quest" terá ainda Masahiro Yokotani ("All Out!!", "Free!", "Maria Holic") na supervisão de roteiros Kanami Sekiguchi ("Charlotte", "Hanasaku Iroha", "Tari Tari") adaptando o "character design" originalmente criado por BUNBUN ("Shuumatsu no Izetta", "Yuuki Yuuna wa Yuusha de Aru ").


**********


Formato: TV
Data de estreia: 05/04
Estúdio: David Production
Diretor: Shinya Kawatsura ("Kokoro Connect", "Non Non Biyori", "Stella no Mahou", "Tanaka-kun wa Itsumo Kedaruge")
Gênero: Drama / Suspense
Tema: Escolar / Super poderes
De onde saiu: Novel, 7 volumes, finalizada.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Aproximadamente metade da população de Sakurada, uma pequena cidade litorânea no Oceano Pacífico, possui algum tipo de poder. Neste local há um grupo chamado "Kanrikyoku" que controla e monitora o uso deles, e os adolescentes do primeiro ano Kei Asai e Misora Haruki fazem parte de um clube em sua escola, denominado "Houshi", que executa missões repassadas por tal grupo. Misora é capaz de resetar o mundo em 3 dias, fazendo com que qualquer evento ocorrido neste período deixe de existir - e ela própria não se lembrará deles também -, enquanto Kei possui o poder de reter perfeitamente na memória tudo que ouve ou vê, até mesmo o que se passou nos dias "apagados" por Misora ao usar sua habilidade. Combinando seus poderes, os dois conseguem assim modificar o passado para alterar o presente a fim de completar as missões passadas por Kanrikyoku.

Baseado numa novel que teve 7 volumes publicados entre 2009 e 2012 e já foi adaptada para uma versão em mangá composta por 2 volumes e outra cuja publicação teve inicio agora em fevereiro, além de dois filmes live-action (clique aqui para ver o trailer do primeiro) que serão lançados dias 25 de março e 13 de maio, "Sakurada Reset" traz uma mistureba de clube escolar e jovens com superpoderes resolvendo missões de uma organização um tanto secreta que, confesso, não me empolgou muto após ler os capítulos iniciais da versão em mangá já finalizada - pois a novel não possui traduções disponíveis. Claro que só vi metade do primeiro caso (nem esse foi todo traduzido) e foram deixadas pistas de que o problema em si é maior do que parece, mas quando surge uma pessoa querendo que você resete o mundo em 3 dias para salvar um gato, bem...

Parece bobagem, mas é isso mesmo: Depois de uma introdução básica sobre a ambientação da obra, a primeira cliente que vemos ser recebida por Misora e Kei é Youka Murase, uma mulher que pede a dupla para salvar um gato morto no dia anteriorEsta é a deixa tanto para descobrirmos como funciona o poder de Misora, que possui suas limitações (a imagem já explica tudo, mas em resumo não é possível ir e voltar no passado à vontade), quanto para conhecermos Seika Nonoo, estudante de outra escola que carrega o conveniente poder de... Conseguir dividir sua consciência com qualquer gato da cidade, o que em tese facilitará na busca pelo bichano azarado. E é nesse suspense juvenil protagonizado por um rapaz normal, normal, e uma garota inexpressiva que obedece tudo o que o companheiro fala e nunca sabemos quando está fazendo uma piada ou não (já digo que não gostei dela, e pra variar será dublada pela diva Hanazawa Kana), que vão sendo desvendadas pouco a pouco novas peças desse caso, deixando implícito que o felino seria só uma desculpa para uma situação mais grave e perigosa - ou isso, ou o mangá que supervalorizou alguns eventos e diálogos, mas prefiro acreditar no primeiro.

Perdão se o que li não serviu pra muito, porém além de não ter visto quase nada, se eu desse mais detalhes já estaria prejudicando a graça de uma história cujo gênero não permite passar tantos spoils. Como falei acima, a premissa do caso de abertura me desanimou, contudo tenho interesse em ver no anime como ele se desenrolará.

Outro ponto que gostaria de maiores esclarecimentos é a origem dos poderes para tanta gente: Uma das sinopses oficiais apenas diz que eles surgem através de desejos gentis e sinceros como "querer ser capaz de fazer desaparecer as lágrimas da pessoa a minha frente" ou "ser ouvido por alguém", por exemplo, o que dá brecha para o uso de argumentos dramáticos (e potencialmente piegas) com o intuito de explicar como esse ou aquele personagem obteve tal poder. Fechando com as descrições de alguns personagens, temos Tomoki Nakano, amigo de Kei que consegue gravar mensagens e manda-las para a mente das pessoas em qualquer (ou não, porque sequer citaram se há limitações) período de tempo; Hitsuchi-kun, um informante que odeia se encontrar com as pessoas diretamente, preferindo falar só por telefone, e pra evitar ter sua identidade descoberta usa um aparelho para alterar a voz; Shintarou Tsushima, professor na escola dos protagonistas e membro do Kanrikyoku (ah, talvez este nome mude no anime, porque o vi escrito de outras maneiras dependendo da fonte), que atua como conselheiro do clube deles; Witch, uma enigmática senhora de cargo alto no Kanrikyoku que fica trancada numa sala impenetrável o tempo inteiro e é capaz de ver o futuro; Eri Oka, garota da qual só foi dito que usa lentes de contato vermelhas e seu poder é ligado a elas, junto ao detalhe de que por algum motivo carrega sentimentos mistos de respeito e desprezo por Kei; Sumire Souma, uma colega do casal principal que dois anos atrás morreu durante uma das ocasiões na qual eles voltaram no passado (no tempo original não tinha lhe acontecido nada), sendo que desde então Kei e Misora esperam por uma chance de reverter a tragédia (parece spoil grande, mas se está na descrição da personagem é porque trarão cedo tal questão à tona).

A ser produzido pelo estúdio David Production ("
JoJo's Bizarre Adventure", "Monster Hunter Stories: Ride On"), "Sakurada Reset" virá com o ótimo Shinya Kawatsura na direção (pacing decente é o que não vai faltar neste anime, só falta o enredo colaborar também!), Katsuhiko Takayama ("Aldnoah.Zero", "Big Order", "Mirai Nikki", "Triage X") na supervisão de roteiros (esquece o que falei...) e Tomoyuki Shitaya ("Bakuman." "Shokugeki no Souma") no "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: Toei Animation
Diretor: Kazuya Murata ("Suisei no Gargantia")
Gênero: Sci-fi
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Primeira série em CG do sempre muito criticado estúdio Toei Animationa trama de "Seikaisuru Kado" começa nos apresentando Kojirou Shindou, Diretor-Geral do Gabinete de Planejamento de Políticas que se encontra no Aeroporto de Haneda para realizar uma viagem a trabalho - entretanto, conforme seu avião começava a decolar, uma estrutura gigante aparece do nada em cima dele, e Shindou com mais 251 passageiros são "engolidos" por esse misterioso objeto.

Ao desembarcaram dentro da estrutura eles são recebidos por um homem de cabelos brancos, que lhes assegura que não estão em perigo. Shindou pede então que se identifique e explique a situação, e logo em seguida uma grande tela passa a exibir o lado de fora enquanto, ao mesmo tempo, o celular de todos ali presentes começam a tocar. Nos aparelhos aparece uma mensagem deste homem, direcionada para cada habitante do país: "Eu, Yaha-kui zaSushina, lhes notifico que vou intervir nos assuntos internos do Japão" - e é com essa ousada declaração que Shindou acabará se tornando um intermediador entre a sua nação e uma raça chamada "Anisotoron".

Além dessa sinopse, algumas peças promocionais explicam que, tais como Yaha-kui, os "Anisotorons" são formas de vida que vieram de "Aniso", um "mundo fora do espaço", sendo que eles próprios criaram o espaço e coletam "informações de volume" que este gera. Ademais, é dito que a tal estrutura gigante se chama "Kado" e possui tecnologia de alto nível e mais de 2 quilômetros de largura e altura, podendo ainda criar um mundo inteiro dentro de si e inclusive ser capaz de continuar funcionando para sempre de maneira independente.

Okay, não diz nada do que poderá ser o anime, mas um extra inútil não faz mal. Junto a Kojirou, homem de 30 anos que se tornará a ponte entre os humanos e seres vindos praticamente de outra dimensão, e um bishounen com uma tecnologia avançadíssima em mãos que a usará para interferir na política nipônica (olha, fazer isso nos Estado Unidos não seria beeem mais efetivo?), há ainda outros 16 personagens já listados, nos quais apenas cinco possem pequenas fichas no site oficial - vi suas descrições e não tenho nada de relevante a dizer deles, a não ser que teremos outra protagonista de nome Saraka Tsukai, mulher de 24 anos que será uma das representantes do governo japonês nas negociações com Yaha-kui.

Estão muitíssimos abertos os caminhos que pode seguir, mas só o fato de seu elenco ser formado por adultos é um chamariz que sempre me convence a ver algum anime, mesmo que a premissa não soe tão interessante ou nova - porém aqui terei de fazer um esforço extra para aturar as expressões e movimentos rígidos em CGI dos personagens...

Comandado por Kazuya Murata, profissional que em 2013 foi autor de outra animação original de sci-fi, "Suisei no Gargantia" (nunca vi, mas já estão fazendo comparações entre as duas devido aos temas em comum), "Seikaisuru Kado" virá também com Masaki Watanabe ("Bartender", "Battle Spirits: Heroes") como diretor assistente, Mado Nozaki nos roteiros, Taro Iwashiro ("Arslan Senki", "Suisei no Gargantia") na trilha sonora, Ako Arisaka no "character design" e Yasuhiro Kato ("World Trigger") como diretor de CGI. 

**********


Formato: TV (4 min. por episódio)
Data de estreia: 03/04
Estúdio: ILCA
Diretor: Noboru Iguchi ("Yami Shibai 2nd Season")
Gênero: Terror
Tema: Sobrenatural
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui

Nova animação original de terror e com episódios de curta duração do estúdio ILCA ("Yami Shbai", "Kowabon", "Kurayami Santa"), "Sekai no Yami Zukan" será uma coletânea de histórias que focará em temas como óvnis, criaturas míticas, maldições, civilizações antigas, poderes sobrenaturais, espíritos, casos bizarros, dimensões paralelas e lendas urbanas, tudo isso narrado por meio de ilustrações que imitarão as de um livro, conforme podem ver nestas imagens prévias - enfim, veremos neste anime episódico uma mistura de elementos comuns em histórias de suspense e terror, ao contrário de outras obras desse gênero do estúdio que tratavam cada qual um campo específico.

O ator, cantor e modelo Takumi Saito está creditado como "contador de histórias" em tal projeto, e seus criadores afirmam que a intenção do anime é evocar a atmosfera retrô de histórias de terror publicadas em revistas baratas, que eram muito populares no início do século 20 e 30 (no Japão esse tipo de publicação ganhou atenção tardia, após a 2ª Guerra Mundial). Dentre a equipe principal de produção, o único nome citado por ora é o de Noboru Iguchi na direção, profissional que até hoje comandou somente a segunda temporada da desgastada franquia de terror "Yami Shibai" (a qual apenas o primeiro anime foi realmente bom, mas pelo menos ele não dirigiu a terceira ou quarta temporada da série, que são péssimas).

Caso surjam novas informações sobre essa animação original eu as divulgarei por aqui.  

**********


Formato: TV
Data de estreia: 08/04
Estúdio: Mappa
Diretor: Keiichi Satou ("Asura", "Karas", "Tiger & Bunny")
Gênero: Ação / Aventura / Fantasia
Tema: Magia
De onde saiu: Continuação do anime de 2014, vindo de um jogo para dispositivos móveis.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Segunda temporada de "Shingeki no Bahamut: Genesis", anime baseado num jogo de cartas para dispositivos móveis lançado em 2012 pela Cygames (a mesma de "Granblue Fantasy") onde, basicamente, você inicia sua aventura com somente uma carta e passa a vagar por um mundo de fantasia enfrentando monstros, realizando quests e fortalecendo seu deck, além de também ser possível duelar contra outros jogadores - clique aqui para acompanhar o vídeo de alguém passando pelo tutorial do jogo e algumas missões, e aqui caso queira apenas ver uma galeria de cartas dele. Apesar da fonte ser escassa, a primeira série trouxe uma trama de fantasia com seus habituais clichês e eventos típicos, porém caiu na graça do público devido à sua boa animação e protagonistas adultos mais "descolados", e a maioria deles voltará nesta continuação ao lado da nova líder feminina Nina Drango, uma caçadora de recompensas bastante amigável e adorada.

Com uma trama que se passará 10 anos após os acontecimentos do anime anterior e previsto para durar 24 episódios, "Shingeki no Bahamut: Virgin Soul" virá com quase a mesma equipe de produção, na qual Keiichi Satou atuará como diretor, Yoshihiro Ike ("Days", "Tiger & Bunny", Ergo Proxy") na trilha sonora e Naoyuki Onda ("Gantz", Ergo Proxy") no "character design" - a principal mudança ficará por conta da supervisão de roteiros, dessa vez a cargo de Shizuka Ooishi no lugar de Keiichi Hasegawa ("The Big O", "Devil Lady").

Vale lembrar que em abril do ano passado estava previsto para estrear no (infelizmente falecido) bloco dedicado a animações de curta duração "Ultra Super Anime Time" a série "Shingeki no Bahamut: Manaria Friends", spin-off que se basearia num evento interno do jogo e, em suma, mostraria um slice-of-life escolar com garotas de diferentes espécies. Pouco antes do início da temporada de primavera foi anunciado o cancelamento de sua exibição por tempo indeterminado, e até o site oficial dele já não tem mais listada sua equipe de produção (não que muitos estivessem ansiosos para assistir tal versão do jogo também, né).


**********

Formato: TV
Data de estreia: 01/04
Estúdio: Wit Studio
Diretor: Tetsuro Araki ("Death Note", "Guilty Crown", "Highscool of the Dead",
Gênero: Ação / Drama / Fantasia
De onde saiu: Continuação do anime de 2013, vindo de um mangá com atuais 21 volumes.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui (Leg. em inglês) e aqui

Segunda temporada de "Shingeki no Kyojin", anime de 2013 baseado em um mangá shounen publicado desde 2009 na revista Bessatsu Shounen Magazine ("Flying Witch", "Aku no Hana") - aqui no Brasil ele é publicado desde 2013 pela Panini (se encontra no vigésimo volume, de 21 lançados no Japão), editora que também publicou os dois volumes do já finalizado "Shingeki no Kyojin: Kuinaki Sentaku", além de 8 dos atuais 10 volumes de "Shingeki no Kyojin: Before the Fall", ambos spin-off que narram eventos anteriores aos da obra principal. Legítimo arrasa quarteirão, a franquia pós-apocalíptica que conta o drama de humanos enfrentando misteriosos gigantes já rendeu dois filmes animados que resumiram a primeira temporada, dois OVAs, anime de comédia com tema escolar, longas e série em live-action e várias versões em mangás e light novel paralelas, contudo como aqui estamos tratando de uma mera continuação ela terá texto enxuto que nem os demais, e pronto.

A ser produzido pelo Wit Studio ("Koutetsujou no Kabaneri", "Owari no Seraph"), "Shingeki no Kyojin Season 2" repetirá a mesma equipe do anime anterior, havendo Tetsuro Araki como diretor chefe, Masashi Koizuka de diretor assistente (este na verdade atuou em etapas diferentes na produção do primeiro anime, tais como diretor de episódio, storyboard e key animator), Yasuko Kobayashi ("Claymore", "Garo the Animation", "Shakugan no Shana") na supervisão de roteiros, Hiroyuki Sawano ("Aldnoah.Zero", "Kill la Kill", "Guilty Crown") na trilha sonora e Kyoji Asano ("Psycho-Pass", "Tokyo Marble Chocolate") no "character design". Nas últimas semanas os dois diretores deram entrevistas sobre seus trabalhos, clique aqui para ver a de Tetsuro e aqui para assistir a de Masashi (ambas legendadas em inglês).

**********

Formato: TV (9 min. por episódio)
Data de estreia: 04/04
Estúdio: Bridge
Diretor: Nobuhiro Kondo ("Nobunagun", "Sgt. Frog")
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, que por sua vez é uma releitura de um mangá já finalizado em 8 volumes.
Site oficial: Clique aqui

Segunda temporada de "Shounen Ashibe: Go! Go! Goma-chan", anime que tem como base um mangá em tirinhas 4-koma publicado entre 1988 e 1994 - criado pela mangaká Hiromi Morishita, seus oito volumes já haviam rendido duas séries de TV nos anos de 1991 e 1992. A primeira série terminará neste mês com 32 episódios e inclusive gerou uma nova versão em mangá cuja publicação teve início em abril do ano passado, e sua historinha mostra o dia a dia do garoto da primeira série Ashibe Ashiya ao lado de seus amigos, familiares e uma peculiar foca de estimação de nome Goma-chan (personagem esse que chegou a receber um jogo próprio para Super Nintendo em 1992).

Como é de se esperar por conta do (ou falta de) intervalo entre cada temporada, não há novidades na equipe de produção, que vem com Nobuhiro Kondo na direção e Toshimitsu Takeuchi ("Saint Seya: Soul of Gold") na supervisão de roteiros.



**********

Formato: TV
Data de estreia: 11/04
Estúdio: C2C / Satelight
Diretor: Jun'ichi Wada
Gênero: Drama / Fantasia / Romance / Sci-fi
De onde saiu: Light novel, 5 volumes, finalizada.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Se por um lado é chato quando você superestima uma obra antes de vê-la e acaba se desapontando, por outro é bom quando o contrário acontece, que nem foi o meu caso aqui.

Baseado numa light novel composta por 5 volumes publicados entre 2014 e 2016 - mas que já possui uma continuação com atuais 3 volumes -, "Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka?" se passa em um mundo 526 anos após os humanos terem sido extintos por misteriosas criaturas denominadas "Beasts" (detalhe: A tradução de vários termos dessa obra, inclusive nomes dos personagens, se divergem nas diferentes versões da light novel e sinopses, então me reservo no direito de errar um pouco nessa questão). Com a superfície dominada por tais seres, as raças sobreviventes como orcs, elfos, trolls, licantropos, répteis e várias outras se viram obrigadas a morar em ilhas flutuantes chamadas "Regul Aire", porém mesmo neste lugar não estão livres das espécies mais poderosas dos Beasts - e é aqui que entra em cena um grupo de fadas que são as únicas capazes de empunhar antigas armas, deixadas pelos humanos, para enfrentar o inimigo.

Tendo uma expectativa de vida baixa considerando a missão que carregam em suas costas, essas garotas conhecem Willem Kmetsch, um humano que passou todo esse tempo congelado em um lago após ter sido derrotado pelos Beasts pouco antes de sua raça ser extinta. De volta a vida há alguns meses, contudo já tendo uma grande dívida a pagar por motivos diversos, Willem aceita tornar-se uma espécie de "supervisor" destas armas vivas, tratando-as de uma maneira afetuosa que elas nunca puderam sentir antes enquanto ele próprio tenta, sozinho ou com o apoio de terceiros, se encaixar neste mundo novo e se livrar de alguns fantasmas de seu passado.

Inimigo genérico vindo sabe lá Deus de onde, garotas usando armas imensas para enfrenta-los e um líder masculino no meio delas são de fato alguns argumentos que devem desanimar muita gente - inclusive eu, é claro, e é por isso que este anime está sendo adicionado tão tarde no guia. Quando descobri que a versão mangá - iniciada ano passado - não tinha nada traduzido, lamentei o fato de ter que ler a light novel mesmo que só alguns capítulos, mas...

Ela me fez calar a boca após três bons volumes, e me arrepender de não tê-la lido antes para poder escrever a seu respeito aqui (pois agora poucos verão isso).

A trama em si ainda pode ter vários apetrechos bem otakus que tocam em lugares comuns de obras do mesmo gênero, mas creio que desde "Overlord" (quase dois anos!) eu não lia uma light novel tão bem escrita, descritiva e cujo desenvolvimento realmente me interessava - uma pena que não poderei dar opiniões tão aprofundadas, porque li 3 volumes de um trabalho curto que possui apenas 5, logo se eu "tagarelar" muito acabarei dando spoils demais.

A raça humana era fraca, entretanto tinha a tecnologia ao seu lado, o que a fazia prevalecer em cima das outras, fossem elas orcs, elfos ou dragões. Todavia, em um dia qualquer surgiram vários tipos de monstros amorfos que em pouco mais de um ano os extinguiu, mesmo que para combatê-los tenham sido desenvolvidas armas extremamente poderosas chamadas "Kaliyon" que usam uma substância denominada "Venom", a qual somente um pequeno número de pessoas consegue ativar - já quanto ao motivo de inimigos tão temíveis terem surgido há várias teorias em torno disso, prevalecendo na era atual uma onde os próprios humanos foram seus criadores. Em razão desta ideia transmitida através dos séculos, os humanos que antes dominaram todo o mundo e que hoje são conhecidos pelo termo "Emnetwyte" nos livros de história acabaram sendo mal vistos pelas espécies ainda existentes, de tal maneira que qualquer raça com traços humanoides sofre certo preconceito devido a sua aparência, dependendo da região em que vivem nas antes mencionadas ilhas flutuantes. O recém acordado de um longo sono e ex combatente Willem passa por isso (porém praticamente ninguém sabe que trata-se de uma "espécime original", digamos assim), ficando à mercê de subempregos ao mesmo tempo em que é enxergado como um ser inferior pelos outros, e é com certo ânimo mesclado a um pingo de desconfiança que ele aceita uma aparente perfeita oportunidade oferecida pelo seu único amigo, o orc Grick.

A tarefa? Supervisionar por alguns meses as armas da organização "Winged Guards", que combate as Beasts, recebendo em troca uma boa soma em dinheiro para não fazer quase nada. O confiável orc - que trabalha como "salvage", alguém que arrisca sua vida descendo até a superfície com o intuito de resgatar objetos da tecnologia do mundo antigo - realmente não tinha mais detalhes sobre essa oferta, então foi com muita surpresa que Willem descobriu que as "armas" guardadas num "armazém" em uma ilha distante são na verdade cerca de trinta fadas de 7 a 15 anos morando numa espécie de internato, onde elas ficam resguardadas da sociedade e são cuidadas para, um dia, enfrentarem as Beasts portando as hoje gastas e carentes de manutenção Kaliyon que puderam ser recuperadas da superfície - duas curiosidades inúteis sobre essas fadas é que elas naturalmente possuem cabelos de todas as cores possíveis (já cobre sagazmente um vício dessa mídia!) e são chamadas de "Leprechauns", algo que até onde eu li não foi esclarecido o motivo. Apesar de não ser obrigado, a condição delas o impulsiona a se preocupar com seu bem estar, uma vez que Willem morava num orfanato no qual era visto como um guardião pelas crianças mais novas - e inclusive era chamado por uma delas de "pai", sendo esta uma garota da qual se arrepende por nunca ter sido capaz de cumprir a promessa feita a ela de que voltaria da batalha contra as Beasts.

Após esta "segunda sinopse" esmiuçada posso dizer que o destaque nos primeiros volumes é dado tanto ao protagonista Willem (que apesar de sua grande maturidade e suposta experiência tem apenas 18 anos, uma pequena incongruência que até pode ser relevada tendo em conta outros elementos da trama), quanto a Chtholly-Nota-Seniorious (!), fada de 15 anos que é a mais velha do grupo. Mesmo trazendo esse cenário com alguns pontos duvidosos e, além disso, havendo em seu desenrolar aqueles inócuos eventos que parecem "indispensáveis" como um fanservice (bem mínimo) e pequenos mal entendidos sugestivos, o que me agradou em "Shuumatsu..." logo de início foi sua montagem em relação a este mundo em que a história se passa, já retratando decentemente a posição social e características de boa parte das diversas espécies que nele vivem, junto a breves relatos em torno da situação econômica e política deste conjunto de ilhas flutuantes - não posso dizer que é algo tão complexo quanto o que se vê num "Eragon" da vida e livros de fantasia semelhantes, por exemplo, mas para uma light novel me foi um bom trabalho que merece ser elogiado. Após esta primeira impressão positiva, testemunhamos uma narrativa que descreve muito bem os conflitos internos de Willem, seja a questão de seu (literalmente) longínquo passado ou a sensação de exclusão e perda de identidade na época atual onde a sua extinta raça é odiada, atributo esse que, na transição para uma mídia visual que é o anime, deverá ter sua força diminuída como geralmente ocorre. Ademais, também me simpatizei com a maneira que foi demonstrado seu comportamento tão maduro e afetuoso diante das garotas que são usadas como armas - ainda que algumas delas sejam somente 3 ou 4 anos mais novas do que ele, né -, e tudo isso traz à tona uma forte caracterização ao protagonista, que vai consideravelmente além do padrão visto nessas historinhas com pessoas usando qualquer poder ou arma bizarra para lutar contra monstros "misteriosos" vindos do nada. Em relação a garota de cabelos azuis cuja outra versão de seu complicado nome é Kutori, esta por sua vez agiu como uma típica adolescente com dificuldades em interpretar e expressar uma série de sentimentos por Willem, tendo o agravante de que é a primeira vez que ela entra em contato com alguém do sexo oposto - até mesmo porque, pra ser exato, fadas só existem no sexo feminino, inclusive aqui. E o interessante nesse relacionamento é ver como no começo um lado (Willem) se mostra ciente, mas reticente em reconhecer e corresponder os sentimentos do outro, já que no caso de Kutori sua paixonite pode ser apenas algo passageiro devido a novidade em ter uma pessoa como ele no seu dia a dia.

Posso concluir dizendo que o principal evento nos dois primeiros volumes é Willem conhecendo melhor a rotina das garotas e ficando íntimo delas, seguido por um longo confronto de Kutori ao lado de outras fadas contra uma Beast de alto nível - mas nesse último, ao invés de vermos textos explicando o andamento de tal batalha, acompanhamos a angústia de Willem enquanto as espera retornar com vida, bem como fazendo outras atividades inerentes a sua função de supervisor delas - o gênero "ação" neste caso nem mostrou a cara por enquanto, e pelo estilo da obra duvido que ela vá ter alguma importância, a não ser no final mesmo. Eu gostaria de esmiuçar melhor sobre alguns acontecimentos e as circunstâncias dos personagens, contudo isso me faria esbarrar em pequenas revelações de enredo que estragariam um pouco a experiência de quem fosse ver o anime - e confesso que já exagerei no tamanho de um texto prévio para uma série que estreará daqui a três dias. Resumindo minha visão a respeito de "Shuumatsu..." em uma só frase, a ótima escrita da light novel auxiliou e muito tanto na construção do protagonista, quanto na ambientação, e com tamanha competência que isto me bastou para perdoar pequenos e eternos vícios otakus ou clichês que insistiam em aparecer aqui e ali. A trama em si não é das mais criativas, lógico, porém o modo como é narrada trouxe um maior charme para ela - só não sei dizer até que ponto o anime conseguirá reproduzir esta que é a principal qualidade da light novel. Finalizando, o tom da obra nos volumes em que li foi em sua maior parte um tanto lúgubre com toques mais suaves e bem humorados em certos eventos, entretanto a expectativa deixada é a de que a tragédia se faria presente em seus últimos volumes (o que é até previsível considerando sua premissa e a situação das fadas).

A ser produzido pelos estúdios Satelight ("Nanbaka", "Macross Delta") e C2C ("Yurumates 3D", "Oneechan ga Kita"), "Shuumatsu..." virá com Jun'ichi Wada na direção, o próprio autor da light novel Akira Kareno na supervisão de roteiros, Tatsuya Katou ("Free!", "Shokugeki no Souma", "Masamune-kun no Revenge") na trilha sonora e Tooru Imanishi ("Ragnastrike Angels") no "character design.


**********

Formato: TV
Data de estreia: 15/04
Estúdio: Artland / TNK
Diretor: Kinji Yoshimoto ("Genshiken 2", "Machine-Doll wa Kizutsukanai", "Natural Obsessions 2")
Gênero: Ação / Fantasia
Tema: Ecchi
De onde saiu: Série de figures.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

Depois de verem lá em cima um anime baseado numa série de model kits, agora será a vez de figures: "The Seven Deadly Sins" (ou em japonês "Sin: Nanatsu no Taizai", só pra confundir com aquele título shounen do loiro baixinho) é uma coleção idealizada pela empresa Hobby Japan que teve início em 2013 e que, no momento, possui 26 figures de mulheres demônios lançadas - além de 3 previstas para chegar nas lojas ainda este ano, clique aqui para visualizar todas elas. Como dá pra notar pelas imagens, tal série é de considerável teor ecchi, sendo possível até mesmo despi-las à vontade de seus trajes.

No site oficial há listadas dez personagens, sete delas representando os pecados capitais: Lucifer (Orgulho), Leviathan (Inveja), Satan (Ira), Belphegor (Preguiça), Mammon (Avareza), Beelzebub (Gula), Asmodeus (Luxúria), Astaroth (que será uma tal Rainha Demônio da Melancolia), Belial (Rainha Demônio da Vanglória) e Maria (!), a única humana do grupo.

Enredo do anime? Bem, nele a orgulhosa arcanjo Lucifer desobedece Deus e é mandada para o nível mais baixo do inferno como um anjo caído, sendo que logo depois disso ela conhece uma estudante humana chamada Maria, que decide lhe ajudar (no quê?). Já no seu destino final, Lucifer se encontra com Leviathan, e esta explica sobre as "The Seven Deadly Sins", que são sete demônios que governam o inferno. Após ter seus poderes selados por elas, Lucifer inicia uma jornada ao lado de Maria e Leviathan para derrota-las.

Confesso que não entendi isso de Lucifer e Leviathan enfrentarem os tais demônios dos sete pecados capitais, já que o próprio site oficial classifica as duas nesse grupo, mas enfim... Dá pra ver que teremos mulheres de corpos sensuais lutando entre si num anime ruinzinho com bastante fanservice, e pronto, fechemos logo este texto e partamos para o anime do sacerdote safado (o quê?).

A ser produzido pelos estúdios Artland ("Mushishi Zoku Shou") e TNK ("Highschool DxD", "Seireitsukai no Blade Dance"), "Sin: Nanatsu no Taizai" trará Kinji Yoshimoto na direção, criação do conceito original e supervisão dos roteiros - ele já dirigiu algumas séries de TV antes, contudo tem mais passagens por OVAs hentai -, Masashi Suzuki ("Shuffle!", "Oda Nobuna no Yabou") na função de roteirista principal, Hiroaki Tsutsumi ("Monster Musume no Iru Nichijou", "Orange") junto com Masaru Yokoyama ("Kuzu no Honkai", "Occultic;Nine") na trilha sonora e Sachiko Yasuda no "character design".  


**********


Formato: TV (3 min. por episódio)
Data de estreia: 03/04
Estúdio: Seven
Diretor: Hideki Araki ("Depravity", "Kao no nai Tsuki", "Stringendo - Angel-tachi no Private Lesson")
Gênero: Drama / Romance
De onde saiu: Mangá digital, 10 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Pequenas doses semanais de sacanagem, é isso.

Adaptação de um mangá digital publicado desde 2014 que já teve 10 volumes lançados (que em mídia física foram compilados em apenas 3 volumes por serem pequenos), "Souryo to Majiwaru Shikiyoku no Yoru ni..." tem início quando Mio Fukaya se reencontra durante uma reunião de classe com Takahide Kujou, homem que foi seu primeiro amor na juventude. Ela descobre que Kujou herdou o templo dos pais e se tornou um sacerdote, porém sua posição atual não impede que ele cometa certo ato na mesma noite após os dois ficarem bêbados...

Sim, sim, é o que estão pensando, e isso não leva nem cinco páginas pra acontecer.

Com um título constrangedor que em tradução livre ficaria algo como "Se unindo a um sacerdote em uma noite sensual...", tal mangá e seus curtos volumes de cerca de 50 páginas cada pode ser classificado na categoria "smut", que numa definição básica seria uma espécie de material pornográfico voltado ao público feminino neste ponto recomendo um texto do nosso redator Gabriel Katsu onde ele falou sobre o assunto, e pelo que parece este seria o primeiro mangá do estilo a ganhar uma série para a TV. Olhando por cima o material original que achei pela internet, não dá pra dizer que entendi em 100% os conflitos que ocorrem nele, mas mesmo assim deu pra resumir seu conteúdo inicial (2 volumes) da seguinte forma: Sexo (ou apenas preliminares em alguns momentos, digamos assim, porém deixarei tudo no mesmo grupo), conversa sobre o relacionamento, sexo, monólogos da protagonista e discussão entre os dois, sexo, rival amoroso surgindo e já assediando a mocinha que resiste debilmente, sexo com o sacerdote ainda irritado pela "traição" da amada, outras curtas discussões e/ou monólogos, sexo novamente...

Ah, realmente teremos um triângulo amoroso ou algo parecido e acima disso, porque uma, e depois duas pessoas entrarão em cena para atrapalhar a relação do casal principal sem grandes dificuldades, 
o que evidencia que ninguém aqui é santo - esses rivais até se unirão para obter o que desejam, transformando a trama num "Kuzu no Honkai" só com adultos. Além disso, eu testemunhei a deixa para um quinto elemento nessa fórmula, mas aí parei a "leitura" a fim de não estragar tanto assim a graça da "história" do anime (isso se chegarem a essa parte, o que duvido).

E como curiosidade, o xintoísmo não proíbe que sacerdotes tenham relações e inclusive se casem, contudo o careca bonitão deste caso abusa e muito de tal liberdade...

Agora, se após verem as cenas que destaquei vocês começaram a indagar como isso será adaptado para uma série de TV, imaginem então inserir essa safadeza toda em episódios de poucos 3 minutos de duração cada. O estúdio Seven ("Danna ga Nani wo Itteiru ka Wakaranai Ken", "Recorder to Randoseru") produziu desde sua fundação 16 animes, sendo que 15 vieram com episódios desse tamanho - a única exceção foi a segunda temporada de "Okusama ga Seitokaichou!" com seus oito minutos. Já foi confirmado que "Souryo to Majiwaru" terá um tempo exato de 5 minutos na televisão, logo é de se supor que somente 3 sejam para o anime em si por conta dos comerciais - se no mangá as cenas de sexo e pegação dominam pelo menos uns 70% das páginas, é possível que na sua adaptação sequer haja um mínimo espaço para as briguinhas de casal e reflexões da protagonista, o que convenhamos, não faria grande diferença em se tratando de enredo e coesão.

E finalizando este texto sobre o anime que deverá ser um dos mais acompanhados "na surdina" pelo povo, "Souryo to Majiwaru Shikiyoku no Yoru ni..." teve por ora apenas um nome revelado da sua equipe de produção, mas trata-se de um profissional que poderá dar um grande auxílio com o seu conhecimento: O diretor Hideki Araki terá em mãos seu primeiro projeto televisivo, porém ele já carrega larga experiência no comando de... Animações hentai! Pessoalmente, dentre seus trabalhos eu recomendo "Accelerando: Datenshi-tachi no Sasayaki", Kao no nai Tsuki" e Kateikyoushi no Oneesan 2 The Animation", mas podem ver no MyAnimeList que a lista de obras adultas que dirigiu é grande. 

Oras, se é pra ousar, que tragam logo uma pessoa que entenda bem do assunto...


**********

Formato: TV
Data de estreia: 04/04
Estúdio: C-Station
Diretor: Shunsuke Tada ("Bungaku Shoujo", "Kuroko no Basket", "Seikoku no Dragonar")
Gênero: Slice-of-Life
Tema: Escolar / Música
De onde saiu: Continuação do anime de 2015, uma obra original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Segunda temporada de "Starmyu", animação original que mostra um grupo de rapazes estudando música numa escola focada em atividades artísticas - tal continuação mostrará o início do segundo ano deles nesse local. Produzido pelo nanico estúdio C-Station ("Seikoku no Dragonar"), a equipe principal não sofreu alterações, havendo Shunsuke Tada na direção, Sayaka Harada na supervisão de roteiros, Ken Arai ("Kiseijuu: Sei no Kakuritsu") na trilha sonora e Asami Watanabe no "character design".

Vale ressaltar que entre uma série e outra houve o lançamento deste OVA com dois episódios, que aparentemente se passa no final do primeiro ano escolar dos protagonistas.


**********


Formato: TV
Data de estreia: 13/04
Estúdio: Oriental Light and Magic / OLM Digital
Diretor: Akihiro Hino
Gênero: Aventura / Comédia / Fantasia
De onde saiu: Animação original integrante de um novo projeto multi-mídia.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui (podem não ser o material exato do que passará na televisão, mas eles dão uma ideia de como será o anime)

"The Snack World" será o novo projeto multi-mídia da Level 5, empresa desenvolvedora de jogos que é conhecida por meio de franquias de sucesso como "Inazuma Eleven" (que receberá um novo anime em outubro) e "Youkai Watch(a animação deste é exibida desde janeiro de 2014). Além da série de TV totalmente feita em CG, o projeto ainda incluirá de início uma versão em mangá na revista infantil Corocoro Comic - cuja publicação começou em dezembro -, linha de brinquedos da onipresente Takara Tomy, um longa animado ainda sem data prevista de estreia e um jogo a ser lançado para Nintendo 3DS em julho e dispositivos iOS e Android em dezembro - clique aqui para ver uma apresentação dele feita no ano passado.

Quanto ao anime em si, além dos vídeos acima há este curta de 8 minutos de 2015 (e tem esse outro do ano passado, porém não achei pra assistir) que mostra os protagonistas da história enfrentando uma medusa, e nele já é possível reparar no humor um tanto bobo em alguns momentos, mas moderninho e ágil que será possível testemunhar na série de TV. "The Snack World" se passa num mundo de fantasia medieval com elementos da era atual, tais como celulares, lojas de conveniência e por aí vai, e seu protagonista se chama Chup, um jovem que quando criança viu seus pais serem mortos e a vila onde morava ser totalmente destruída por um tirano, isto após os habitantes locais se recusarem a abandonar suas casas para que ele pudesse montar instalações de lazer em larga escala - não sei o nome desse vilão, mas é um gordão com dentes de ouro que aparece nos vídeos. Por conta disso Chup decide embarcar numa jornada em busca de vingança, contudo frequentes imprevistos, junto às próprias trapalhadas do garoto e seus companheiros de viagem, prolongarão a conclusão deste seu plano.

Dentre outros personagens já apresentados temos Mayone, uma às vezes violenta, mas geralmente bondosa feiticeira que serve como "tsukkomi" do grupo rebatendo as bobagens ditas, principalmente, pelo protagonista justiceiro; Pepperon, um ex cavaleiro do palácio que por certos motivos ainda não explicados abandonou essa função e hoje segue com boa vontade um garoto querendo vingar a morte dos pais; Gobu-san (ou Gobson), outro integrante da "party" que à primeira vista parece um goblin que se comporta como um velho, entretanto ele é na verdade (segundo o que alega pra todo mundo) um humano que foi transformado com o uso de magia negra; Francene, uma dragoa com nariz de porco que ama Chup desde que este salvou sua vida tempos atrás; princesa Melora, filha do monarca do reino "French Toaster" (Torradeira Francesa, sério?) que é extremamente mimada, adorada por todos os cidadãos e vira alvo da paixonite de Chup, que acata sem pensar tudo que ela lhe diz; e por fim o próprio rei sem nome que é pai da princesa, um velho homem que concede tudo que sua filha pede e manda o grupo de Chup em várias missões.

No site oficial é possível ver mais alguns coadjuvantes, tais como uma soldado com aparente dupla personalidade (estou chutando que seja mulher, mas os vídeos só exibiram sua versão militar na qual se ouve uma grave voz masculina), um robô com maneirismos sugestivos e um trio beeem questionável de homens de pele roxa e acessórios masoquistas.

Não vou dizer que achei muita graça no curta que assisti (tampouco no draminha forçado a respeito do passado do protagonista), porém confesso que até me interessei em ver o anime devido ao estilo da animação, humor e personagens. O público infantil é seu alvo principal, mas igual aos demais projetos da Level 5 há elementos nele que tentam ganhar a atenção dos mais velhos.

A ser produzido pelo estúdio Oriental Light and Magic e sua divisão OLM Digital, "The Snack World" só divulgou por ora o nome de Akihiro Hino na direção, que ainda cuidará dos roteiros e é o autor do conceito original do projeto - ele também é o criador das franquias de "Youkai Watch", "Inazuma Eleven" e "Danball Senki".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 15/04
Estúdio: Oriental Light and Magic / Xebec
Diretor: Takao Kato ("Buso Renkin", "Over Drive", "To Love-Ru")
Gênero: Aventura / Policial / Sci-fi
Tema: Mecha
De onde saiu: Linha de brinquedos.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Terceira estreia do novo bloco de animes "Anime Saturday 630" dos canais MBS e TBS, "Tomica Hyper Rescue Drive Head: Kidou Kyuukyuu Keisatsu" tem como origem uma linha de carrinhos em miniatura da empresa Takara Tomy, conhecida fabricante de brinquedos e produtos diversos para crianças e pré-adolescentes. Iniciada em 1970, ela já lançou mais de 880 modelos diferentes nesse período, e a série "Tomica Hyper", centrada em veículos de resgate, policiamento e maquinários, foi criada em 2006.

A história da animação se passará em um "futuro próximo" onde, para responder a desastres que vão além da compreensão humana e crimes cada vez mais complexos, a polícia de emergência móvel Hyper Rescue (organização inicialmente criada pelo governo para salvar vidas) desenvolveu os "Drive Heads", que são unidades policiais especializadas em policiamento, combate ao fogo e resgate. Se transformando de veículos normais para máquinas humanoides de grande mobilidade e potência, os Drive Heads são dirigidos por crianças do fundamental que juntam forças com outros adultos.

Certo.

O site oficial lista quatro pilotos mirins, que são Go, que dirige o especialista em policiamento "Drive Head 01 Sonic Interceptor"; Taiga Yagura, responsável pelo mecha de combate ao fogo "Drive Head 02 Rescue Back Draft"; e os gêmeos Jin e Makoto, motoristas da unidade de resgate "Drive Head 03 White Hope".

Mais besta do que crianças sendo recrutadas para patrulhar a cidade, é ver que nesses brinquedos há veículos comuns dentro de veículos enormes, que se transformam em robôs enquanto os carros normais servem no máximo como suporte para a cabeça do mecha...

Já previsto o lançamento ainda na primavera de brinquedos inspirados nos personagens e máquinas que aparecerão no anime, "Tomica Hyper Rescue Drive Head" virá com Takao Kato (nome experiente em obras desse gênero voltadas ao público infantil) na direção, Kenichi Araki ("Megaman NT Warrior") na supervisão de roteiros e Takumo Norita no "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 02/04
Estúdio: Zero-G
Diretor: Ryouichi Kuraya
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Ecchi / Escolar / Sobrenatural
De onde saiu: Mangá, 19 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Sempre tendo ao seu lado o obi deixado por sua mãe, o estudante Kazuya Kagami se espanta ao vê-lo um dia se transformar numa linda garota de cabelos azuis chamada Kiriha, que o salva de uma queda do telhado da escola e logo depois o protege do ataque de um ser que ela denomina "amasogi". Após isso Kiriha passa a morar com o garoto em sua casa, e em pouco tempo novos casos sobrenaturais começam a surgir pela cidade, cabendo aos dois resolvê-los.

Tendo já passado por três revistas seinen desde o início de sua publicação em 2007, (atualmente está na Monthly Action), "Tsugumomo" deverá ser o anime de teor ecchi mais expressivo da temporada, de acordo com os 3 volumes do mangá que eu li com grande esforço. 
Neles tivemos um jovem virando o centro de casos sobrenaturais enquanto garotas iam se acumulando ao seu redor, neste caso a já citada Kiriha, que é uma "tsukumogami" (objetos que passam dos 100 anos de existência e tornam-se conscientes) possuidora de um vocabulário muito antigo que manda e desmanda no garoto, o tratando como seu servo (apesar de geralmente o explora-lo mais apenas para obter pudins e massagens gratuitas); Chisato Chikaishi, nerdinha amiga de infância do protagonista que logo nas primeiras páginas do mangá a vemos ter seus modestos seios sendo apalpados por um Kazuya dorminhoco, para logo em seguida batê-lo com um harisen (acessório que sabe usar muito bem para formar combos quando preciso!) e dar um de seus inúmeros e longos sermões nele; Kukuri, deusa local pobretona que de início se apresenta com uma máscara imponente, contudo ao tira-la volta ao seu estado original de loli (detalhe só para atiçar alguns, nessa imagem que linkei ela fica nua quando isso acontece); e Kokuyou, sacerdotisa inexpressiva do templo de Kukuri cujo tamanho de seus peitos se comparam à sua fome desmedida - agora nessa imagem que passei tem alguém os apalpando com sua permissão, só dizendo. Há ainda a irmã do protagonista, Kazumi Kagami, que na maioria das cenas apareceu exibindo uma preocupação excessiva pelo irmão e, que novidade, indagou se o mesmo gostaria de tomar banho com ela...

Conforme explicado por Kiriha, amasogi são objetos que, ao contrário dos tsukumogami, se mostram irracionais e nascem absorvendo os sentimentos intensos de alguém, causando problemas por conta disso - a primeira aparição deles no mangá foi por meio de uma peruca que possuiu um aluno, e em outros casos teremos uma biblioteca inteira tomando vida depois de Kasuya se esquivar de um pedido de Chisato (e como um clássico líder masculino desligado ele não percebe a razão disso, é claro), um feroz minotauro criado por outro estudante após ele usar um caderno que dá vida ao que é desenhado nele, e (esse por ora o mais bizarro) a escola toda se tornando um dating sim por culpa novamente de mais um aluno, que faz isso depois de ser rejeitado por Chisato. Sorte do protagonista que é sua amiga de infância, pois assim ele usa o golpe "memórias doces que temos juntos quando crianças" para impedir que a garota seja "conquistada" pelo outro por meio dos eventos habituais nesse tipo de jogo - e assim, não que eu queira atiçar de novo, mas o rival usou como base um jogo para maiores de 18, então o final dele é um tanto picante demais, entendem (ué, cadê as imagens para mostrar isso, cadê).

Brincadeiras à parte, "Tsugumomo" traz uma quantidade razoável de sequências de ação - a maioria um tanto coreografada e destrutiva como esta, e outras tendo apenas duas garotas com uniforme para educação física duelando numa versão mais frenética da queda de braço - e, em relação a enredo central, vi somente menções ao passado de Kazuya e Kiraha e a missão dada por Kukuri, já que ele é o causador dessas anormalidades mesmo que sem querer, a exorcizar todos os amasogi que surgirem na cidade. Tal argumento abre caminho para o início do treinamento do protagonista no uso de Kiraha como arma em seu formato original de obi (devem ter visto em algumas imagens os dois o usando nas lutas), havendo aqui a habitual evolução de ir aprendendo aos poucos e ficando mais forte e bem preparado. Nesse meio tempo, entre avançar a história de um lado e gastar capítulos inteiros com eventos leves e de maior tom humorístico que não parecem ter importância alguma, somos agraciados com um material ecchi composto por seios (alguns deles sem mamilos!), censura conveniente, pantyshots, posições sugestivas, atos embaraçosos realizados com indiferença (principalmente por Kiraha), pés (o autor os desenha muito bem!) e outros métodos que pra alguns serão um pouco questionáveis, como o hábito da tsukumogami de normalmente castigar Kazuya pisoteando em suas partes íntimas, esteja ele vestindo alguma roupa ou totalmente nu clique aqui para ver a relação de algumas imagens do gênero. E se uma loli é pouco, saibam que em certos momentos Kiraha ostentará a aparência de uma garotinha por ter usado todo o se poder, o que torna alguns desses trechos pervertidos potencialmente mais duvidosos...

Esta será uma estreia da qual passarei batido: Serei franco ao dizer que o ecchi e a arte simpática do mangá foram o que mais me seguravam pra continuar lendo uma vez que achei fracos a história e personagens, porém ambos não são motivos o suficiente para eu assistir o anime e tampouco exibirão a mesma qualidade nesta adaptação (a censura atrapalhará um deles, e a animação de baixo orçamento prejudicará os dois).

A ser produzido pelo estúdio Zero-G ("Battery", "Piace: Watashi no Italian"), "Tsugumomo" terá Ryouichi Kuraya na direção e supervisão de roteiros, Yasuharu Takanashi ("All Out!!", "Fairy Tail", "Gantz", "Jigoku Shoujo") na trilha sonora e Kiyotaka Nakahara ("Green Green", "Ichigo 100%") no "character design".

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: Feel.
Diretor: Seiji Kishi ("Angel Beats!, "Assassination Classroom", "Jinrui wa Suitai Shimashita", "Persona 4: The Animation", "Seto no Hanayome", "Yuuki Yuuna wa Yuusha de Aru")
Gênero: Romance
Tema: Escolar
De onde saiu: Animação original.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui

Quando não se tem de menos, tem demais: "Tsuki ga Kirei" é uma animação original que basicamente narrará outro romance escolar (talvez com uma pitada de esporte junto), e apesar de na prática não haver muito a ser dito, o seu site oficial e outros anúncios já divulgaram textos bem grandinhos sobre a maior parte do elenco - porém, ao lê-los dá pra notar que quase tudo é enrolação e comentários bastante vagos, logo seria inútil (e chato) traduzi-los na íntegra.

Ignorando também as sinopses cheias de floreios sobre a adolescência, teremos quatro protagonistas, que serão a inocente e amigável Chinatsu Nishio, membro do clube de atletismo que é ótima corredora e se encontra (que nem os outros principais) no terceiro ano da "junior high school", período que no Brasil seria equivalente a 9ª série do fundamental; 
Kotarou Azumi, um rapaz despreocupado e não muito afeiçoado aos estudos que é presidente do clube de literatura e sonha em tornar-se escritor; Akane Mizuno, uma tímida e estudiosa garota que também é membro e corredora do clube de atletismo e, no início do terceiro ano, conhece e faz amizade com Kotarou ao caírem na mesma sala; e o confiável Takumi Hira, presidente do clube de atletismo que há anos gosta de Akane, porém nunca teve coragem de revelar isso - e pra variar todo mundo desconfia desses seus sentimentos, exceto o alvo deles.

A série promete focar nas experiências e crescimento de tal quarteto enquanto enfrentam um novo ano escolar, e dá pra notar que poderá sair daí um possível triângulo amoroso considerando a posição inicial deles. O site do anime lista ainda outros 17 personagens, dentre professores, colegas de classe, de clube e pais dos protagonistas: Como citar as descrições de qualquer um seria irrelevante já que se resumem a "Gosta disso, daquilo, age assim, desse jeito, é pai/amigo/professor daquele personagem..." e etc, eu vou fechar o texto por aqui mesmo.

A ser produzido pelo estúdio Feel. ("Kono Bijutsubu ni wa Mondai ga Aru!", "Dagashi Kashi"), um nome curioso na equipe de "Tsuki ga Kirei" é o do popular Seiji Kishi na direçãoprofissional que já cuidou de animes com tudo quanto é gênero, apesar de possuir maior experiência com adaptações de jogos e comédia - já na área romântica seus destaques são o hilário "Seto no Hanayome" e o sentimental "Angel Beats!". Junto a ele veremos Yuuko Kakihara ("Orange", "Chihayafuru 2", filmes de "Digimon Adventure tri.") na supervisão de roteiros, Takurou Iga ("Fuuka", "Mahou Shoujo Ikusei Keikaku") na trilha sonora e Kazuaki Morita ("Assassination Classroom", "Ore no Imouto") no "character design".

**********

Formato: TV
Data de estreia: 07/04
Estúdio: J.C. Staff
Diretor: Yoshiaki Iwasaki ("Bottle Fairy", "Hayate no Gotoku!!", "Love Hina", "Miss Monochrome", "Zero no Tsukaima")
Gênero: Ação / Comédia
Tema: Mahou shoujo / Paródia
De onde saiu: Spin-off do anime de 2011.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

A franquia de "Kaitou Tenshi Twin Angel" teve início em 2006 com garotinhas mágicas sendo usadas como protagonistas de máquinas de pachinko - ou caça-níquéis, e neste vídeo comemorativo de 10 anos podemos ver brevemente como elas eram. As personagens se popularizam, e com isso foi produzido um OVA de 2 episódios em 2008, uma série de TV em 2011 e outro OVA de 2 episódios em 2014. Seu argumento nessas animações é bem básico: Nelas temos duas (e depois três) jovens que, além de estudantes, levam uma vida secreta de garotas mágicas chamadas "Twin Angel", protegendo a cidade onde vivem de uma organização malvada qualquer e outros vilões.

Eu só vi a série de TV com seu ótimo elenco de dubladoras nos papéis principais (Yukari TamuraKugimiya Rie e Mamiko Noto), e não devo dizer que gostei dela... É um anime que parodia o subgênero mahou shoujo (por exemplo, há um rapaz mais velho, auto denominado "Misty Knight", que imita o estilo de Tuxedo Mask de "Sailor Moon" e sempre aparece nas horas em que as garotas se veem numa situação complicada) ao mesmo tempo que se aproveita consciente e alegremente de todos os truques existentes nesse tipo de história. Não consigo recomenda-lo devido a experiência que tive mesmo sabendo de suas reais intenções, mas quem é afeiçoado a um anime clássico de garotas mágicas vale dar uma conferida.

Já "Twin Angel Break" virá com novas protagonistas na função de Twin Angels, sendo elas a enérgica e às vezes insistente Meguri Amatsuki (cabelo laranja na imagem acima) e a indiferente e antissocial Sumire Kisaragi (cabelo roxo). Por intermédio e ordens do porco-espinho Miruku-chan - que será dublado, olha só, por Kugimiya Rie -, as duas se conhecem e são obrigadas a unir forças para combater o mal, tarefa essa que inicialmente se recusam a fazer, mas aos poucos vão se tornando amigas conforme lutam lado a lado.

Não está confirmado se em algum momento aparecerão as garotas dos animes anteriores, apesar de no segundo trailer (aos 1:09) ser possível vermos elas de relance, mas é isso. Além do novo anime, a franquia também lançou recentemente um jogo para smartphone (uma espécie de visual novel que terá 14 capítulos no total) e divulgou vídeos de outro projeto por ora intitulado "Twin Angel Break Project???" clique aqui e aqui para vê-los, sendo que os produtores já adiantaram que não se trata de outro anime ou jogo.

A ser produzido pelo estúdio J.C. Staff ("Amanchu!", "Urara Meirochou", "Taboo Tatto"), "Twin Angel Break" terá o experiente Yoshiaki Iwasaki na direção (ele também comandou a série de 2011)Michiko Itou ("Hentai ouji to Warawanai Neko", "Ro-Kyu-Bu!") na supervisão de roteiros, Gin ("Kono Bijutsu-bu niwa Mondai ga Aru!") na trilha sonora e Mika Takahashi no "charatcer design". 

**********

Formato: TV
Data de estreia: 09/04
Estúdio: P.A. Works
Diretor: Masayuki Yoshihara ("Mai no Mahou to Katei no Hi") 
Gênero: Comédia / Drama / Fantasia / Slice-of-Life
De onde saiu: Continuação do anime de 2013, vindo de uma novel.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui (este link leva a página do anime no Facebook, onde postaram o mesmo trailer com legendas em inglês) e aqui

Segunda temporada de "Uchouten Kazoku", série baseada em uma novel publicada em 2010 por Tomihiko Morimi (autor de "Yojouhan Shinwa Taikei", outro livro seu que virou anime) cuja história é centrada nas conturbadas relações envolvendo humanos, tanukis e tengus na cidade de Kyoto - com destaque para a família de tanukis Shimogamo e seus quatro irmãos. Após ter sido apresentada no primeiro anime uma junção muito bem coesa e madura entre comédia, drama e fantasia, esta continuação se baseará no segundo livro que foi publicado em 2015, intitulado "Uchouten Kazoku Nidaime No Kicho". A propósito, também existe uma versão em mangá de 4 volumes lançada de 2013 a 2015, que adapta a história já mostrada na animação de quase quatro anos atrás.

Pela primeira vez o estúdio P.A. Works ("Shirobako", "Charlotte", "Angel Beats!") fará uma sequência para um de seus trabalhos, e por enquanto parte da equipe do anime anterior segue a mesmacom o prata da casa Masayuki Yoshihara na direção (que ao contrário do que se esperava depois da ótima recepção, nunca chegou a comandar outra animação nesse período) e Kousuke Kawazura tanto adaptando o "character design" originalmente criado por Kouji Kumeta (autor dos mangás de "Sayonara Zetsubou Sensei" e "Joshiraku"), quanto atuando como diretor de animação. Harumi Okamoto ("Dimension W") e Yusuke Takeda ("Shirobako", "Hal") também reaparecem juntos na direção da arte, ao passo que outros cargos seguem sem definição oficial - porém quaisquer novidades relevantes serão adicionadas aqui.


**********

Formato: TV
Data de estreia: 03/04
Estúdio: Shin-Ei Animation
Diretor: Hirofumi Ogura ("Bakumatsu Gijinden Roman", "Kuroshitsuji II")
Gênero: Comédia / Drama
De onde saiu: Remake do anime de 1989, vindo de um mangá já finalizado em 6 volumes. 
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aqui e aqui

O pior vendedor com o qual você poderia esbarrar.

Mesmo aqueles que são mais novos devem ter ouvido falar em algum momento, seja em notícias de sites (principalmente aqueles rankings de audiência semanais) ou referências em animes, sobre "Doraemon", o famoso gato robô azul vindo do futuro que possui mil e uma bugigangas e, no momento, tem uma série de TV sendo transmitida desde 2005 o mangá do qual ela se originou durou 45 volumes publicados entre 1969 e 1996, ao qual já tinha recebido antes outras duas séries animadas em 1973 e 1979, sendo esta segunda a que chegou a ser exibida incompleta no Brasil pela TV Manchete nos anos 90 e, em 2014, passou a ficar disponível no Netflix. Ainda há filmes, especiais, milhares de produtos personalizados... Enfim, daria pra falar bastante desse felino bizarro, mas o foco aqui não é ele.

O citei porque "Doraemon" foi criado por "Fujiko, F. Fujio" (nome real Hiroshi Fujimoto, cuja morte em 1996 interrompeu a aventuras do gato robô) em conjunto com "Fujiko, Fujio (A)" (nome real Motoo Abiko), mangakás que até 1987 formaram uma dupla usando o pseudônimo "Fujiko Fujio.". Durante esta parceria eles lançaram vários outros mangás juntos, e após a separação cada um usou seu próprio pseudônimo (os que acabei de citar) e Motoo Abiko publicou "Warau Salesman", título que obteve 6 volumes entre 1989 e 1995, além de um anime com 103 episódios de 10 minutos cada de 1989 a 1992, uma série live-action em 1999 e inclusive um jogo para Sega CD em 1993 que adaptou os três primeiros episódios da animação. Sua história é focada no naaaada suspeito Fukuzou Moguro, um auto declarado vendedor que com seu largo sorriso viaja pelo país abordando pessoas e oferecendo a elas soluções para seus principais problemas - o detalhe aqui é que ele lida com essas situações de uma maneira que de início parece satisfazer seus pobres clientes, porém estes acabam no final sofrendo consequências muito maiores do que esperavam.

Para ser mais preciso, Moguro é um grande troll, porque geralmente tais casos (que são episódicos) terminam com um lado em situação pior do que estava no início, e o outro rindo sem parar pelo que fez, não havendo aqui a todo momento grandes lições de moral por alguém querer demais ou então uma "vingança" em cima de pessoas de má índole, mas apenas um senhor esquisito se aproveitando das fraquezas dos outros.

Eu achei um fansub americano quase inativo que anos atrás legendou 25 episódios do anime de 1989, e pude assistir 4 na data em que estou adicionando este texto. Não quero dar spoils da resolução de cada caso, mas posso dizer que no primeiro episódio Moguro aborda um homem que, apesar de por fora ser uma pessoa admirável da qual colegas de trabalho e família o tratam bem e lhe confiam pra tudo, por dentro ele não aguenta mais tanta pressão para parecer alguém perfeito, alegando ser uma fraude cujo respeito recebido não é merecido - e o vendedor charlatão promete então apresentar uma pessoa que o tratará bem sem ter expectativa alguma nele, apesar da maneira "um pouco" literal que isso ocorrerá (resultando numa cena final deveras patética e perturbadora); no segundo conhecemos um pai de família tentando aprender a dirigir por influência de seu filho, mas por ser tão ruim nas aulas de direção acaba atraindo a atenção de Moguro, que oferece um curso "alternativo" totalmente de graça (ele nunca cobra nada de seus clientes, aliás) que certamente traumatizará o coitado e o fará nunca mais por as mãos num volante; no terceiro surge um solitário trabalhador de escritório para o qual Moguro apresenta uma pretendente, ou somente a foto dela primeiro, dizendo que o rapaz deve antes se preparar para poder encontra-la pessoalmente (e falo apenas que este encontro lhe será fisicamente muito dolorido...); e no quinto episódio - pulei o quarto sem perceber! - o alvo do protagonista é um estudante entediado com a vida, que passará por muito mais emoções e sobressaltos do que procurava (e tinha de aparecer mulher no meio pra isso, né). Uma observação curiosa é que o nome de cada personagem é relacionado ao seu defeito, posição ou personalidade, tais como Uranari (pessoa de aparência pálida, débil) ou Tanomo (sujeito confiável), por exemplo.

Não posso afirmar que me foi lá empolgante assistir o começo desse anime, pois não curti o seu estilo de humor e as premissas retratadas também não me foram interessantes - só os desfechos das histórias em seus minutos finais é que me causaram maior interesse, pois eram eventos que fugiam do previsível e carregavam uma tremenda injustiça, onde quem ria por último e melhor era sempre o canalha do Moguro. Vale notar que "Warau Salesman" é uma obra que aborda temas adultos, como prostituição, embriaguez, jogos de azar e etc, contudo faz isso de modo escrachado, sem grandes alardes, e usando um estilo de animação e narrativa que minimizam seu impacto.

A ser produzido pelo estúdio Shin-Ei Animation ("Tonari no Seki-kun", "Denkigai no Honya-san"), "Warau Salesman New" virá com Hirofumi Ogura na direção, Asami Ishikawa, Midori Natsu e Naohiro Fukushima na criação dos roteiros, Kouhei Tanaka ("Hyouka", "Onihei") na trilha sonora e Fujio Suzuki no "character design". Não foi informado se esta nova série terá episódios de curta duração, entretanto já divulgaram os primeiros dubladores convidados (que darão voz às vítimas de Mokuro), havendo no meio nomes populares como Kana AsumiTakuya Eguchi e Soma Saitou - quanto ao dublador do personagem principal este será Tessyo Genda, que substituirá o autor da voz original Tooru Oohira, profissional que faleceu em abril do ano passado.


**********

Formato: TV (10 min. por episódio)
Data de estreia: 03/04
Estúdio: Studio Deen
Diretor: Minato Kazuto
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
Tema: Escolar
De onde saiu: Continuação do anime de 2016, vindo de um livro ilustrado.
Site oficial: Clique aqui

Quinta temporada de "Washimo", anime iniciado em 2014 que é baseado em um livro infantil do escritor Kankuro Kudo e ilustrador Hajime Anzai. Com episódios de 10 minutos cada a serem exibidos pela NHK, ele conta a história de Hiyori, uma garota cujo pai, para consola-la pela morte recente de sua avó, constrói uma "robô-vovó" substituta chamada Washimo. Segundo descrições do livro que usarei aqui por pura enrolação, Washimo anda mais rápido que uma lesma, porém mais devagar do que um besouro - entretanto, ela na verdade pode correr mais rápido que um trem-bala (anotem isso, pode ser importante). De todo modo, é acompanhado as diversas experiências que as duas passam a enfrentar juntas ao lado de sua família e amigos.

Ainda produzido pelo Studio Deen, "Washimo 5th Season" também seguirá com Minato Kazuto na direção.



**********

Formato: TV (9 min. por episódio)
Data de estreia: 02/04
Estúdio: CoMix Wave Films
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Continuação do anime de 2014, uma animação original.
Site oficial: Clique aqui


Segunda temporada de "World Fool News (TV)", anime que foca na excêntrica rotina do elenco de um nada respeitado noticiário noturno. Para ser preciso, a história começa com a transferência de Ichitarou Takahashi para o "World Fool News", um dos programas menos populares do canal Central TV que possui a fama de reunir funcionários um tanto incomuns. Eu vi somente 2 dos 6 curtos episódios da série em ONA de 2013 (um ano depois ela foi pra TV com alguns episódios a mais), e dá pra resumir que o personagem em questão é um tsukkomi ao redor de vários bokes, indo desde um chefe relaxado e cafona a "velhinha do tempo" e colega desmiolada, sendo obrigado ainda a aturar conversas esdrúxulas e dar notícias que, em geral, são totalmente inúteis. Confesso que até me simpatizei pelo que vi, pois seu estilo de humor foge um pouquinho do normalmente visto em animes (contudo também houve muita piada que me fez sentir idiota por estar presenciando-a).

O estúdio responsável pelo anime ainda é o CoMix Wave Films ("Kimi no Na wa.", "Kanojo to Kanojo no Neko: Everything Flows"), porém não consegui verificar nada quanto a sua equipe de produção - até da temporada anterior é difícil achar informações confiáveis.

**********

Formato: TV
Estúdio: Studio Gallop
Diretor: Masahiro Hosoda
Gênero: Ação / Fantasia
Tema: Jogo de cartas
De onde saiu: Franquia "Yu-Gi-Oh!".
Site oficial: Clique aqui

Sétima série de TV de "Yu-Gi-Oh!", franquia que teve origem em um mangá com 38 volumes publicados entre 1996 e 2004 que se tornou um imenso sucesso como jogo de cartas a partir de 1999. Dentre essas animações "Yu☆Gi☆Oh! VRAINS" será o quinto spin-off a ter uma história própria, e ele substituirá "Yu☆Gi☆Oh! Arc-V", que começou a ser exibido em 2014 e terminará agora dia 26 de março com 148 episódios.

Fora a certeza de que o Studio Gallop produzirá esta série (eles só não cuidaram do primeiro anime, de 1998, que é considerado como "temporada 0" pelos fãs) e o fato de que o novo protagonista de penteado feioso se chamará Yuusaku Fujiki, não foi dito nada de relevante seja sobre a trama do anime, seja a respeito de sua equipe de produção. Caso divulguem nas próximas semanas algo nesse sentido eu atualizarei o texto.

Edição, 24/03:
Além de Masahiro Hosoda na direção, foi confirmado que Shin Yoshida (boa parte dessa franquia, "Sacred Seven", "Speed Grapher") ficará a cargo da supervisão de roteiros, Shinkichi Mitsumune ("Zero no Tsukaima", "Furi Kuri", "Rozen Maiden", "Yu-Gi-Oh!")da trilha sonora e Ken'ichi Hara ("Yu-Gi-Oh! GX") do "character design".


**********

Formato: TV
Data de estreia: 10/04
Estúdio: White Fox
Diretor: Tetsuo Hirakawa 
Gênero: Ação / Fantasia
De onde saiu: Light novel, 9 volumes, em andamento.
Site oficial: Clique aqui
Trailer: Clique aquiaqui e aqui

Como estou adicionando muito tarde no guia esse e outro anime de maior expressão, acabei me dando a liberdade em não ser detalhado nos seus textos e tampouco ler muito do material de origem deles - farei praticamente a junção de sinopses com opiniões breves e rasas. Quem acompanha estas postagens e gosta dos comentários que faço para cada estreia pode achar chato, e pessoalmente também fico sem graça em ter que "desistir" disso para encerrar de vez o guia, porém precisei dar atenção a outros assuntos do blog e nem haveria mais tanta importância em escrever longos textos antecipando animes que, na verdade, já tiveram 2 episódios exibidos cada um.

Se muito, culpem principalmente o excesso de light novels presentes nessa temporada, que foi o que mais me desanimou em continuar lendo tudo.

Adaptação de uma light novel publicada desde 2014, "Zero kara Hajimeru Mahou no Sho" se passa no ano de 526 em um mundo onde a Igreja persegue bruxas devido a sua ligação com feitiçaria, e seres metade humanos, metade bestas conhecidos como "Fallen Beasts" - nascidos ocasionalmente da união entre humanos normais - são desprezados pela sociedade e perseguidos por bruxas para serem usados em seus feitiços. Durante exatamente uma dessas situações certo mercenário, do qual não sabemos seu nome, esbarra em Zero, uma bruxa baixinha que o ajuda a escapar apesar de ter acabado com a sopa que ela, faminta, havia levado tanto tempo para preparar. Após se separarem e se reunirem de novo, Zero - em troca de um pouco de comida - explica a ele que deseja contrata-lo como seu guarda-costas, pois no país em que se encontram a caça às bruxas é tensa e ela precisa encontrar Thirteen, um homem que estaria em posse de um perigoso livro (escrito pela própria Zero) que ensinaria os conceitos necessários para praticar a ainda desconhecida "Magia", algo mais funcional e poderoso do que as demoradas e limitadas feitiçarias que necessitam da invocação de demônios para serem realizadas. Como recompensa pela ajuda, a garota promete fazê-lo ficar com a aparência de um humano.

Em um primeiro momento o mercenário fica em dúvida tanto quanto sobre legitimidade a respeito desse livro, quanto de aceitar a oferta uma vez que ele próprio estava ali para trabalhar na caça de pessoas iguais a Zero, porém ao final da conversa se convence da sinceridade dela e sua promessa e concorda ficar ao seu lado, dando assim início a uma inesperada parceria numa época marcada pela intolerância e violência.

Pude ler apenas 2 capítulos da light novel e 1 volume da versão mangá (também publicada desde 2014), e, além do fato de que o primeiro episódio do anime cortou muitos diálogos e acrescentou cenas inéditas - no primeiro caso até acho válido o que fizeram, porque caso contrário veríamos quase vinte minutos de bate papo entre os dois protagonistas -, não há mais nada de relevante que eu possa dizer sobre essa obra. Ainda na estreia já apareceu Albus, um garoto praticante de feitiçaria que parece conhecer o homem que Zero está atrás, e dali em diante os três se juntam numa viagem, cada qual pelo seu motivo.

Tendo um visual bastante parecido com a de Shimakaze de "Kantai Collection" por dividirem o mesmo ilustrador, Yoshinori Shizuma, confesso que curti a personalidade de Zero, que mescla certa ingenuidade em relação a como viver em sociedade - já que ela sempre morou isolada numa caverna, estudando - com pitadas de malícia brincalhona e um jeitão moe e atrapalhado - enfim, é bonitinha, engraçadinha e cheia de expressões, e a química inicial dela com o mercenário peludão valeu alguns risos por conta da extroversão de um e o estilo sisudo e sério do outro, sendo que no geral só tenho a criticar o bobo fanservice ocasional criado entre os dois. O anime ignorou isso, mas ao menos o começo das duas versões impressas detalharam até que bem não só o conceito da magia nesse mundo em que se passa a história, como ainda toda a situação política, religiosa e social dele - é praticamente uma reinvenção do período de caça às bruxas entre os séculos XV e XVI. De todo modo, a história parece que vai pender mesmo para um lado mais leve e bem humorado de acordo com o pouco que li de seu material.

Produzido pelo estúdio White Fox ("Soushin Shoujo Matoi", "Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu"), "Zero kara Hajimeru Mahou no Sho" traz Tetsuo Hirakawa na direção, Akito Matsuda ("Hibike! Euphonium", "Jitsu wa Watashi wa") na trilha sonora e Daisuke Mataga com Ryosuke Kimiya no "character design".




6 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAA!!!! Muito obrigada por mais um guia perfeito \*0*/ Essas resenhas, esses detalhes e essa dedicação, como não amar? <3 Parabéns pelo excelente trabalho!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita, quanta empolgação, até fico sem graça, haha

      'Brigado pelo comentário, Maka.

      Excluir
  2. Erick, sobre o novo Yugioh:
    Novo campo, novidades no sistema de batalha, algumas regras novas, a nova invocação chamada Link, um novo tipo de monstro além do novo tipo de invocação, maior nível de estratégia, provável que sejam duelos aéreos e numa matrix. O cabelo do protagonista mudou ou não é exatamente como o protagonista é, pelo que foi divulgado pela Konami

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Brigado pelo toque. Parece que a cor de cabelo do protagonista muda quando ele entra no espaço de realidade virtual, e em relação as demais novidades eu já tinha lido a respeito algumas deles, porém quando são coisas muito específicas de uma franquia acabo não citando tudo. Tentarei ao menos acrescentar uma nota de atualização usando seu comentário como base.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Ainda não confirmaram oficialmente quando estreará a segunda temporada.

      Excluir